G1 Santos

Mulheres são condenadas a indenizar motorista de app em R$ 20 mil após falsa acusação de intoxicação

today17 de julho de 2022 14

Fundo
share close

Segundo a decisão da juíza da 2ª Vara do Juizado Especial Cível de Santos, no litoral de São Paulo, o laudo do Instituto de Criminalística constatou que produto oferecido pelo motorista era álcool etílico.

Uber vai revelar mais informações para os motoristas na tela de oferta de corridas — Foto: Divulgação



Duas mulheres foram condenadas a indenizar em R$ 20 mil [R$ 10 mil cada] um motorista de aplicativo por danos morais. Elas divulgaram nas redes sociais que o profissional havia intoxicado ambas dentro do veículo. Segundo a decisão da juíza Andrea Aparecida Nogueira Amaral Roman, da 2ª Vara do Juizado Especial Cível de Santos, no litoral de São Paulo, o laudo do Instituto de Criminalística (IC) constatou que produto era álcool etílico.

A juíza defendeu que o motorista teve a reputação, dignidade e honra ofendidas por meio de publicações em redes sociais que tiveram grande repercussão e resultaram na suspensão das atividades profissionais do homem.

Em novembro de 2021, o motorista conduziu a passageira e ofereceu-lhe álcool com essência de canela para higienizar as mãos. O homem disse que, após iniciar a corrida, a mulher pediu para que ele parasse o veículo, pois precisava ir a uma farmácia. Na sequência, após descer do carro, a mulher tirou fotos do veículo do motorista.

Posteriormente, o motorista soube que a passageira tinha publicado uma foto do veículo e feito um falso alerta, dizendo que o motorista queria dopá-la.

O profissional foi à Delegacia da Mulher, entregou uma amostra do produto para perícia e soube que outra passageira tinha prestado queixa contra ele, que revelou ter ficado com o psicológico abalado. As duas mulheres registraram boletim de ocorrência.

Segundo a juíza, os fatos que foram imputados ao motorista não são verídicos. “Isso porque publicaram postagem no Facebook narrando que o autor teria cometido fatos criminosos contra a mulher, que como acima relatado, não restou comprovado, vez que o laudo do Instituto de Criminalística fulminou as versões das requeridas”.

Na publicação, a mulher não divulgou o nome do autor publicamente, no entanto, terceiros propagaram e debateram as informações até chegarem no motorista, o que, segundo a juíza, demonstra a repercussão negativa das alegações, com intuito de que pessoas deixassem de utilizar os serviços dele como motorista de aplicativo. Foram publicadas fotos do veículo e da placa.

A outra passageira, que também publicou o caso nas redes sociais, disse que foi ela quem compartilhou as informações, mas não conseguiu comprovar que a conta havia sido invadida.

“As condutas das requeridas foram desmedidas, abusivas e manifestamente ilegais, tendo em muito extrapolado a preocupação com o bem-estar de terceiros desconhecidos, mas expressaram uma fúria, para adentrar no propósito injustificável e inaceitável de prejudicar a imagem e reputação do autor aos integrantes da sociedade local, sem provas concretas”, disse a juíza.

O g1 tentou contato com a juíza, no entanto, o Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJ-SP) afirmou que os magistrados não podem se manifestar fora dos autos, por vedação da Lei Orgânica da Magistratura (Loman) e disse que o TJ-SP não se manifesta sobre questões judiciais, pois os magistrados têm independência funcional para decidir de acordo com os documentos dos autos e seu livre convencimento.

VÍDEOS: Mais assistidos do g1 nos últimos 7 dias

Newsletter G1 Created with Sketch.

O que aconteceu hoje, diretamente no seu e-mail

As notícias que você não pode perder diretamente no seu e-mail.

Para se inscrever, entre ou crie uma Conta Globo gratuita.

Obrigado!

Você acaba de se inscrever na newsletter Resumo do dia.

Deseja receber as notícias mais importantes em tempo real? Ative as notificações do G1!




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Santos.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

policia-civil-investiga-comercializacao-de-produtos-falsificados-e-apreende-itens-em-santos,-sp

G1 Santos

Polícia Civil investiga comercialização de produtos falsificados e apreende itens em Santos, SP

Suspeito será indiciado pela prática de crime de fraude no comércio e crime contra o registro da marca. Agentes apreenderam produtos falsificados em Santos, no litoral de São Paulo — Foto: Divulgação/Polícia Civil A Polícia Civil apreendeu diversos produtos falsificados em Santos, no litoral de São Paulo, na última sexta-feira (15). De acordo com a corporação, um homem de 36 anos está sendo investigado por suspeita de comercializar os itens […]

today16 de julho de 2022 12

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%