G1 Mundo

Mais de 300 já morreram em protestos no Irã, diz agência da ONU

today22 de novembro de 2022 15

Fundo
share close

Balanço, apresentado nesta terça, leva em conta os dois meses das manifestações que tomaram conta do país. Atos começaram por morte de jovem Mahsa Amini. Tiros de policiais são apontados como principal causa das mortes. Governo iraniano culpa “forças estrangeiras” nos atos.


Manifestantes protestam durante funeral de três iranianos mortos baleados durante manifestação na província de Khuzenstão, no Irã, em 18 de novembro de 2022. — Foto: Alireza Mohammadi/ AFP



Mais de 300 pessoas já morreram durante os protestos que tomaram conta do Irã e que pedem o fim do regime islâmico nos dois últimos meses, segundo levantamento da agência das Organizações das Nações Unidas (ONU) para os Direitos Humanos apresentado nesta terça-feira (22).

O país vive a maior onda de protestos de sua história, que eclodiram em reação ao caso da jovem curda Mahsa Amini, de 22 anos, que apareceu morta após ser presa no fim de setembro pela chamada polícia dos bons costumes do país por “uso inadequado” do véu islâmico, obrigatório no Irã.

As reivindicações, contra a repressão às mulheres, rapidamente se tornaram o maior movimento contra a República Islâmica desde a sua proclamação, em 1979.

O governo tem respondido com repressão às manifestações, e há diversos relatos apontam que tiros vindos de policiais durante os atos são os responsáveis pela maior parte da morte.

A agência da ONU não sustenta diretamente essa informação, mas descreve um “endurecimento da resposta das autoridades aos protestos que resultaram em mais de 300 mortes nos últimos dois meses”.

“Instamos suas autoridades a atender às demandas das pessoas por igualdade, dignidade e direitos, em vez de usar força desnecessária ou desproporcional para reprimir os protestos”, disse o porta-voz do chefe de direitos humanos da ONU, Volker Turk.

Multidão marcha em direção a cemitério onde foi enterrada Mahsa Amini, no Irã

Multidão marcha em direção a cemitério onde foi enterrada Mahsa Amini, no Irã

Os números apresentados pela ONU são similares aos da Organização Não Governamental (ONU) Iranian Human Rights Watch, , a principal organização de monitoramento das manifestações. A ONG fala em 380 mortes desde o início dos protestos. Ainda segundo esse balanço, 45 eram crianças.

Newsletter G1 Created with Sketch.

O que aconteceu hoje, diretamente no seu e-mail

As notícias que você não pode perder diretamente no seu e-mail.

Para se inscrever, entre ou crie uma Conta Globo gratuita.

Obrigado!

Você acaba de se inscrever na newsletter Resumo do dia.

Deseja receber as notícias mais importantes em tempo real? Ative as notificações do G1!




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

arabia-saudita-executou-17-pessoas-por-contrabando-e-delitos-relacionados-a-drogas-nas-ultimas-semanas

G1 Mundo

Arábia Saudita executou 17 pessoas por contrabando e delitos relacionados a drogas nas últimas semanas

Observatório da ONU registrou condenados a morte no país desde 10 de novembro. Disputas surgiram na aliança formada pela Arábia Saudita e os príncipes herdeiros de Abu Dhabi — Foto: Reuters Um porta-voz do escritório de direitos humanos da ONU disse nesta terça-feira (22) que 17 homens foram executados na Arábia Saudita desde 10 de novembro por contrabando e delitos com drogas, chamando as execuções de "profundamente lamentáveis". Os mortos […]

today22 de novembro de 2022 15

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%