G1 Mundo

Milei enfrenta paralisação geral na Argentina; polícia tenta proibir bloqueio de vias

today24 de janeiro de 2024 5

Fundo
share close

Com o lema “o país não está à venda”, a paralisação geral foi convocada pela Confederação Geral do Trabalho (CGT), a maior central sindical do país, a partir do meio-dia (mesmo horário em Brasília), e a previsão é que dure 12 horas. A Confederação de Trabalhadores Argentinos (CTA), segunda maior central sindical, também aderiu, assim como setores do peronismo.

De acordo com a agência de notícias AFP, dezenas de milhares de pessoas participaram em todo o país.

O governo Milei fez bloqueios para impedir a chegada de manifestantes ao Congresso Nacional. O líder da CGT, Héctor Daer, criticou a proibição ao direito de reunião. O porta-voz presidencial, Manuel Adorni, disse que a manifestação resulta em prejuízo financeiro para “muitíssimos argentinos”.



A ministra Patricia Bullrich criticou as manifestações em uma rede social . Ela afirmou que o país não para, são “as máfias que param”.

  • Apesar da paralisação, muitos comércios estão funcionando normalmente na capital argentina nesta quarta-feira (24).
  • Os bancos atenderam normalmente até o meio-dia, apesar da previsão de que não abririam.
  • Ônibus, trens e metrô devem operar até as 19h, e então parar até à meia-noite, para que as pessoas consigam chegar às manifestações programadas.

A paralisação dos transportes públicos não é geral: uma das principais viações da cidade de Buenos Aires afirmou que seguirá funcionando.

Manifestantes fazem protesto contra medidas de governo

A cidade de Buenos Aires não é a única onde há paralisação: há protestos também em Mar del Plata e na província de Misiones.

Governador e manifestante

O governador da província de Buenos Aires, Axel Kicillof, foi ao protesto como manifestante. Kicillof é um político peronista, ele foi ministro de Cristina Kirchner e é um adversário do atual governo da Argentina.

Patricia Bullrich, a ministra da Segurança, o criticou por ter iso ao protesto. Ela afirmou que ele deveria fazer cumprir a lei, não a violar.

Congresso da Argentina analisa pacote de ajuste fiscal de Milei com alterações

Congresso da Argentina analisa pacote de ajuste fiscal de Milei com alterações

Contra as medidas econômicas

A Argentina vive uma das piores crise econômicas de sua história recente: cerca de 40% da população vive na pobreza e a inflação chegou a 211,4% em 2023, o maior nível desde a hiperinflação de 1990. O governo Milei, que assumiu em 10 de dezembro, diz que as medidas servem para tentar estabilizar a economia, equilibrar as contas públicas e reduzir a inflação.

É a primeira vez desde 2019 que a CGT promove uma paralisação geral — o último foi no governo de Mauricio Macri, de direita. A CGT não promoveu paralisações no governo de Alberto Fernandéz, de esquerda.

O porta-voz do governo de Milei, Manuel Adorni, disse que a população argentina é contra a paralisação e que não se sabe ao certo qual é a motivação dos grevistas. Para ele, a CGT está “do lado errado da história” e que nos últimos anos os trabalhadores perderam liberdade.

“Quem quiser trabalhar deveria poder trabalhar, e quem quiser parar, pode parar, mas sem atrapalhar a vida dos outros”, afirmou ele.

O governo afirmou que vai descontar o pagamento dos funcionários públicos que participarem da manifestação. Isso não acontecerá em todos os lugares; na província de Buenos Aires, que é governada por um político de esquerda, Axel Kicillof, os trabalhadores do Estado que pararem não terão desconto. Kicillof afirmou que vai respeitar o direito de greve.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

eleicoes-nos-eua:-por-que-vitoria-de-trump-em-new-hampshire-praticamente-decide-escolha-republicana

G1 Mundo

Eleições nos EUA: por que vitória de Trump em New Hampshire praticamente decide escolha republicana

Essa vitória significa que a disputa pela indicação está praticamente encerrada, mesmo que Haley ainda não esteja pronta para encerrar sua campanha — um fato que claramente irritou o ex-presidente em uma noite que, de outra forma, seria de celebração. "Ela está fazendo um discurso como se tivesse vencido", disse ele sobre sua rival, que prometeu permanecer na corrida. "Ela não venceu. Ela perdeu." Uma revanche nas eleições gerais de […]

today24 de janeiro de 2024 4

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%