G1 Santos

Menino alvo de injúria racial em escola deixa ‘sonho’ de ser modelo: ‘para ser xingado de macaco?’

today14 de outubro de 2023 6

Fundo
share close

Nayara afirmou que o filho foi chamado de “projeto de bandido” por uma mulher, apontada por ela como madrasta de uma aluna que cometeu injúrias raciais contra ele, dentro da Unidade Municipal de Ensino Professor Waldery de Almeida. Ela registrou um Boletim de Ocorrência sobre o caso.

Segundo Nayara, Arthur demonstrou desinteresse por ser fotografado após passar pelos episódios com alguns colegas, que o ‘perseguiam’ na escola por ser negro, e também com a madrasta da aluna.

“Ele diz: ‘Vou fazer fotos sendo negro para depois ser xingado de ‘macaco’ e todo mundo dar risada de mim?'”, relatou Nayara. “Ele não está se aceitando mais”.



Mãe afirma que menino desejava ser modelo desde os três anos — Foto: Arquivo Pessoal

A mulher contou que comprou um uniforme do Flamengo, time de coração do filho, para que ele fosse fotografado para um álbum do aniversário de 10 anos, celebrado no próximo dia 30 de outubro.

O sonho dele era conhecer o clube, mas eu não tinha condições de levá-lo para o Rio de Janeiro e marquei algumas fotos por Santos”, explicou Nayara. “Mas, e agora que o menino não quer mais? Já me disse até que não sente graça no próprio aniversário, pois os amigos não são mais amigos”.

Mãe comprou uniforme do Flamengo, time de Arthur, para que ele tirasse as fotos para o próprio aniversário — Foto: Arquivo Pessoal

Nayara acrescentou que, com o objetivo de mostrar a beleza do filho para ele mesmo, buscou por exemplos de pessoas negras que são bem sucedidas no meio jornalístico, artístico e esportivo.

“Falei que a Maju é negra e é jornalista, que a Taís Araújo e o Lázaro Ramos são negros e atuam. Mostro também jogadores de futebol, como o Vinicius Jr., o Neymar e o Adriano Imperador”, disse Nayara. “Quero que ele entenda que a nossa vida não ‘acaba’ por sermos negros”.

A mulher ressaltou que a família e amigas próximas dela se empenharam em conversar com o menino para que ele recupere a autoestima e, novamente, volte a sentir o desejo de ser fotografado.

Mulher negra diz que filho foi chamado de ‘projeto de bandido’ dentro de escola em Santos (SP) — Foto: Arquivo Pessoal

Nayara contou ter percebido uma mudança no comportamento do filho há aproximadamente um ano. Segundo ela, o menino passou a não querer mais ir à escola e, em determinados dias, chegava em casa chorando e alegando ter sofrido injúrias. Ele foi transferido de escola pela família após o ocorrido e, atualmente, estuda em outra unidade municipal.

De acordo com Nayara, o episódio com a madrasta da aluna que ‘perseguia’ Arthur aconteceu na última semana. Ela foi até a escola para buscar o menino e acabou sendo chamada pela diretoria para falar sobre o comportamento dele.

Mulher afirma que filho negro foi chamado de ‘projeto de bandido’ dentro de escola — Foto: Arquivo Pessoal

Ela acrescentou que, nos últimos meses, foi constantemente convocada à unidade de ensino após o menino se envolver em ‘problemas’ com outros alunos. As situações aconteciam, segundo Nayara, quando Arthur reagia às ofensas e xingava os colegas de volta.

“Eu estava na escola quando essa mulher [a madrasta] bateu no meu ombro e disse: ‘Quero falar com você’, já num tom hostil. Respondi que, naquela hora, não poderia conversar, pois seria atendida na secretaria, mas ela começou a gritar e a expor o Arthur”, disse Nayara.

Segundo Nayara, a mulher começou a ofendê-la e, não satisfeita, passou a falar mal de Arthur.

Me chamou de ‘omissa’, ‘bandida’ e ‘negligente’. Depois, disse que eu estava criando um ‘projeto de bandido’. Nunca na vida, nem no pior pesadelo, esperei que uma criança de nove anos iria ouvir isso”.

Nayara afirmou que nenhum funcionário da escola se manifestou durante as ofensas da mulher, as quais ela também considera como um ato de racismo. “Acredito que o comportamento da menina, que ofendeu o Arthur, é um ‘espelho’ da madrasta“, finalizou.

A Prefeitura de Santos informou, por meio de nota, que a supervisão de ensino está apurando as informações e acompanhando o caso para orientar a equipe gestora da escola sobre os procedimentos que devem ser tomados em relação aos estudantes.

A Secretaria de Educação (Seduc) acrescentou que repudia qualquer ato de racismo e injúria racial e que desenvolve um trabalho de conscientização na rede municipal de educação, por meio de palestras e visitas às unidades de educação, para que questões raciais sejam temas de discussões e reflexões, atendendo a lei federal 11.645/08.

O g1 não localizou até a última atualização desta matéria a madrasta da estudante que, segundo Nayara, ‘perseguiu’ Arthur.

VÍDEOS: g1 em 1 Minuto Santos




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Santos.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

cafeteria-alvo-de-ataque-homofobico-e-a-primeira-do-estado-a-ser-reconhecida-por-iniciativas-lgbtqia+

G1 Santos

Cafeteria alvo de ataque homofóbico é a primeira do Estado a ser reconhecida por iniciativas LGBTQIA+

Em setembro, uma mulher foi filmada por câmeras de monitoramento fazendo ataques homofóbicos em frente ao estabelecimento, localizado dentro de um shopping no bairro do Gonzaga. Imagens obtidas pelo g1 mostram a agressora gritando frases como: "Quem lacra não lucra" e "essa bandeirinha gay aqui não está com nada" (veja o vídeo acima). O vídeo, compartilhado nas redes sociais da cafeteria, já ultrapassa 107 mil visualizações. O dono do estabelecimento, […]

today14 de outubro de 2023 5

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%