G1 Mundo

Na posse, Milei escreve ‘carajo’ em livro do Congresso; entenda por que palavra é menos pesada na Argentina

today10 de dezembro de 2023 14

Fundo
share close

Ele termina muitas falas dele com essa frase e já usa até mesmo como sigla (VLLC) em tuítes. “Viva la libertad, carajo” também aparece em camisetas e há diversos perfis em redes sociais com esse lema.

Embora, no dicionário, a palavra espanhola carajo tenha o mesmo sentido de palavra muito parecida em português, na Argentina, o termo não tem o mesmo peso obsceno que no Brasil.

Já houve outros momentos em que a palavra foi usada por políticos: em um discurso famoso de Hugo Chávez, da Venezuela, em Mar del Plata, na Argentina, em 2005, ele sinalizou que rejeitava a proposta de bloco comercial da Alca dizendo “Alca al carajo”.



Javier Milei faz 1º discurso como presidente da Argentina

Javier Milei faz 1º discurso como presidente da Argentina

O palavrão perdeu a carga de obscenidade

Heloisa Pezza Cintrão, professora de tradução espanhol-português no curso de letras da USP, diz que de fato “carajo” é uma palavra relacionada ao órgão sexual masculino. “Carajo, dicionarizado, se refere ao pênis; é esse o significado. É o mesmo da palavra em português, esse não é um falso cognato”, diz ela.

No entanto, a professora afirma que algumas palavras, de tanto usadas, se esvaziam do sentido. “Eu duvido que eles (os argentinos) tenham perdido a noção do que ‘carajo’ significa, mas a palavra deixou de ter peso de obscenidade”, diz ela.

Romilda Mochiuti, professora da Unicamp, afirma que “carajo” é um marcador de discurso no espanhol falado na Argentina. “Os marcadores de discurso estabelecem relação que se tem com o uso dos vocábulos, e a carga semântica vai se diluindo com o tempo, o peso pejorativo negativo se perde e passa a ter só um peso enfático. Essa é a função do ‘carajo’: enfatizar uma expressão”, afirma ela.

Ela diz que há outros exemplos parecidos em outros países de lingua espanhola. Na Espanha, a palavra “coño”, que originalmente é o órgão sexual feminino, é empregada também como um marcador de discurso — no caso, para salietar algo, como em “que coño es eso?”, que significa algo como “que coisa é essa”.

Em entrevistas ao g1, as duas professoras citaram a palavra em português “caramba”, que é uma espécie de substituta da palavra original para momentos em que o emprego do termo original é inapropriado. No Argentina, essa troca não aconteceu, “carajo” simplesmente perdeu uma parte de sua carga.

A palavra aparece em jornais e até em transmissões na TV.

Argentina: Milei toma posse como presidente

Argentina: Milei toma posse como presidente

Não é de bom tom para um presidente

As duas professoras afirmam que “carajo” não tem a mesma carga na Argentina do que no Brasil, mas que, ainda assim, é uma palavra que não pertenceria ao discurso político. Milei a emprega de propósito, elas afirmam.

“‘Carajo’ não é de bom tom em certos contextos e, no discurso, é um apelo às emoções e às simplificações”, diz Cintrão, da USP.

O presidente usa muito o termo porque ele quer se mostrar como alguém que desafia os protocolos, é antissistema e, na teoria, pertence ao povo.

“A ideia é criar uma identificação popular, ele quer sinalizar que não tem frescuras. Ou seja, é uma forma de construção de imagem”, afirma ela.

A professora Romilda Mochiuti vai na mesma linha: a intenção por trás do uso é criar empatia com o público. “Ele constrói a imagem de alguém que desafia os protocolos”, diz ela.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

segundo-grupo-de-brasileiros-e-parentes-palestinos-retirados-de-gaza-embarca-para-o-brasil

G1 Mundo

Segundo grupo de brasileiros e parentes palestinos retirados de Gaza embarca para o Brasil

Esta segunda leva, composta por 48 pessoas, embarcou no aeroporto internacional do Cairo em um avião da Força Aérea Brasileira (FAB), que na manhã de sábado (9) saiu da Base Aérea do Galeão, no Rio de Janeiro, com destino ao Egito, para buscar o grupo. Eles serão levados até Brasília, em um voo sem escalas com chegada prevista para a madrugada de segunda-feira (11). O grupo conseguiu deixar Gaza na […]

today10 de dezembro de 2023 8

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%