G1 Mundo

Mais de 100 mil já deixaram a região de Nagorno-Karabakh, diz agência da ONU

today30 de setembro de 2023 8

Fundo
share close

Isso representa mais de 80% da população total estimada em 120 mil habitantes.

A região de Nagorno-Karabakh, que fica no Cáucaso, é internacionalmente reconhecida como parte do Azerbaijão. No entanto os moradores, em maioria, são de etnia armênia (ou seja, do país vizinho), e, em 1994, com um movimento separatista apoiado pela Armênia, instituíram um governo autônomo no local.

Nagorno-Karabakh — Foto: g1



Entenda a crise na região de Nagorno-Karabakh

Entenda a crise na região de Nagorno-Karabakh

Esse povo que vive em um enclave montanhoso foi anexado ao território da República Soviética do Azerbaijão em 1923. O grande problema é que a esmagadora maioria da população é de etnia armênia, o país vizinho, e não aceitou bem a anexação.

Muitos anos depois, em 1991, após o colapso da União Soviética e aproveitando o momento de instabilidade, um movimento separatista ganhou força na região de Nagorno-Karabakh. A população não queria ser parte e nem responder ao governo azerbaijano.

A situação escalou para um conflito armado que durou anos. Em 1994, com intermédio dos governos russo e armênio, um cessar-fogo foi alcançado. Entre as condições, Nagorno-Karabakh seguiria como um território azerbaijano, mas com um governo autônomo não reconhecido internacionalmente.

Dessa maneira essa população foi se criando e se desenvolvendo nos quase 30 anos seguintes.

Em 2020 o governo azerbaijano ordenou uma operação militar para tentar retomar posições dentro de Nagorno-Karabakh.

A ofensiva resultou na recuperação de algumas áreas por parte de Baku e enfraqueceu a região autônoma.

Fim da república autônoma

O presidente da autoproclamada República Armênia de Nagorno-Karabakh, Samvel Shahramanyan, anunciou na manhã desta quinta-feira (28) que o governo autônomo será dissolvido a partir do dia 1° de janeiro de 2024.

Dois ex-líderes da região autônoma já foram presos pela polícia azerbaijana. Ruben Vardanyan foi levado pelo exército até a capital azerbaijana, Baku, onde foi entregue aos órgãos estatais para ser julgado.

Vardanyan, é um empresário bilionário que fez fortuna na Rússia. Ele era dono de um grande banco de investimento e mudou-se para Nagorno-Karabakh em 2022. Ele serviu como chefe do governo regional entre novembro de 2022 e fevereiro de 2023, quando renunciou ao cargo.

Levon Mnatsakanyan foi levado preso para Baku nesta sexta-feira (29). Ele liderou o exército da autoproclamada República de Artsakh de 2015 a 2018.

As prisões fazem parte de uma operação para prender e julgar pessoas que, para o Azerbaijão, teriam cometidos diversos crimes. Autoridades azerbaijanas ainda disseram que “há centenas de nomes na lista”.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

como-era-o-aluguel-de-dvds-da-netflix,-que-durou-25-anos-e-so-acabou-nesta-semana

G1 Mundo

Como era o aluguel de DVDs da Netflix, que durou 25 anos e só acabou nesta semana

Em comunicado, a Netflix afirmou que o envio de DVDs ampliou o número de títulos disponíveis e deu aos usuários liberdade de ver o que quiserem numa época em que o streaming ainda não era uma realidade. "Durante 25 anos, redefinimos a forma como as pessoas assistem a filmes e séries em casa e compartilhamos a emoção de abrir suas caixas de correio com nossos icônicos envelopes vermelhos", disse a […]

today30 de setembro de 2023 3

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%