G1 Mundo

O terreno na praia tomado de família negra 100 anos antes e que agora será vendido por US$ 20 milhões

today5 de janeiro de 2023 15

Fundo
share close

Agora, seis meses depois, a família vai vendê-la de volta ao condado por US$ 20 milhões.

“O que foi roubado da família foi a propriedade, mas o que a propriedade representava era a capacidade de gerar, preservar e transmitir a riqueza entre gerações”, disse o advogado da família, George Fatheree, ao jornal Los Angeles Times.

“E permitir que a família agora tenha a garantia de vender a propriedade para o condado, pegando o dinheiro e investindo em seu futuro, isso também é uma reparação.”



O terreno do Bruce’s Beach foi comprado em 1912 por Willa e Charles Bruce para criar um local de lazer para a comunidade negra, em uma época em que havia segregação racial na Califórnia.

Localizada na valorizada cidade de Manhattan Beach, a propriedade foi desapropriada pelo conselho municipal em 1924.

Mas, em junho do ano passado, as autoridades do condado de Los Angeles votaram a favor de devolver o terreno à família, acordando que o condado o arrendaria por US$ 413 mil por ano. Uma cláusula incluída no contrato permitia sua venda dentro dos dois anos seguintes.

A família recorreu a essa cláusula para vender a propriedade por US$ 20 milhões, seu atual valor de mercado, segundo cálculos incluídos no contrato — que agora volta para as mãos do condado.

Ambas as partes têm até o final de janeiro para formalizar a venda, embora o acordo já esteja fechado.

Cidadela para afrodescendentes

Willa e Charles Bruce compraram o terreno por US$ 1.225 em 1912 — eles construíram uma infraestrutura que incluía refeitório, salão de festas e vestiários, afirmou Duane “Yellow Feather” Shepard, historiador e porta-voz da família, à BBC no ano passado.

A Bruce’s Beach se tornou uma “cidadela para afro-americanos que vieram de todas as partes do sul da Califórnia em busca de lazer”.

Willa disse a um repórter na época : “Sempre que tentamos comprar um terreno para um resort na praia, somos recusados. Mas eu possuo essa terra e vou mantê-la”.

Mas logo depois, por volta de 1914 ou 1915, de acordo com “Yellow Feather” Shepard, “a Ku Klux Klan [organização supremacista branca] e os vizinhos brancos decidiram que não queriam que a família Bruce permanecesse lá”.

O departamento de polícia local colocou placas limitando o estacionamento a 10 minutos, e um vizinho pregou cartazes de alerta do tipo “passagem proibida”, obrigando as pessoas a caminhar quase um quilômetro em qualquer direção para chegar ao mar, explicou.

Mas essas medidas não dissuadiram os visitantes, então as autoridades locais decidiram desapropriar o terreno com base em uma lei destinada a permitir que o governo forçasse a venda de uma propriedade para a construção de estradas e edifícios públicos.

A desculpa era que iriam construir um parque, e a família Bruce foi obrigada a vender a propriedade uma década depois. De acordo com Shepard, “o parque só foi construído em 1957, e o terreno ficou vazio até aquele ano.”

Uma placa na área de antigo resort homenageia Willa e Charles Bruce — Foto: Getty Images via BBC

Duane “Yellow Feather” Shepard, que é membro da família desapropriada e também descendente de indígenas, liderou a iniciativa para recuperar a propriedade.

Ao longo dos anos, eles realizaram manifestações e eventos para chamar a atenção para sua causa.

Em junho do ano passado, o conselho do condado de Los Angeles aprovou a moção para devolução do terreno, reconhecendo que estava “bem documentado” que a expropriação “tinha motivação racial para expulsar um negócio negro bem-sucedido e sua clientela”.

A devolução da propriedade foi resultado de um processo longo e árduo. Durante anos, a praia teve uma placa em homenagem a Willa e Charles, e a assembleia estadual teve que aprovar uma lei permitindo sua devolução.

“Este é um dia que não tínhamos certeza de que chegaria”, disse Anthony Bruce, tataraneto de Willa e Charles, na ocasião.

“Isso os destruiu financeiramente. Destruiu a chance de realizarem seu ‘sonho americano’. Gostaria que eles pudessem ver o que aconteceu hoje.”

O impacto da expropriação é sentido ainda hoje, segundo disse Shepard “Yellow Feather” à BBC.

Fomos expulsos daquela comunidade… atualmente há apenas 1% de afrodescendentes em Manhattan Beach”, acrescentou.

Agora a família decidiu devolver a propriedade ao condado.

“Pareceu a eles que o melhor a fazer era vender o terreno por US$ 20 milhões, e finalmente recuperar a riqueza que deveria ter passado de geração em geração, e que foi negada a eles por quase um século”, afirmou em comunicado divulgado na terça-feira (03/01) Janice Hahn, presidente do conselho de supervisores do condado, que participou da devolução do imóvel à família.

“É assim que funcionam as reparações, e espero que seja um modelo para os governos de todo o país”.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

apos-7-rodadas-de-votacao,-deputados-dos-eua-ainda-nao-conseguiram-eleger-o-presidente-da-camara

G1 Mundo

Após 7 rodadas de votação, deputados dos EUA ainda não conseguiram eleger o presidente da Câmara

A Câmara de Representantes dos Estados Unidos continua tentando eleger seu novo presidente após dois dias de impasse na votação devido a disputas internas entre os republicanos. A primeira rodada de votação desta quinta-feira (5), a sétima no total, já aponta a derrota do principal candidato republicano, Kevin McCarthy. Cerca de 20 republicanos estão sabotando a votação e indo contra McCarthy, um congressista da Califórnia, deixando o partido incapaz de […]

today5 de janeiro de 2023 17

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%