G1 Mundo

Mohammad Mustafa é nomeado como novo primeiro-ministro palestino

today15 de março de 2024 11

Fundo
share close

Mohammad Mustafa, de 69 anos, é um economista formado nos Estados Unidos e é conselheiro econômico de Abbas de longa data, segundo a Reuters. Ele vai liderar a parte da Cisjordânia ocupada por Israel em meio a tratativas para que a ANP, reconhecida internacionalmente, administre a Faixa de Gaza após a guerra entre Israel e o grupo terrorista Hamas.

Ainda não se sabe se a nomeação de um novo gabinete liderado por um aliado próximo de Abbas seria suficiente para atender às demandas dos EUA por reformas, já que o presidente da ANP ainda continuaria no controle geral da organização. (Entenda mais sobre o caso abaixo)

“A mudança que os Estados Unidos da América e os países da região querem não é necessariamente a mudança que o cidadão palestino quer”, disse o analista político palestino Hani al-Masri à Reuters. “As pessoas querem uma mudança real na política, não uma mudança nos nomes. Elas querem eleições”, completou.



Segundo Hani al-Masri, Mustafa é “um homem respeitado e educado”, mas que terá dificuldade em atender às demandas públicas para melhorar as condições na Cisjordânia ocupada, onde as restrições israelenses impostas desde o início da guerra causaram uma crise econômica.

Mohammad Mustafa nasceu na cidade de Tulkarem, na Cisjordânia, em 1954, e obteve um doutorado em administração de empresas e economia pela Universidade George Washington. Ele ocupou cargos de alto escalão no Banco Mundial e anteriormente atuou como vice-primeiro-ministro e ministro da economia da Autoridade Nacional Palestina.

Mustafa é uma das figuras que supervisiona a reconstrução da Faixa de Gaza durante o controle do grupo terrorista Hamas sobre a região. Desde 2009 ele é presidente do Fundo de Investimentos para a Palestina (PIF), que tem orçamento de U$ 1 milhão (cerca de R$ 4,98 milhões) para projetos em territórios palestinos.

O economista também já ocupou altos cargos no Banco Mundial e em Washington, nos Estados Unidos, durante 15 anos.

Negociações para liderança da Faixa de Gaza

Israel prometeu destruir o Hamas e diz que, por razões de segurança, não aceitará o domínio da Autoridade Nacional Palestina (ANP) sobre a Faixa de Gaza após a guerra, que já matou cerca de 1.200 israelenses e quase 30 mil palestinianos.

Há cerca de 17 anos, a liderança palestina está dividida entre a Autoridade Nacional Palestina (ANP) e o grupo terrorista Hamas, que Gaza atualmente.

Os Estados Unidos pediram que a ANP seja reformada para que possa expandir sua autoridade para Gaza no pós-guerra, antes da criação eventual de um estado palestino em ambos os territórios. O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, descartou qualquer papel para a ANP em Gaza, e seu governo é contrário à soberania palestina.

A ANP deveria funcionar como um órgão de governo temporário de todos os territórios palestinos. Formado pelo líder, primeiro-ministro e um conselho legislativo. E o maior partido político palestino, Fatah, e o grupo terrorista Hamas, poderiam disputar cadeiras.

Presidente da Autoridade Palestina denuncia guerra contra seu povo

Presidente da Autoridade Palestina denuncia guerra contra seu povo

Porém, um conflito entre os dois partidos aconteceu após a última eleição para o Conselho Nacional Palestino, em 2006. À época, o grupo terrorista ganhou as cadeiras do conselho. Porém, a vitória não foi aceita por Israel e pela União Europeia, que financiavam em parte a ANP.

Os países impuseram sanções, que acirrou a rivalidade entre os partidos locais. Tanto que o Fatah dissolveu o conselho, ficando com o controle da ANP na Cisjordânia — onde tinha sua maior base de apoio — e o Hamas formou um governo próprio e tomou controle da Faixa de Gaza.

Esforços para um novo governo

O Fatah — partido de Shtayyeh — e o Hamas têm feito esforços para chegar a um acordo sobre um governo de unidade para controlar a Faixa de Gaza.

“A renúncia de Shtayyeh só faz sentido se ocorrer um acordo de consenso nacional sobre os preparativos para a próxima fase [de Gaza]”, disse Sami Abu Zuhri, o integrante da alta cúpula do Hamas, à Reuters.

Renúncia de primeiro-ministro

O primeiro-ministro palestino, Mohammad Shtayyeh, renunciou ao cargo em fevereiro. Ele é integrante da Autoridade Nacional Palestina (ANP), partido formado há 30 anos que exerce uma governança limitada sobre partes da Cisjordânia ocupada.

“Apresentei a demissão ao líder [da ANP, Mahmoud Abbas] em 20 de fevereiro e a submeto hoje [26 de fevereiro] por escrito”, afirmou Shtayyeh, antes de explicar que a decisão acontece “à luz dos fatos relacionados com a agressão contra a Faixa de Gaza e a escalada na Cisjordânia e Jerusalém”.

O primeiro-ministro palestino, Mohammad Shtayyeh, ao lado de um retrato do presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, durante reunião de gabinete anunciou renúncia — Foto: Zain Jaafar/AFP

Desde o início da guerra em Gaza, em 7 de outubro de 2023, o líder da ANP tem sido criticado por sua “impotência” diante dos bombardeios israelenses na Faixa e do aumento da violência na Cisjordânia ocupada.

“[O novo momento] exigirá acordos governamentais e políticos que levem em conta a realidade emergente na Faixa de Gaza, bem como a necessidade urgente de um consenso palestino”, afirmou Shtayyeh. Além disso, “é necessária a extensão da Autoridade Nacional Palestina sobre todo o território”.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

incendio-destroi-base-do-samu-em-frente-a-praia-no-litoral-de-sp;-video

G1 Santos

Incêndio destrói base do Samu em frente à praia no litoral de SP; VÍDEO

Um incêndio destruiu uma base do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) em Santos, no litoral de São Paulo, nesta quinta-feira (14). Segundo o Corpo de Bombeiros, ninguém se feriu (assista acima). A ocorrência começou por volta das 21h20, na unidade localizada na Avenida Bartolomeu de Gusmão, no bairro Boqueirão. Em nota, a corporação informou que as chamas foram contidas e os bombeiros deixaram o local às 22h10 sob […]

today14 de março de 2024 6

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%