Pleno News

Lula, o virulento antissemita

today21 de fevereiro de 2024 11

Fundo
share close

Lawrence Maximus – 21/02/2024 15h37

Lula em coletiva de imprensa na Etiópia

Lula durante coletiva de imprensa, em Adis Abeba, Etiópia Foto: Ricardo Stuckert / PR

Entre as pirâmides do Egito, em solo africano, o presidente Lula escancarou seu antissemitismo, imerso no analfabetismo funcional sobre a política internacional – evidenciando seu profundo desconhecimento dos fatos atuais da guerra de Israel contra o Hamas – e a historicidade do conflito israelo-palestino.

Em consequência, Israel declarou o presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva “persona non grata”, na última segunda-feira (21), por sua declaração e posicionamento antissemita – comparando Israel com a Alemanha nazista, acusando o Estado judeu de genocídio em Gaza – entrando para a história como o primeiro presidente do Brasil a receber esse título.

Lula, além de banalizar o Holocausto, profanou a memória de 6 milhões de judeus, vítimas do maior genocídio na história da humanidade.

O fato é que, nos últimos meses, Lula e lideranças ligadas ao governo petista, condenaram abertamente Israel, como “Estado assassino”. Sobretudo, estamos diante de um governo anti-Israel.


Portanto, analisando as declarações em questão, é importante contextualizarmos, porque é antissemitismo comparar Israel aos nazistas.



Em 7 de outubro de 2023, o Hamas invadiu o sul de Israel e massacrou 1.200 pessoas, sequestrando cerca de 240, das quais, 134 permanecem em cativeiro. Em resposta, Israel deu início a uma contraofensiva ao grupo terrorista na Faixa de Gaza.

Apesar de estar exercendo o seu direito legítimo à autodeterminação, o Estado judeu tem sido constantemente acusado de agir como os nazistas e de cometer genocídio. Tal afirmação, porém, não é recente. Há anos Israel é falsamente acusado.

Isso é uma grave distorção histórica, segundo a Aliança Internacional em Memória do Holocausto (IHRA), pode ser considerada também uma forma de antissemitismo, uma vez que é baseada numa visão altamente negativa sobre os judeus.

O elemento central da ideologia nazista era o extermínio do povo judeu. Hitler acreditava que a própria existência dos judeus constituía uma ameaça à humanidade. Por isso, havia a necessidade de exterminá-los.

Se fosse esse o objetivo de Israel, o país não teria integrado os Acordos de Oslo, em 1993, tampouco feito vários esforços para a criação de um Estado palestino, como em 2000 e em 2008. Ademais, certamente não teria se retirado por completo da faixa de Gaza, em 2005.

A situação dos palestinos hoje, porém, é completamente diferente. A população na Faixa de Gaza e na Cisjordânia, juntas, cresceram de 1,1 milhão, na década de 60, para cerca de 5 milhões, atualmente.


Ou seja, se Israel fosse realmente um Estado nazista, isso não teria acontecido. Muito pelo contrário, já teriam sido implementadas estratégias para a destruição em larga escala desse povo, assim como os nazistas fizeram em Auschwitz e outros campos de concentração.

Também não é possível afirmar que a Faixa de Gaza é um campo de concentração. Até porque, lá não há uma infraestrutura industrial para a matança em massa de palestinos, como acontecia na Europa durante o nazismo. Na verdade, é o contrário.

O Hamas governa o território desde 2007 e o embargo é mantido não apenas por Israel, mas também pelo Egito, por preocupações semelhantes de segurança, em relação aos grupos terroristas. Mesmo agora, durante a contraofensiva ao Hamas, o Exército israelense tem buscado agir conforme leis do direito internacional humanitário, para criação de zonas seguras e corredores humanitários para os não combatente palestinos.

Prova disso é que até mesmo a Corte Internacional de Justiça, ao analisar a denúncia esdrúxula da África do Sul de que Israel estaria cometendo um genocídio, não determinou que o Estado judeu cessasse suas operações. Não há, portanto, qualquer semelhança com o Holocausto, um evento único na história.

A equiparação das ações de Israel – e até do sionismo – com o nazismo é proposital e visa evocar o trauma judaico durante o genocídio nazista. Recorrer a falsas equivalências históricas como essa, além de ser uma afronta à memória do Holocausto, também não ajuda em nada a causa palestina.


Na verdade, pode até ajudar a mascarar a real causa do sofrimento deles no momento, que são as ações terroristas do Hamas, pois, os terroristas do grupo roubam a ajuda humanitária e utilizam civis como escudos humanos, ameaçando e matando aqueles que ousam pedir paz com Israel.

Por fim, é importante lembrar que o Hamas, em 2022, parabenizou Luiz Inácio Lula da Silva por sua vitória eleitoral após ter derrotado Jair Bolsonaro, no segundo turno das eleições. Em uma publicação em seu site oficial, o grupo se refere a Lula como um “lutador pela liberdade”.

Em suma, como bem destacou o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, Lula age como o mais virulento antissemita. Como essas e outras falácias antissemitas nos últimos meses, o presidente vem contribuindo para o crescimento do antissemitismo no Brasil.

“Que Adonai nosso Deus abençoe a Terra Santa!


Que Adonai nosso Deus tenha misericórdia do Brasil…”.

*Siga-me nas redes sociais.

Lawrence Maximus é cientista político, analista internacional de Israel e Oriente Médio, professor e escritor. Mestre em Ciência Política: Cooperação Internacional (ESP), Pós-Graduado em Ciência Política: Cidadania e Governação, Pós-Graduado em Antropologia da Religião e Teólogo. Formado no Programa de Complementação Acadêmica Mastership da StandWithUs Brasil: história, sociedade, cultura e geopolítica do Oriente Médio, com ênfase no conflito israelo-palestino e nas dinâmicas geopolíticas de Israel.

* Este texto reflete a opinião do autor e não, necessariamente, a do Pleno.News.

Leia também1 Brasileira que sobreviveu ao ataque do Hamas manda recado para Lula

2 Líder do PT no Senado critica falas de Lula sobre o Holocausto

3 Jair Bolsonaro critica fala de Lula sobre Israel: “É criminosa”

4 Governo de Israel declara Lula como “persona non grata”

5 Conflito: Relembre declarações de Lula contra Israel

Siga-nos nas nossas redes!

O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.




Todos os créditos desta notícia pertecem a Pleno News.

Por: Lawrence Maximus

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

guaruja-reforca-importancia-da-avaliacao-escolar-junto-a-mais-de-1,5-mil-professores

Prefeitura de Guarujá

Guarujá reforça importância da avaliação escolar junto a mais de 1,5 mil professores

Prefeitura realizou um dia inteiro de reflexões com educadores de diversos níveis da rede municipal de ensino Com foco na importância da avaliação escolar, que reflete significativamente no desenvolvimento de crianças e adolescentes, a Prefeitura de Guarujá promoveu um dia de reflexões junto a 1.530 professores da Educação Básica (PEBs I e III), além de cursos profissionalizantes. Ao todo, três encontros no decorrer da última sexta-feira (16), reuniram os colaboradores da […]

today21 de fevereiro de 2024 2

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%