G1 Mundo

Médicos iranianos vivem rotina sob pressão entre consultas clandestinas e atestados de óbito falsos

today30 de dezembro de 2022 9

Fundo
share close

“Há muitos feridos que não vão aos hospitais. Eles têm medo, pois sabem que podem ser presos assim que derem entrada nos serviços de emergência”, relata o neurocirurgião Nozar Aghakhani. “Com isso, os médicos não conseguem tratar esses pacientes”, aponta o franco-iraniano, que atende no hospital Kremin Bicêtre, nos arredores de Paris.

Segundo ele, alguns profissionais da saúde contornam o sistema, organizando consultas clandestinas diretamente nas casas dos pacientes, apesar dos riscos que correm. “Recentemente, uma jovem médica, que atendia feridos clandestinamente, foi encontrada morta, mutilada”, denuncia.

Nozar Aghakhani faz parte de um grupo de profissionais da saúde franco-iranianos que assinaram, esta semana, uma tribuna no jornal francês Le Monde na qual denunciam a situação das vítimas do regime durante os protestos, mas também a pressão que os médicos vêm sofrendo pelas autoridades iranianas. No texto, eles pedem “livre acesso aos cuidados dos feridos e a total liberdade dos profissionais da saúde no exercício das suas funções”.



O grupo afirma que alguns médicos são forçados a emitir documentos falsos para camuflar a origem dos ferimentos daqueles que chegam aos hospitais. “É extremamente difícil verificar as informações atualmente no Irã, mas sabemos que atestados de óbitos disfarçando a causa da morte dos feridos foram emitidos”, confirma Aghakhani. “Há casos de mortos que estavam hospitalizados ou que estavam na prisão”, detalha. “Alguns médicos resistem, mas outros, diante da situação difícil, podem ceder às pressões para assinar esses atestados de óbito”, deplora.

Os signatários esperam que uma mobilização dos profissionais da saúde tenha mais impacto que as condenações políticas, vistas pelo regime iraniano como uma incitação à revolta. “Na tribuna nós preferimos alertar apenas sobre a questão da ética médica e sobre o acesso aos serviços de saúde. Evitamos falar da situação nas prisões, por exemplo, pois é muito difícil saber exatamente o que está acontecendo. E esse não era o objetivo do nosso texto, assinado por médicos”, ressalta Aghakhani.

Mas isso não impede que ele e os demais signatários critiquem abertamente a aplicação da pena capital pelas autoridades iranianas. “Não há defesa para as condenações à morte. A pena capital não deve ser usada como uma arma de persuasão para assustar as pessoas, pois isso só cria mais ódio na população”, avalia o médico.

“As condições nas quais as condenações à morte são pronunciadas são terríveis”, denuncia Aghakhani.  “Algumas pessoas – inclusive médicos, como o radiologista Hamid Ghare-Hassanlou – foram condenadas à morte apenas um mês e meio após terem sido detidas”, conta. “Não dá para imaginar que um processo seja realizado corretamente em tão pouco tempo, respeitando os direitos humanos internacionais. Sabemos que os condenados não puderam escolher seus advogados e que os processos duraram apenas alguns minutos, com questões básicas, sem nenhuma prova”, relata.

“As pessoas devem saber o que está acontecendo no Irã, mesmo se não posso dizer concretamente como quem lê a nossa tribuna poderá agir. Mas nós tínhamos a responsabilidade de alertar”, conclui o médico franco-iraniano Nozar Aghakhani.

A onda de protestos foi desencadeada após a morte, em 16 de setembro, de Mahsa Amini, uma jovem curda iraniana de 22 anos detida por violar o rígido código de vestimenta feminino. O movimento de contestação canaliza anos de descontentamento decorrentes da má situação econômica e das restrições sociais, que atinge boa parte da sociedade iraniana. 




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

5-motivos-por-tras-da-queda-nos-espermatozoides

G1 Mundo

5 motivos por trás da queda nos espermatozoides

Esse é um dos principais achados de uma pesquisa recém-publicada feita na Universidade Hebraica de Jerusalém, em Israel, e na Escola de Medicina de Monte Sinai, nos Estados Unidos. Os pesquisadores calcularam que, nos anos 1970, os homens tinham 101 milhões de células reprodutoras por mililitro de sêmen, em média. Esse valor caiu para 49 milhões recentemente. Além da quantidade, as evidências também apontam uma queda na qualidade dos gametas […]

today30 de dezembro de 2022 7

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%