G1 Mundo

Ortega cancela mais de três mil procissões de Semana Santa na Nicarágua

today7 de abril de 2023 7

Fundo
share close

No capítulo mais recente da história macabra de perseguição do regime de Daniel Ortega à Igreja Católica estão as procissões deste ano da Semana Santa. Mais de três mil comemorações de rua foram proibidas, calcula a advogada e investigadora Martha Molina, autora do livro “Nicarágua: uma Igreja perseguida?”.

As celebrações são permitidas apenas no interior de templos, num país em que 60% da população expressa a fé católica. As igrejas mais conhecidas permanecem vigiadas por agentes do regime.

A repressão contra padres e fiéis não surpreende e tem sido o padrão na Nicarágua. No mês passado, o ditador Daniel Ortega e sua mulher, a vice-presidente Rosario Murillo, cortaram relações com o Vaticano depois que o Papa Francisco criticou o regime e o comparou a uma “ditadura hitleriana”.



O pontífice foi chamado de desequilibrado por Ortega, que já havia expulsado o núncio apóstólico Waldemar Stanislaw Sommertag e ordenado a prisão de 21 religiosos, declarados como traidores da pátria.

Uma das vozes críticas ao regime comandado por Ortega, o bispo costumava denunciar em seus sermões a violação aos direitos humanos, a perseguição religiosa e os abusos de poder. Na sentença proferida pela juíza Nidia Tardencilla em fevereiro passado, Álvarez, de 56 anos, é acusado de traição à pátria e teve a nacionalidade cassada.

Rolando Álvarez durante missa em imagem em página de rede social da diocese de Matagalpa — Foto: @diocesisdematagalpa / AFP

Num ano trágico para os católicos, Ortega determinou que a Semana Santa ocorreria sem celebrações de rua, o que, segundo o Centro Nicaraguense de Direitos Humanos, representa mais uma clara violação da liberdade religiosa e de expressão.

“O regime destrói o que há de mais solene e sagrado para o povo: sua fé cristã e as tradições, que fazem parte de sua identidade”, denunciou Cenidh.

A ONG Monitoreo Azul y Blanco contabilizou 15 detenções arbitrárias desde 1 de abril e a expulsão de um sacerdote do país – o monsenhor panamenho Donaciano Alarcón, da paróquia Maria Auxiliadora, no município de San José de Cusmapa. Seu crime? Pedir, durante a missa, a libertação do monsenhor Rolando Álvarez.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

ucrania-agradece-‘esforcos’-de-lula-e-diz-que-nao-cedera-‘um-centimetro’-de-terra-a-russia

G1 Mundo

Ucrânia agradece ‘esforços’ de Lula e diz que não cederá ‘um centímetro’ de terra à Rússia

Nesta quinta (6), Lula disse que 'talvez nem se discuta a Crimeia', uma das áreas invadidas pela Rússia. Ucrânia já disse também que não aceitará paz 'a qualquer custo'. O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Ucrânia, Oleg Nikolenko, afirmou nesta sexta-feira (7) em uma rede social que o país agradece os "esforços" do presidente Lula para tentar pôr fim à guerra na região, acrescentando que o país não […]

today7 de abril de 2023 11

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%