G1 Mundo

Os indícios de participação de grupo russo em fake news sobre Kate Middleton

today27 de março de 2024 4

Fundo
share close

Agora, especialistas em segurança que analisam dados de redes sociais dizem que há fortes indícios de uma campanha coordenada, partilhando e aumentando as alegações falsas e conteúdos divisivos, tanto em apoio como em crítica à princesa de Gales.

Os pesquisadores dizem que isso é consistente com os padrões anteriores de um grupo de desinformação russo.

As contas envolvidas também divulgavam conteúdo contrário ao apoio da França à Ucrânia, sugerindo um contexto internacional mais amplo para os rumores reais.



Essa rede específica de influência estrangeira tem um histórico nessa área, com foco na erosão do apoio à Ucrânia após a invasão da Rússia.

A BBC já havia rastreado pesquisadores amadores e usuários reais de mídia social que iniciaram e impulsionaram especulações e teorias da conspiração.

Mesmo sem qualquer impulso artificial, essas afirmações acumularam milhões de visualizações e curtidas. E os algoritmos já promoviam esse tema nas redes sociais sobre a realeza, sem a intervenção de redes de contas falsas.

Mas Martin Innes, diretor do Instituto de Inovação em Segurança, Crime e Inteligência da Universidade de Cardiff, diz que os seus pesquisadores encontraram tentativas sistemáticas de intensificar ainda mais a onda de rumores sobre a princesa, com hashtags reais compartilhadas bilhões de vezes através de uma série de plataformas de redes sociais.

Innes identificou um grupo de desinformação russo envolvido nisso. Não é uma entidade estatal, mas está ligada a pessoas que foram recentemente alvo de sanções nos Estados Unidos por alegarem que faziam parte de uma “campanha de influência maligna” que espalhava notícias falsas.

“As mensagens em torno de Kate parecem estar envolvidas nas suas outras campanhas em curso para atacar a reputação de França, promover a integridade das eleições russas e prejudicar a Ucrânia como parte do esforço de guerra mais amplo”, diz Innes.

Ele afirma que os agentes que dirigem esta máquina de boatos seriam vistos na Rússia como “tecnólogos políticos”.

Kate Middleton revela ter câncer

Kate Middleton revela ter câncer

A sua abordagem consiste em atiçar o interesse online de uma história existente – explorando disputas e dúvidas que já existem – o que o professor Innes diz ser uma abordagem muito mais eficaz e mais difícil de rastrear do que começar a desinformação do zero.

Ele diz que eles “sequestram” as dúvidas populares e injetam mais confusão e caos. E então fica mais difícil separar a desinformação coordenada dos indivíduos que partilham conspirações e perseguem cliques.

Mas os dados das redes sociais, analisados pela equipe da Universidade de Cardiff, mostram picos extremos e a partilha simultânea de mensagens de uma forma que consideram consistente com a operação de uma rede de contas falsas.

Investigadores encontraram muitas contas novas compartilhando mensagens com palavras idênticas, como a da imagem acima, que questiona veracidade de vídeo da princesa. — Foto: Reprodução/ BBC

Jon Roozenbeek, especialista em desinformação do King’s College, de Londres, diz que esse envolvimento russo em teorias da conspiração é “independente do assunto” — na medida em que eles não se importam realmente com o assunto, pode ser qualquer coisa que “desperte cliques” e acrescente tensões sociais.

Ele diz que eles procuram “questões intermediárias” de forma oportunista.

Mostrando o crescimento do desafio, o TikTok afirma que derrubou mais de 180 milhões de contas falsas em apenas três meses.

Muitas das contas que divulgam as teorias da conspiração de Kate foram criadas neste mês, diz Innes. Elas se alimentaram de uma conta chamada “mestre”, que nesse caso tinha um nome que dava a ideia de “chefia”, com uma cascata de outras contas falsas respondendo e compartilhando mensagens e atraindo outros usuários.

Frases idênticas – como “Por que esses grandes canais de mídia querem nos fazer acreditar que esses são Kate e William?” – foram compartilhadas por várias contas.

Embora se saiba que pessoas reais compartilham novamente a mesma mensagem nas suas próprias contas desta forma – uma tática referida como “copypasta” – existem outras pistas sobre as contas, que sugerem uma rede mais organizada.

Outra frase sobre Kate foi compartilhada ao mesmo tempo por aparentemente 365 contas diferentes no X, antigo Twitter. Houve também novas contas no TikTok, criadas nos últimos dias, que pareciam não divulgar nada além de rumores reais.

Agências de segurança francesas vincularam ataques online ao apoio da França à Ucrânia. — Foto: EPA via BBC

Os pesquisadores de Cardiff destacam uma sobreposição com um site de notícias falsas ligado à Rússia, publicado em inglês, que tem um logotipo de “verificação de fatos”, que contém uma série de histórias macabras e bizarras sobre Kate.

Quando se trata de apontar o responsável por tais atividades, pode ser difícil atribuir essa rede de desinformação a um determinado grupo, organização ou estado.

E para dificultar ainda mais o cenário estão todos os tipos de indivíduos, grupos de interesse e outros atores estrangeiros comentando nas redes sociais sobre o mesmo assunto.

Os especialistas nessa área tendem a acreditar que uma rede específica está ligada a uma operação de influência existente ou a um grupo específico. Suas táticas são as mesmas? Se envolver nesta conversa nas redes sociais está de acordo com seus interesses?

Por exemplo, neste caso, uma pista foi um vídeo de origem russa que apareceu frequentemente nas trocas de informações nas redes sociais sobre Kate e que tinha sido previamente identificado com um determinado grupo de desinformação.

Esse mesmo grupo que espalhou rumores contra a princesa também fez parte de campanhas online desestabilizadoras na França, diz Innes.

O presidente da França, Emmanuel Macron, que é visto como alguém com uma posição cada vez mais dura em relação à Ucrânia, tem enfrentado uma tempestade de rumores pessoais hostis.

A agência estatal francesa para combater a desinformação, Viginum, alertou sobre extensas redes de notícias falsas divulgadas por sites e contas de redes sociais ligados à Rússia.

Essas operações de influência estrangeira visam minar a confiança pública, semear a discórdia, amplificando e alimentando teorias de conspiração que já existem. Isso torna muito mais difícil as rastrear, porque pode haver uma combinação de pessoas reais que iniciam alegações falsas e, em seguida, contas não autênticas que as levam ainda mais longe.

Pode começar com “detetives da internet” fazendo perguntas genuínas e depois contas falsas transformarem tudo em uma tempestade nas redes sociais.

Anna George, que investiga extremismo e teorias da conspiração no Instituto Oxford Internet, diz que uma característica da desinformação russa é não se importar necessariamente com a narrativa que é transmitida, desde que espalhe dúvidas sobre o que é real e irreal:

“Eles querem semear confusão sobre em que as pessoas podem confiar.”

Os rumores reais se espalharam com uma velocidade incomum, diz George, chegando ao grande público mais rapidamente do que a maioria das teorias da conspiração, refletindo como qualquer influência externa estava explorando elevados níveis de curiosidade pública.

O professor Innes diz que os motores de desinformação também podem ser uma proposta comercial. Seus pesquisadores identificaram o papel das redes de trolls, que acreditam que estão no Paquistão, que são contratadas para espalhar mensagens.

Após o vídeo sobre o tratamento do câncer de Kate, parece haver uma mudança de humor online. Embora os teóricos da conspiração e os detetives de internet continuem compartilhando alegações sem provas, muitos usuários das redes sociais reconheceram o dano real causado àqueles que estão no centro de um frenesi como este.

Na semana passada, os usuários do X estavam recebendo ativamente recomendações de conteúdo pelos algoritmos do site, sugerindo falsamente que um vídeo da princesa de Gales fazendo compras era na verdade um dublê.

Mas a CEO do X, Linda Yaccarino, disse desde então: “Seu pedido de privacidade, para proteger seus filhos e permitir que ela siga em frente parece um pedido razoável de respeito”.

O Departamento de Ciência, Inovação e Tecnologia do Reino Unido afirma que “se envolverá na desinformação sempre que esta representar uma ameaça à democracia do Reino Unido”.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

comida-do-fim-do-mundo:-com-medo-de-catastrofes,-americanos-estocam-refeicoes-com-validade-de-ate-30-anos;-veja-como-sao

G1 Mundo

Comida do fim do mundo: com medo de catástrofes, americanos estocam refeições com validade de até 30 anos; veja como são

🤔O que são comidas do fim do mundo? Alimentos, geralmente em pó e vendidos dentro de baldes, que supostamente duram mais de 30 anos sem alteração no sabor ou na qualidade. Os produtos são vendidos pela internet, mas também são fáceis de encontrar em prateleiras de supermercados americanos. São vendidos normalmente na sessão de camping, com preços chegando até aos US$ 100 (cerca de R$ 500), dependendo da quantidade de […]

today27 de março de 2024 6

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%