G1 Mundo

‘Me cobri com sangue para escapar’: o relato de sobrevivente de ataque a escola em Uganda

today21 de junho de 2023 6

Fundo
share close

“Passei o sangue dos meus colegas mortos na boca, nas orelhas e na cabeça para os agressores pensarem que eu estava morto”, disse ele, quando o encontramos no Hospital Geral de Bwera, no distrito de Kasese.

O presidente da Uganda, Yoweri Museveni, culpou as Forças Democráticas Aliadas (ADF, na sigla em inglês) pelo ataque, acrescentando que “estavam possivelmente trabalhando com outros criminosos, porque ouvi dizer que houve algumas disputas na escola”.

Ele não entrou em detalhes, mas prometeu ir atrás dos integrantes do grupo rebelde em seus esconderijos na fronteira com a República Democrática do Congo.



A ADF ainda não comentou.

O grupo foi formado na década de 1990 e pegou em armas contra Museveni, alegando perseguição à minoria muçulmana.

Seu líder teria jurado lealdade ao grupo extremista autodenominado Estado Islâmico em 2016.

Mas o Estado Islâmico só reconheceu pela primeira vez sua atividade na área em abril de 2019, quando reivindicou a autoria de um ataque a posições do Exército perto da fronteira com a Uganda.

Acredita-se que seis estudantes foram sequestrados enquanto os autores do ataque se retiravam para a República Democrática do Congo.

Julius está entre as seis pessoas que conseguiram sobreviver ao ataque que durou várias horas.

Ele não identificou os agressores, mas disse que homens armados iniciaram o ataque por volta das 22h (horário local).

Eles foram até o dormitório masculino, mas os alunos haviam trancado a porta ao perceber que corriam perigo.

“Quando eles não conseguiram abrir a porta, jogaram uma bomba dentro do dormitório e depois usaram martelos e machados para arrombar a porta”, diz ele.

Julius estava atrás de vários colegas que formaram uma barreira perto da porta e foram mortos a tiros quando os agressores entraram no dormitório.

Ouviam-se gritos à medida que os alunos eram baleados, esfaqueados ou mortos a tiros.

Ele subiu rapidamente em um beliche, tirou algumas tábuas de madeira do teto e entrou lá dentro para se esconder.

De lá, assistiu impotente a seus colegas sendo brutalmente assassinados pelos criminosos, que na sequência atearam fogo em colchões e foram embora.

“Fui tomado pela fumaça e caí no dormitório com um baque”, ele lembra.

Os autores do ataque ouviram o barulho e voltaram.

Foi nesse momento que Julius soube que precisava sair vivo dali.

“Deitei ao lado dos corpos ensanguentados dos meus amigos e pensei muito rápido. Depois passei muito sangue nas orelhas, na boca e na cabeça — e quando os agressores chegaram, verificaram meu pulso e foram embora”, diz Julius.

O estudante Godwin Mumbere conseguiu fugir da escola — Foto: BBC

Outro sobrevivente, Godwin Mumbere, estava no mesmo dormitório que Julius.

O rapaz de 18 anos se lembra dos agressores indo ao dormitório feminino, arrastando as estudantes para fora e matando-as com golpes de facão.

Depois, eles foram ao dormitório masculino, arrombaram a porta e começaram a atacar os alunos.

A cama sob a qual Godwin estava escondido foi derrubada, e seus amigos que estavam no topo caíram no chão e foram mortos.

“Os agressores me viram, mas pensaram que eu estava morto”, disse ele à BBC.

Eles saíram do dormitório, mas voltaram para garantir que todos estivessem realmente mortos.

“Foi nesse momento que eles atiraram na minha mão e incendiaram o dormitório”, afirma.

Godwin foi trazido de volta à realidade pelos gritos de outro estudante que dizia que eles estavam morrendo.

Ele saiu correndo do dormitório, pulou o portão da escola e foi até uma loja de ferragens próxima, passando por uma plantação de cacau. Chegou até um alojamento e se escondeu embaixo de um carro até ser resgatado.

Clarice Bwambare, administradora do Hospital Geral de Bwera, disse à BBC que eles começaram a receber os corpos de estudantes e moradores por volta de 1h da manhã — cerca de três horas após o início do ataque na noite de sexta-feira.

Ela observou que dos 20 corpos recebidos, 18 eram de estudantes.

Cinco sobreviventes estão se recuperando atualmente no hospital. Um deles é uma menina que está em estado grave na Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Um cirurgião recomendou que ela não fosse transferida por causa de um ferimento grave na cabeça após ser atingida por um martelo pelos rebeldes.

No domingo, 21 dos estudantes mortos foram sepultados por suas famílias, de acordo com o jornal New Vision de Uganda.

Deitado em seu leito no hospital, Julius lamentou não poder comparecer aos funerais. Ele disse que gostaria de ser um soldado, capaz de revidar e salvar a vida de seus amigos e colegas.

VÍDEOS: mais assistidos do g1




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

russia-intercepta-drones-na-regiao-de-moscou,-diz-governador

G1 Mundo

Rússia intercepta drones na região de Moscou, diz governador

Autoridade disse que drones estavam se aproximando de armazéns militares. Não há registros de danos ou feridos, segundo o governo russo. O presidente russo, Vladimir Putin, participa de uma reunião em Moscou, Rússia, em 15 de março de 2023 — Foto: Pavel Bednyakov/Sputnik via Reuters Três drones foram interceptados pela Rússia na região de Moscou, afirmou uma autoridade local nesta quarta-feira (21). Os equipamentos estavam se aproximando de armazéns militares, […]

today21 de junho de 2023 5

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%