Notícias

Manifestantes pró-Palestina invadem prédio da Universidade de Columbia; presos em protestos chegam a 1.000

today30 de abril de 2024 12

share close

Nesta terça, autoridades dos EUA disseram que mais de 1.000 pessoas, entre estudantes, professores e pessoas que se uniram aos atos já foram presas durante os protestos em todo o país, que começaram a respingar na corrida eleitoral para a Casa Branca deste ano (leia mais abaixo).

Os manifestantes entraram no prédio acadêmico de Hamilton Hall, quebrando janelas e portas. Imagens registradas pela imprensa no local mostram os invasores transportando cadeiras pelas escadas do prédio histórico (veja foto acima).

Até a última atualização desta reportagem, o grupo seguia dentro do prédio.



Manifestantes entram em prédio da Universidade de Columbia, em Nova York. — Foto: Reuters

Após dar um ultimato para que os alunos deixassem o acampamento montado no campus, a direção começou a suspender os estudantes que decidiram seguir no local.

O vice-presidente do Escritório de Assuntos Públicos de Columbia, Ben Chang, não disse quantas pessoas seriam suspensas, mas afirmou que esses alunos não poderão frequentar aulas ou se graduar.

Os manifestantes em Columbia prometeram manter o acampamento até que a universidade atenda a três demandas: retirada de qualquer tipo de investimento no governo de Israel, transparência nas finanças da faculdade e anistia para estudantes e professores punidos por sua participação nos protestos.

Alunos ocupam prédios da Universidade Columbia

Alunos ocupam prédios da Universidade Columbia

Desde meados de abril, manifestações pró-Palestina tomaram diversos campi dos Estados Unidos, que, desde então, vivem dias de tensão.

Os manifestantes — estudantes e parte dos professores — pedem que as instituições rompam laços financeiros com Israel, um aliado-chave dos Estados Unidos. Eles consideram a relação com o país insustentável após a campanha militar israelense na Faixa de Gaza, que já deixou 34 mil mortos desde outubro, segundo o governo, controlado pelo Hamas.

Ao mesmo tempo, uma parte dos estudantes judeus afirma que não se sente segura dentro das universidades. Também há judeus que fazem parte do movimento pró-palestinos.

As manifestações já devem respingar na corrida para as eleições presidenciais do país, que ocorrem em novembro deste ano, principalmente na campanha do atual presidente, Joe Biden, que apoiou fortemente Israel no início da guerra.

Manifestantes pró-palestina na Universidade de Columbia. — Foto: Alex Kent/Getty Images via AFP

Estudantes pró-Palestina entram em prédio da Universidade de Columbia

Estudantes pró-Palestina entram em prédio da Universidade de Columbia




Todos os créditos desta notícia pertecem a Notícias.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

idosa-sofre-fratura-no-femur-e-pulso-apos-tropecar-em-buraco-na-orla-de-itanhaem,-sp,-e-aguarda-cirurgia

G1 Santos

Idosa sofre fratura no fêmur e pulso após tropeçar em buraco na orla de Itanhaém, SP, e aguarda cirurgia

Uma idosa, de 72 anos, sofreu fraturas no punho e no fêmur após tropeçar em um buraco na orla de Itanhaém, no litoral de São Paulo. Conforme apurado pelo g1, nesta terça-feira (30), ela precisará passar por cirurgia. O acidente aconteceu no calçadão da Avenida Presidente Vargas, na orla do Centro. Ao g1, o marido da vítima, de 79 anos, contou que a mulher costuma caminhar na orla para se […]

today30 de abril de 2024 9

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%