G1 Mundo

Lula diz que invasão da polícia do Equador à embaixada do México é ‘inaceitável’ e cobra pedido formal de desculpas

today16 de abril de 2024 12

Fundo
share close

“Medida dessa natureza nunca havia ocorrido, nem nos piores momentos de desunião e desentendimento registrados na América Latina e no Caribe. Nem mesmo nos sombrios tempos das ditaduras militares em nosso continente”, declarou Lula.

Lula discursou em uma cúpula virtual da Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac) convocada para debater o episódio.

O presidente brasileiro cobrou que o Equador peça desculpas formais ao México e que os países região atuem “para que episódios como este nunca mais voltem a ocorrer”.



“O que aconteceu em Quito, no último dia 5, é simplesmente inaceitável e não afeta só o México. Diz respeito a todos nós. Um pedido formal de desculpas por parte do Equador é um primeiro passo na direção correta”, disse.

O discurso do presidente não foi transmitido pelo governo brasileiro. O Palácio do Planalto divulgou uma transcrição da fala de Lula após o evento.

Lula já havia criticado a ação da polícia equatoriana durante conversa por telefone com o presidente do México, Andrés Manuel López Obrador. Na ocasião, Lula disse a Obrador que invasão da embaixada foi uma “grave ruptura do direito internacional”.

Após a invasão da embaixada, o presidente do Equador, Daniel Noboa, publicou em uma rede social que tomou uma decisão excepcional para ‘proteger a segurança nacional e a dignidade de um povo que rejeita qualquer tipo de impunidade’.

Lula também elogiou o recurso do governo mexicano à Corte Internacional de Justiça (CIJ), em Haia. O México, que rompeu relações com o Equador, pediu que o país seja suspenso da ONU em razão da invasão da embaixada.

Lula ainda destacou que é importante que os países da Celac auxiliem na resolução da crise, sem a intervenção de nações de fora da região.

“Nosso desafio agora é o de encontrar caminhos para a reconstrução da confiança e do diálogo”, declarou.

OEA condena invasão da embaixada do México no Equador

OEA condena invasão da embaixada do México no Equador

No dia 5 de abril, um grupo de policiais equatorianos foi até a embaixada do México, em Quito, para prender Jorge Glas, ex-vice-presidente do Equador condenado a seis anos de prisão por corrupção.

Glas recebeu asilo político do México e estava na embaixada desde dezembro 2023. Ele alega ser vítima de uma perseguição da Procuradoria-Geral do Equador.

De acordo com a Convenção de Viena sobre as Relações Diplomáticas, de 1961, os locais de missões de um país dentro de um outro — como embaixadas e consulados — são considerados invioláveis. Equador e México aderiram à regra na década de 1960.

Segundo o tratado, a entrada de agentes de estado dentro desses locais depende da autorização do chefe da missão estrangeira. Ou seja, no caso do Equador, a polícia deveria solicitar permissão ao embaixador mexicano para ingressar no local.

Após o episódio, o governo mexicano anunciou que suspendeu as relações diplomáticas com o Equador e retirou embaixadores. Também apresentou denúncia no Tribunal Internacional de Haia, pedindo que o país seja suspenso da ONU.

Ex-vice-presidente do Equador, levado da embaixada do México pela polícia equatoriana, foi internado no hospital por overdose de medicamentos

Ex-vice-presidente do Equador, levado da embaixada do México pela polícia equatoriana, foi internado no hospital por overdose de medicamentos




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

por-temor-de-acoes-do-ira,-argentina-reforca-seguranca-em-fronteira-com-brasil-e-em-locais-judaicos

G1 Mundo

Por temor de ações do Irã, Argentina reforça segurança em fronteira com Brasil e em locais judaicos

O governo de Javier Milei, que declarou apoio a Israel, teme que seu país seja alvo de um terceiro atentado -- a Justiça argentina considera que os dois primeiros, na década de 1990, foram feitos pelo Irã. (Leia mais abaixo) Na segunda-feira (15), o governo argentino formou um comitê de crise que aumentou o alerta de risco de atentados a alvos judaicos e reforçou as fronteiras, principalmente a de Foz […]

today16 de abril de 2024 10

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%