Notícias

O cálculo eleitoral de Biden ao restringir imigração ilegal na fronteira com México

today5 de junho de 2024 5

share close

A ordem executiva emitida pelo presidente Joe Biden prevê que as pessoas que cruzarem ilegalmente a fronteira EUA-México não receberão asilo. Mas isto só ocorrerá quando a fronteira sul estiver “sobrecarregada”.

Isso também tornará mais fácil para que os oficiais de imigração removam pessoas que estão ilegalmente nos Estados Unidos.

Essas ações não são permanentes e não serão aplicadas quando a passagem de migrantes for suficientemente baixa para que as operações fronteiriças sejam seguras e geridas de maneira “eficaz”.



Os aumentos no número de imigrantes observados na fronteira entre os EUA e o México nos últimos anos ocorrem num momento em que, globalmente, a migração para os países ricos atinge o seu ponto mais alto.

Estatísticas da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), divulgadas no final do ano passado, mostram que 6,1 milhões de novos imigrantes permanentes se mudaram para os seus 38 Estados membros em 2022 — um aumento de 26% em relação a 2021 e 14% superior ao de 2019.

Antonio Zurcher, correspondente da BBC na América do Norte, diz que qualquer ação tomada por um presidente candidato à reeleição como Joe Biden será instantaneamente vista através do prisma da política de campanha.

Para ele, o anúncio de Biden sobre a imigração, feito poucos meses antes da votação de novembro e semanas antes do primeiro debate presidencial, não é diferente.

Com a sua decisão de impor novas restrições aos que procuram asilo nos EUA, a equipe de campanha do presidente parece estar calculando que os benefícios políticos de fazer algo para fazer face ao aumento de migrantes na fronteira entre os Estados Unidos e o México superam os riscos.

A medida foi rapidamente condenada por ativistas pró-imigração da esquerda e será certamente contestada nos tribunais.

Embora estas medidas nunca consigam conquistar os republicanos, a equipe de Biden pode esperar que ajudem a atenuar as preocupações entre alguns eleitores moderados sobre a compreensão do presidente em relação à extensão do problema.

Por trás de tudo isto está o cálculo de que, com um Donald Trump abertamente anti-imigração como seu adversário, o flanco esquerdo de Biden acabará por ficar ao seu lado. E numa eleição acirrada, conquistar até mesmo um punhado de eleitores intermediários pode ser a diferença entre a vitória e a derrota.

A questão da imigração é uma ameaça crescente às esperanças de reeleição do presidente dos EUA, Joe Biden. Junto com a economia, é uma preocupação dominante para os eleitores na maioria das sondagens eleitorais — e a grande maioria desaprova a forma como Biden lida com a questão.

Uma mensagem fundamental de Donald Trump quando era presidente, mesmo que nunca se tenha tornado realidade, foi a de que os Estados Unidos devem construir um muro fronteiriço e aumentar as deportações de migrantes.

EUA anunciam ampliação do muro na fronteira com o México — Foto: Jornal Nacional/ Reprodução

As manchetes criadas pela separação das crianças dos seus pais detidos, considerada por muitos como cruel, aumentaram a impressão de que os Estados Unidos estavam fechando a sua fronteira.

Sob o comando do presidente Biden, tanto o tom como a política mudaram. As deportações diminuíram e as políticas “centradas na dissuasão”, como a rápida remoção de migrantes para o México e a pressão para erguer um muro na fronteira, terminaram.

Os migrantes foram colocados em liberdade condicional nos EUA para aguardar as datas dos tribunais de imigração — um processo que muitas vezes pode levar anos.

As pessoas que tentaram cruzar a fronteira durante esse período disseram à BBC que achavam que entrar e permanecer nos EUA seria mais fácil. E os contrabandistas de seres humanos, conhecidos como coiotes, aproveitaram uma mudança na presidência para criar um sentimento de urgência entre os migrantes de que deveriam apressar-se para atravessar a fronteira.

“Parte disso é que eles acham que podem simplesmente vir. Acho que é exatamente isso que estão dizendo a eles”, disse Alex Cuic, advogado de imigração e professor da Universidade Case Western Reserve, em Ohio.

Esta ação de Biden não é uma surpresa, segundo o correspondente da BBC. Ela já era esperada há algum tempo e na semana passada alguns detalhes começaram a ser filtrados. Portanto, pode não ser surpreendente que a campanha de Trump já tenha feito comentários antes de ser oficialmente anunciada.

Na manhã desta terça, a secretária de imprensa da campanha, Karoline Leavitt, divulgou uma declaração de seis frases. Ela alegou que a ordem “é para anistia, não para segurança de fronteira”.

A declaração acusava o governo Biden de querer libertar os migrantes detidos “o mais rápido possível” e “dar luz verde” aos traficantes de seres humanos. E disse que Biden não quer realmente fechar a fronteira porque está em dívida com os “democratas radicais de esquerda”.

Grande parte da declaração foi contra os próprios migrantes, classificando-os como criminosos violentos. Esse tem sido um tema comum na campanha presidencial de Trump.

Esta é a segunda vez este ano que Trump e Biden se enfrentam num embate sobre a imigração.

No início deste ano, Trump ajudou a eliminar a legislação no Congresso que realizaria muitas reformas que Biden, os democratas e alguns republicanos desejavam. Naquela época, Trump disse que apenas um “tolo” votaria para aprová-la.

Biden afirmou que o ex-presidente pressionou os legisladores para destruir o projeto “porque Donald Trump acha que é ruim para ele politicamente”.

Mais de 6,4 milhões de migrantes foram detidos ao entrar ilegalmente nos EUA sob a gestão Biden, um número superior ao de Trump, Obama ou George W. Bush.

Houve um declínio significativo nas travessias nos últimos meses, o que provavelmente é apenas temporário.

Homem que cruzou fronteira entre o México e os EUA, em 4 de junho de 2024 — Foto: Go Nakamura/Reuters




Todos os créditos desta notícia pertecem a Notícias.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

policia-e-receita-federal-apreendem-271-kg-de-cocaina-em-carga-de-papel-sulfite-no-porto-de-santos

G1 Santos

Polícia e Receita Federal apreendem 271 kg de cocaína em carga de papel sulfite no Porto de Santos

Droga apreendida nesta quarta-feira (5) tinha como destino o Porto de Le Havre, na França. PF e Receita Federal apreendem 271 kg de cocaína no Porto de Santos A Polícia Federal, em ação conjunta com a Receita Federal, apreendeu 271 quilos de cocaína, nesta quarta-feira (5), no Porto de Santos, no litoral de São Paulo. A droga estava escondida em um carregamento de 178 toneladas de papel sulfite. Segundo a […]

today5 de junho de 2024 8

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%