G1 Santos

Mulher diz que foi abandonada por motorista de app por ser preta: ‘me senti um lixo’

today11 de junho de 2023 11

Fundo
share close

Uma diarista de 44 anos afirma ter sofrido racismo de um motorista de aplicativo que, segundo ela, arrancou com o carro após questionar se era mesmo a passageira da corrida. Ao g1, a mulher contou, neste domingo (11), que havia saído do trabalho, no bairro do Boqueirão, em Santos, no litoral do São Paulo, quando sofreu com o preconceito. “Me senti um lixo”.

“Me senti culpada por estar de uniforme, [mas] que culpa eu tenho? Eu sou negra. Tenho certeza absoluta que foi pela minha cor. Ele me olhou e não quis me levar pela minha cor. Me senti muito mal”, disse ela, que não quis se identificar.

A diarista contou que a patroa sempre pede veículos por aplicativo para que ela retorne para casa, em Praia Grande. Ela afirma que, em quatro anos, nunca sofreu algo semelhante ao ocorrido desta vez.



“Todo mundo perguntou se era porque outra pessoa [havia solicitado], mas não, ele sabia. Minha patroa sempre avisa e especifica que é para a funcionária”, relatou.

“Estava com calça legging preta, camiseta branca, chinelo e uma bolsa. Sai do prédio e o carro estava encostando. Chamei o motorista pelo nome, foi uma coisa muito rápida”. Ela contou que o motorista desceu o vidro do carro e questionou: ‘É para você?’

De acordo com a mulher, ele perguntou a encarando de cima a baixo. Assim que ela respondeu positivamente, disse que o motorista teria resmungado e arrancado com o carro, cancelando a corrida na sequência.

“Fiquei paralisada, pois quando acontece com a gente, a gente fica assim sem reação mesmo. Não tinha motivo”.

A profissional disse que dói passar por situações como a que viveu, que não se trata de uma frescura, mas, mesmo assim, não quis registrar boletim de ocorrência. Foi a patroa, segundo ela, quem compartilhou o caso nas redes sociais. “Se a gente deixa passar, vai sempre passando. E, como fez comigo, vai fazer com outra pessoa”.

Após ocorrido, nutricionista solicitou nova corrida e explicou a situação ao motorista que se solidarizou com o caso — Foto: Arquivo Pessoal

A nutricionista e patroa da vítima disse ao g1 que realizou uma reclamação na Uber. A empresa, segundo ela, entrou em contato para entender o caso e se comprometeu a avaliar a situação.

“[Ele] não deu nenhuma explicação. Só olhou para ela, perguntou se era para ela, ela confirmou, arrancou [com o carro] e a deixou”.

A patroa disse estar “indignada” com a forma como a funcionária foi tratada. “Como um ser humano pode fazer isso com o outro? Ela [diarista] ficou muito mal”. E complementou: “Uma sensação de fracasso, impotência, sabe? De não poder fazer nada. Fiquei em choque porque sou branca né? E a gente sempre espera que as pessoas sejam como você [é com as outras]”.

Em nota, a Uber informou que não tolera qualquer forma de discriminação e, em casos dessa natureza, encoraja a denúncia tanto pelo aplicativo quanto às autoridades competentes. A empresa se colocou à disposição para colaborar com as investigações, na forma da lei.

De acordo com a Uber, a conta do motorista parceiro foi temporariamente desativada, enquanto acontecem as investigações. Além disso, em parceria com o MeToo, a Uber disponibiliza um canal de suporte psicológico que será disponibilizado ao usuário.

Por fim, a empresa ressaltou oferecer opções de mobilidade eficientes e acessíveis a todos e reafirmou o compromisso de promover o respeito, igualdade e inclusão para todas as pessoas que utilizam o app.

VÍDEOS: Mais assistidos do g1 nos últimos 7 dias




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Santos.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

mae-emociona-ao-escrever-carta-para-filho-morto-em-sp-apos-apresentacao-do-‘dia-das-maes’-em-escola:-‘coracao-em-pedacos’

G1 Santos

Mãe emociona ao escrever carta para filho morto em SP após apresentação do ‘Dia das Mães’ em escola: ‘coração em pedaços’

A mãe de Davi Cruz Garcia, de dois anos, que morreu atropelado após uma apresentação escolar de Dia das Mães em São Vicente, no litoral de São Paulo, escreveu uma carta ao filho após um mês perda. No texto, Fernanda Caroline da Cruz, de 27 anos, ressaltou que um dia eles se reencontrarão. "Filho, mesmo que não esteja mais fisicamente ao meu lado, seu amor vive eternamente em meu coração. […]

today11 de junho de 2023 10

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%