G1 Mundo

Oitenta anos depois, sobrevivente do Holocausto na Grécia lembra corpos pisoteados

today20 de março de 2023 14

Fundo
share close

Rina Revah, de 84 anos, tinha quase quatro quando foi enviada para o campo de concentração de Bergen-Belsen, no norte da Alemanha, com seus pais em 1943. Ela passaria os dois anos seguintes de sua infância lá e testemunhou eventos que ficariam com ela para sempre.

“Eu nunca tive um brinquedo, nunca tive uma boneca”, disse Revah de sua casa em Tessalônica, onde uma próspera comunidade judaica existiu por séculos antes da Segunda Guerra Mundial.

“As primeiras lembranças que tenho de brinquedos são depois da guerra, era com uma menina com quem fiz amizade e brincávamos com poças de lama. Fazíamos biscoitos e pastéis de barro.”



Revah é uma das últimas sobreviventes dos 50 mil judeus que viviam na cidade de Tessalônica, na Grécia, antes da guerra, homenageados todos os anos em cerimônias por volta de 15 de março, quando em 1943 o primeiro trem deixou a cidade para os campos de concentração.

No domingo, uma marcha foi realizada até o memorial do Holocausto na cidade do norte da Grécia, e flores foram colocadas nos trilhos do trem na estação.

No campo de concentração, sua mãe a deixava na cama que dividiam, mas Revah se aventurava fora.

“Um dia, fora do campo, vi uma carroça enorme e funda com painéis laterais de madeira puxada por cavalos. Dois trabalhadores jogavam corpos nus de trabalhadores na carroça”, disse ela.

Dia da Memória do Holocausto: países prestam homenagem aos 6 milhões de judeus vítimas do genocídio

Dia da Memória do Holocausto: países prestam homenagem aos 6 milhões de judeus vítimas do genocídio

“Em dado momento a carroça transbordou com os corpos, e um oficial com botas pretas de cano alto subiu e começou a pisar nos corpos para abrir espaço para mais. Não sei o que uma criança de quatro anos entendeu de tal cena, mas lembro que comecei a chorar”, afirmou.

Rina Revah com imagem dela mesma, ainda bebê, com a mãe — Foto: Alexandros Avramidis/Reuters

Dos deportados, apenas 1.950 voltaram vivos para Tessalônica, de acordo com o site da comunidade, incluindo os pais de Revah, um casal de avós e um tio. Vários de seus outros parentes foram perdidos. Hoje, a comunidade judaica da cidade chega a cerca de 1.200.

“Depois da guerra nunca mais falamos sobre o campo de concentração em casa, de jeito nenhum”, disse Revah. “Não deve ser esquecido. Acho que devemos isso às pessoas que morreram.”




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

governo-de-macron-sobrevive-a-votacoes-de-desconfianca-apos-anuncio-de-aumento-de-idade-de-aposentadoria

G1 Mundo

Governo de Macron sobrevive a votações de desconfiança após anúncio de aumento de idade de aposentadoria

Na semana passada, o líder do país contornou a câmara para aprovar na base da canetada um aumento na idade de aposentadoria. Se alguma das votações tivesse sido bem-sucedida, a primeira-ministra Élisabeth Borne e todo o gabinete de governo teriam sido derrubados, e a reforma, anulada. Macron teria que formar um novo governo. A França tem um sistema político diferente dos demais sistemas parlamentaristas na Europa. Existe um Parlamento eleito […]

today20 de março de 2023 16

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%