G1 Mundo

O plano do Chile para buscar desaparecidos do regime militar de Pinochet

today2 de setembro de 2023 8

Fundo
share close

“Assumimos como Estado, não apenas como governo, a remoção de todas as barreiras para esclarecer as circunstâncias do desaparecimento e/ou morte das vítimas”, afirmou o presidente chileno durante uma cerimônia no Palácio de La Moneda, a sede da Presidência, na qual estava rodeado de políticos, ativistas dos direitos humanos e familiares das vítimas.

Mais de 3.200 pessoas foram detidas, executadas ou desapareceram em um contexto político durante o período em que Pinochet governou, entre 1973 e 1990, segundo estimativas de comissões oficiais.

Os restos mortais de cerca de 1.500 dessas vítimas ainda não foram encontrados.



O plano foi lançado durante um evento do Dia Internacional das Vítimas de Desaparecimentos Forçados, em 30 de agosto.

O objetivo do plano é “esclarecer as circunstâncias do desaparecimento e/ou morte das vítimas de desaparecimento forçado e seu paradeiro”.

Esta busca – diz o site oficial do projeto – será realizada “de forma sistemática e permanente, de acordo com as obrigações do Estado do Chile e as normas internacionais”.

Por meio de um comunicado, o governo chileno explicou que, além de tentar localizar as vítimas, o “Plano Nacional de Busca da Verdade e da Justiça” – seu nome completo – beneficiará os familiares das vítimas.

Por um lado, garantindo-lhes “acesso à informação e participação” nos processos de busca. Mas também implementando “medidas de reparação” e oferecendo “garantias de não repetição da prática do crime de desaparecimento forçado”.

“O plano traçará o percurso do desaparecimento das vítimas, colaborará com as investigações judiciais e ajudará a configurar a memória e a garantia de não repetição, sem prejuízo da apuração de responsabilidades penais”, esclareceu o governo.

A administração de Boric salientou ainda que o plano terá “governança permanente e orçamento atribuído, e existirá como um instrumento de política pública que deve ser implementado, executado e respeitado por todos os governos”.

“Não saber o que aconteceu é o pior”

Silhuetas humanas recordam os desaparecidos num antigo centro de tortura no Chile, hoje convertido em memorial — Foto: Reuters/Via BBC

O anúncio de Boric foi bem recebido pelos familiares e amigos dos desaparecidos.

“Tínhamos a ilusão de que eles estavam vivos, mas ao longo dos anos percebemos que não estavam”, disse Juana Andreani, vítima de abusos e detida durante o governo Pinochet, à Reuters.

“Mas, pelo menos, que nos contem o que aconteceu com eles, o que fizeram com eles. Não saber é o pior destes últimos 50 anos”, acrescentou.

Carlos González, que também foi detido e torturado nesse período, considera inédito que o destino dos desaparecidos não seja conhecido.

“Obviamente há uma responsabilidade do alto comando das Forças Armadas e dos ‘velhos’; o que eles fizeram com os cadáveres”, disse ele à Reuters.

“Não é possível que não saibamos o que aconteceu com cerca de mil chilenos. Não é possível”, acrescentou.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

‘cameras-corporais-ajudam-a-aumentar-confianca-na-policia’,-diz-chefe-do-unicef

G1 Mundo

‘Câmeras corporais ajudam a aumentar confiança na polícia’, diz chefe do Unicef

Russell é a quarta mulher a chefiar a agência e a oitava americana a ocupar o mais alto posto no Unicef. Desde sua criação, apenas americanos chefiaram o Unicef. Ela chegou ao cargo com o apoio do governo dos Estados Unidos. Durante o governo de Barack Obama (2009 a 2017), Russell atuou como embaixadora-geral do país para assuntos relacionados à mulher. No governo de Joe Biden, ela trabalhou na equipe […]

today2 de setembro de 2023 14

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%