G1 Mundo

Noboa diz que Equador vive ‘estado de guerra’ contra grupos terroristas; país tem ruas desertas e clima de medo

today10 de janeiro de 2024 3

Fundo
share close

A uma rádio, Noboa disse que, para os criminosos, seria interessante que o governo classificasse as 22 facções que atuam no país como organizações criminosas, e não como terroristas.

“Vivemos em um estado de conflito, um estado de guerra [e nesse caso] se aplicam outras leis, aplica-se também o direito humanitário internacional, que é diferente do direito comum do Equador”, afirmou.

Como terroristas, os criminosos passam a ser alvos militares, disse o presidente.



Equador amanhece com ruas vazias após aumento da violência por toque de recolher

Equador amanhece com ruas vazias após aumento da violência por toque de recolher

As maiores cidades do país viveram dias atípicos. Em todo país as aulas presenciais foram suspensas e a rede pública de saúde interrompeu as consultas.

Em Quito, centenas de militares faziam a segurança nas ruas ao redor redor do palácio do governo, no centro da cidade. O parque La Carolina, o maior de Quito, ficou vazio.

Tanto em Quito como em Guayaquil o tráfego de carros foi muito diminuído, e lojas não abriram as portas.

O ataque em Guayaquil à sede do canal TC Televisión na terça-feira aumentou o pânico entre a população, que rapidamente saiu das ruas para se proteger em suas casas.

Estrangeiros presos serão deportados

Noboa afirmou que o país vai começar a deportar estrangeiros presos em cadeias do Equador. A medida é uma tentativa de reduzir o tamanho da população carcerária.

De acordo com ele, há 1.500 colombianos presos no Equador. A grande maioria (90%) dos estrangeiros no sistema prisional equatoriano são dos seguintes países:

Crise de segurança do Equador

O Equador vive uma crise de segurança que começou com motins em prisões. Houve fuga de criminosos, ataques a delegacias e sequestro de policiais.

Também na terça-feira, cidades do país registraram invasões, explosões e sequestros. A imprensa equatoriana afirma que 11 pessoas morreram na cidade de Guayaquil e 2 na cidade de Nobol.

Mais de 130 agentes penitenciários e outros funcionários eram mantidos como reféns por detentos, nesta quarta-feira, em pelo menos cinco prisões do Equador, país que está sofrendo com uma escalada de violência nos últimos dias.

A crise começou na segunda-feira (8), após a fuga da prisão do criminoso José Adolfo Macías, mais conhecido como “Fito”. Ele é chefe da “Los Choneros”, uma das facções criminosas mais temidas do país.

O governo disse que a violência é uma reação ao plano de Noboa de construir uma nova prisão de alta segurança para os líderes de gangues.

Após, a fuga de Fito, o presidente Noboa decretou estado de exceção. Essa foi a primeira medida de endurecimento do regime. Um toque de recolher passou a vigorar e foram impostas restrições a direitos de reunião, de privacidade de domicílio e de residência.

Além disso, as Forças Armadas também foram autorizadas a ir para as ruas apoiar o trabalho da polícia.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

como-um-acordo-de-paz-na-colombia-ajudou-a-transformar-o-equador-de-uma-‘ilha-de-paz’-no-pais-com-mais-assassinatos-na-america-do-sul

G1 Mundo

Como um acordo de paz na Colômbia ajudou a transformar o Equador de uma ‘ilha de paz’ no país com mais assassinatos na América do Sul

À época, o Equador era de fato um dos países mais seguros da América do Sul. A taxa de homicídios em 2016 era de 5,83 por 100 mil habitantes, e chegou a cair no ano seguinte para o recorde histórico de 5,81 por 100 mil habitantes. Como comparação, o Brasil tinha índices muito maiores: em 2016, eram 26,4 homicídios dolosos por 100 mil habitantes, e 27 em 2017, segundo o […]

today10 de janeiro de 2024 3

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%