G1 Santos

Mãe de estudante espancado em escola de professora que beijou aluno diz que filho mudou: ‘mais arredio’

today13 de dezembro de 2023 2

Fundo
share close

O menino é amigo da aluna que recebeu mensagens da professora contando que havia beijado um estudante do 9ª ano do Ensino Fundamental, e queria “transar com ele”. Foi a mãe dela quem denunciou o caso à diretoria da escola municipal Vereador Felipe Avelino Moraes. Depois disso, a professora de artes foi demitida.

Helena contou que, desde que o filho foi espancado, em 14 de novembro, não recebeu apoio da prefeitura. Ela citou a falta de um encaminhamento psicológico — ele tenha uma avaliação marcada para sexta-feira (14) –, e uma resposta sobre a transferência de unidade escolar.

O estudante chegou a permanecer internado por cinco dias, de 17 a 21 de novembro, após as dores terem aumentado. “Além das escoriações, ele teve hematomas no rosto e um hematoma abdominal”, disse, com base no laudo médico.



Helena contou à reportagem que, mesmo após todo ocorrido, precisou acompanhar o filho na escola para que ele fizesse as provas finais, uma experiência, segundo ela, muito difícil por ter que encarar os colegas que agrediram o garoto.

“A gente espera que isso tenha alguma punição, porque ele foi prejudicado e eu como mãe vendo o estado dele fico muito triste”, disse a mãe, que teme pela permanência do filho na escola. O g1 entrou em contato com a Prefeitura de Praia Grande, mas não obteve resposta até a publicação desta matéria.

A mãe disse, ainda, que o adolescente prestou uma prova para a Etec, no último domingo (10), mas, por estar abalado, acha que o desempenho não foi o esperado. Helena ressaltou que, se não for aprovado, as chances de o filho continuar na mesma unidade de ensino são grandes, porque a prefeitura não sinalizou com a possibilidade de uma mudança, apesar dela ter pedido.

O delegado titular do 3º DP de Praia Grande, Rodrigo Martins Iotti, informou que um inquérito policial de ameaça e lesão corporal foi instaurado. Segundo o delegado, os envolvidos estão sendo acionados para serem ouvidos. Posteriormente, o caso será encaminhado para o MP da Infância e da Juventude.

Vídeo mostra menino acusado de ter dedurado professora por beijar aluno sendo agredido

Vídeo mostra menino acusado de ter dedurado professora por beijar aluno sendo agredido

Um vídeo obtido pelo g1 mostra ele sendo agredido pela primeira vez dentro de sala de aula em setembro. A mãe do jovem contou que o filho chegou a ser suspenso da escola durante sete dias por conta da agressão. Mas, ela diz que não sabe se o garoto que aparece esganando o pescoço do filho dela teve alguma punição. “Disseram que iam suspender meu filho porque foi uma agressão mútua”.

Desde a primeira agressão, registrada por colegas de sala no vídeo acima, a vítima passou a ir e voltar da escola acompanhada, mas no dia da última violência houve um imprevisto e precisou sair sozinha.

Menino foi agredido por colegas da classe na escola municipal Vereador Felipe Avelino Moraes, em Praia Grande — Foto: Reprodução e Reprodução/TV Tribuna

“Ele perdeu o direito de ir e vir, esses meses a gente estava levando e trazendo todo dia (…). Estavam premeditando a oportunidade de pegar ele”, finalizou.

Print da conversa entre a professora de Praia Grande e a aluna de 14 anos — Foto: Reprodução

A professora trabalhava na escola municipal Vereador Felipe Avelino Moraes. Ela contou à aluna que encontrou o estudante e um amigo na rua. Depois, eles foram ao mercado, e ele a levou para casa. “Eles me trouxeram para casa. Aí, aconteceu”, conta ela nas mensagens.

A docente foi denunciada à diretoria da escola pela mãe da aluna para quem enviou as mensagens. Após o caso ganhar repercussão, tanto a estudante quanto o melhor amigo dela passaram a receber ameaças de colegas na unidade de ensino, que se tornaram agressões.

Três alunos bateram no adolescente, sendo um deles o que teria beijado a professora. O jovem que foi agredido chegou a ser hospitalizado. A mãe dele contou que a diretora da escola permitiu que a professora tivesse acesso ao nome da autora da denúncia, o que desencadeou as ameaças e a agressão.

Em uma determinada ocasião, a mãe do aluno agredido e a mãe que fez a denúncia acionaram a Guarda Civil Municipal (GCM) e registraram um boletim de ocorrência de ameaça, no 3º Distrito Policial da cidade. Mesmo assim, o garoto foi agredido na última terça-feira (14).

O adolescente foi jogado no chão e agredido com chutes e socos. Ele foi levado ao Instituto Médico Legal (IML) com ferimentos na boca e, três dias depois, começou a sentir dores abdominais. O jovem foi levado pela mãe ao hospital. Desde sexta-feira (17), ele está internado sem previsão de alta.

Aluno é agredido por colegas após ser acusado de denunciar professora que beijou adolescente — Foto: Reprodução

Em nota, à época, a Prefeitura de Praia Grande, por meio da Secretaria de Educação (Seduc), informou que a professora foi demitida por má conduta e afirmou que a direção da escola reportou o caso ao conselho tutelar.

A Administração Municipal ainda disse lamentar as agressões sofridas pelo aluno e não compactuar com essas atitudes. O município afirmou que adotará ações de conscientização com os estudantes para que novos casos do tipo não aconteçam.

O g1 tentou contato com a professora, mas não recebeu retorno até a última atualização desta reportagem.

G1 em 1 minuto: Professora admite ter beijado aluno em mensagem e é demitida de escola

G1 em 1 minuto: Professora admite ter beijado aluno em mensagem e é demitida de escola

VÍDEOS: Mais assistidos do g1 nos últimos 7 dias




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Santos.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

idosa-que-urina-sangue-ha-dois-meses-luta-por-consulta-com-urologista:-‘cheira-mal’

G1 Santos

Idosa que urina sangue há dois meses luta por consulta com urologista: ‘cheira mal’

Ao g1, nesta quarta-feira (13), a artesã explicou que antes de descobrir o cálculo, os sintomas já eram: dor de cabeça e sangue na urina. Pré-diabética e com propensão a desenvolver problemas cardíacos, ela teme sofrer um Acidente Vascular Cerebral (AVC) devido a recorrência de picos de pressão. Para Elizabeth, o sistema de saúde municipal “está falido, sem controle”, o que se traduz na demora para receber o atendimento especializado. […]

today13 de dezembro de 2023 4

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%