G1 Mundo

O que se sabe até agora sobre desaparecimento de brasileira em Paris

today15 de maio de 2023 5

Fundo
share close

Um grupo de voluntários foi criado para procurar a brasileira em hospitais e no Instituto Médico Legal (IML) nesta segunda-feira (15), mas até agora nenhuma pista sobre o paradeiro da brasileira foi encontrada.

Fernanda Santos Oliveira morava em Paris havia nove meses, onde trabalhava em um conhecido restaurante português da rede Pedra Alta. Ela morava sozinha no sétimo distrito da capital francesa.

De acordo com Nellma Barreto, sua associação foi alertada na noite de quinta-feira (11), seis dias depois do desaparecimento de Fernanda, após terem sido alertados pela família da brasileira, e realizaram um boletim de ocorrência na sexta-feira (12).  De acordo com ela, o desaparecimento já havia sido sinalizado à polícia pela patroa de Fernanda, no restaurante, no dia anterior.  



“Passamos todas essas informações para o Consulado, para também realizarem buscas. Todos os hospitais públicos que a gente já entrou em contato não têm informação. Vamos agora voltar ao IML”, diz.

O trabalho de investigação começou vários dias após o sumiço de Fernanda. De acordo com a polícia, as chances de encontrar alguém diminuem após 24 ou 48 horas do desaparecimento. 

Na noite de sábado, foi realizado um mutirão e voluntários colaram cartazes com fotos de Fernanda nos principais pontos da capital, como estações e parques.

Uma colega de trabalho, que preferiu manter o anonimato, disse à RFI que encontrou Fernanda pela última vez na quarta-feira (3) e que ela estava abatida. “Mas achei que era o cansaço do trabalho”, diz.

Ela foi a primeira a notar a ausência da amiga, já que haviam combinado de almoçar juntas na segunda-feira (8), e alertou a chefe do estabelecimento, “mas ela não se preocupou na hora”, diz.

Ela então decidiu ir até o domicílio da colega com outro empregado do restaurante e amigo da brasileira. Ao chegarem ao apartamento, viram que todas as roupas de Fernanda estavam no armário e que o único documento que faltava era o seu passaporte. Ao lado da cama, encontraram dois celulares, um antigo e o que ela estava usando na França. Também sentiram falta do patinete que, segundo a amiga, Fernanda tinha acabado de comprar.

“Ela sempre ia ao trabalho de metrô e ainda não tinha muita experiência com o patinete”, diz a amiga.

Fernanda pediu ajuda à amiga para encontrar um trabalho e tinha uma entrevista de emprego na quinta-feira, mas não compareceu.

Uma das últimas pessoas a encontrar Fernanda teria sido uma de suas vizinhas, no sábado de seu desaparecimento, com quem a brasileira teve uma violenta discussão.

“Nós estivemos lá e a vizinha falou que a Fernanda estava muito nervosa, que estava estressada”, contou Nellma Barreto.

De acordo com a vizinha, Fernanda teria apertado o braço dela com força e depois agredido a mãe da dona do apartamento onde mora. Os bombeiros foram chamados, mas ela disse para os agentes que se sentia bem e que não tinha problemas.

“Para mim isso é uma surpresa. Nunca vi a Fernanda com esse comportamento”, disse a amiga.

De acordo com Nellma Barreto, as histórias das vizinhas são conflitantes. “Uma diz que a viu pela última vez no sábado à noite, a outra no domingo de manhã. Então, cabe à polícia desvendar este mistério”, diz.

Fernanda estava sozinha em Paris. Segundo sua irmã, Maria Aparecida Santos Oliveira, que mora em Botucatu, interior de São Paulo, ela se mudou para a França para morar com uma parente, que agora está nos Estados Unidos. A brasileira desaparecida também tem um filho, de 23 anos que está em Sorocaba, e dois netos.

De acordo com a irmã, ela trabalhava em outros dois lugares, além do restaurante português, e também fazia cursos de francês. “Ela trabalhava e queria regularizar sua situação”, disse. No momento, Fernanda vive e trabalha de maneira ilegal na França.

Nellma Barreto suspeita que Fernanda poderia estar sofrendo assédio sexual no trabalho. “Isso é muito comum entre as brasileiras que estão em situação ilegal no país”, lamenta.

“A mulher não denuncia porque está trabalhando em situação irregular, ou com documentação falsa e tem medo de perder o emprego, ou de ser mandada embora. Muitas vezes elas até cedem a esse assédio. Já tivemos muitos casos de mulheres que nos procuraram para pedir ajuda. Isso é muito comum e acontece constantemente”, afirma.

Para a colega de trabalho que conversou com a RFI, Fernanda era uma pessoa simpática, amigável e que gostava de se cuidar. Ela frequentava uma academia em Boullogne-Billancourt, cidade nos arredores de Paris onde fica o restaurante onde trabalhava, e também conheceu um português com quem tinha uma amizade.

“Ela me disse que ele estava interessado nela, mas que ela não queria sair com ele. Mas até aí, achei normal”, diz. Ela não tinha conhecimento dos outros empregos e amizades de Fernanda.

Nellma Barreto, que participou de outras buscas de brasileiros desaparecidos em Paris, acha o caso misterioso. “Ela era uma mulher muito centrada, que tinha uma rotina de trabalho, trabalhava em limpeza, na cozinha”, diz.

“Recebemos uma mensagem bizarra, de um homem muito estranho que disse que sabia onde ela estava e que ela estava bem. Já encaminhamos para a polícia”, relata. De acordo com ela, nas outras buscas “nunca ninguém enviou mensagem de trote, é a primeira vez que recebemos”.

Na próxima quinta-feira (18), outro mutirão será realizado para espalhar fotos e buscar a brasileira em outras regiões de Paris. Nellma salienta que o bairro onde Fernanda mora é bem vigiado e tem muitas câmeras nas ruas. “A polícia vai descobrir”, afirma confiante.

A Polícia Judiciária está investigando o caso. O consulado do Brasil em Paris disse à RFI que continua as buscas diárias junto às instituições francesas e acompanha a família de Fernanda.  




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

tubarao-tigre-ataca-caiaque-de-pescador-no-havai;-veja-video

G1 Mundo

Tubarão-tigre ataca caiaque de pescador no Havaí; veja vídeo

'Pensei que fosse uma tartaruga', disse pescador Scott Haraguchi em seu canal no YouTube. Aproximação e ataque do tubarão aconteceram em poucos segundos. Homem é atacado por tubarão-tigre no Havaí O pescador Scott Haraguchi registrou o momento em que teve seu caiaque atacado por um tubarão-tigre na ilha de Oahu, do Havaí, nos Estados Unidos (assista acima). A investida ocorreu nesta sexta-feira (12), a cerca de dois quilômetros da costa, […]

today15 de maio de 2023 20

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%