G1 Mundo

Passei por um inferno, diz refém israelense libertada pelo Hamas

today24 de outubro de 2023 11

Fundo
share close

Em um hospital em Tel Aviv, ela contou a jornalistas nesta terça-feira (24) que foi agredida dentro do cativeiro e no momento em que foi capturada e colocada na garupa de uma moto, no kibutz Be’eri, no sul de Israel, que ela ajudou a fundar e que foi um dos invadidos pelo grupo terrorista durante os ataques do Hamas em 7 de outubro.

Ela era uma ativista pela paz e costumava ajudar palestinos doentes em Gaza a receber tratamentos em Israel, encontrando com eles na fronteira e levando-os aos hospitais, revelou o neto em uma entrevista à agência de notícias Reuters.

Levada para túneis do Hamas



Terroristas do Hamas libertam 2 reféns israelenses

Terroristas do Hamas libertam 2 reféns israelenses

Já na Faixa de Gaza, a idosa foi levada junto a um grupo de 25 reféns a um emaranhado de túneis que o Hamas controla. Ela passou 15 dias no local onde ficou sequestrada e foi libertada na segunda-feira junto de outra israelense, também idosa.

“Andamos quilômetros dentro dos túneis”, relatou.

Uma vez no cativeiro, a idosa afirmou também que foi agredida com varas, mas depois recebeu atendimento médico. Passada a violência inicial, a israelense disse ter sido bem tratada. Contou que os reféns, assim como os criminosos que os vigiavam, foram alimentados com queijo e pepino quase todos os dias.

“Passei por um inferno. Não pensamos que poderíamos passar por essa situação”, afirmou a idosa, segundo sua filha, Sharone Lifshitz, que traduziu o discurso da mãe do hebraico para o inglês.

A israelense Yocheved Lifshitz e seu marido – que também foi sequestrado e segue em cativeiro – são ativistas de direitos humanos. Há anos, ela voluntariamente transporta palestinos da Faixa de Gaza que recebem autorização para fazer tratamentos de saúde em hospitais israelenses, segundo relataram filhos e netos.

O marido de Lifshitz, de 83 anos, também foi sequestrado e segue sob domínio do Hamas.

A idosa disse que ele passava bem até sua soltura, e afirmou na entrevista que só vai se sentir aliviada quando todos os reféns forem libertados.

Lisfshitz disse também achar que Israel “não levou as ameaças do Hamas a sério” e criticou as Forças Armadas de seu país por não proteger a população no sul.

Sua filha, que vive em Londres e foi a Tel Aviv acompanhar a libertação da mãe, disse ainda não saber para onde a família irá agora. A casa dos pais no kibutz que ajudaram a construir, afirmou a filha, foi totalmente destruída e queimada por terroristas nos ataques de 7 de outubro.

Yoachaved Lisfshitz faz parte do segundo grupo de reféns libertadas pelo Hamas, após negociações mediadas pelo Catar e pelo Egito. As primeiras, duas cidadãs dos Estados Unidos, mãe e filha, foram entregues de volta pelo grupo terrorista na sexta-feira (20).

Mais de 200 pessoas foram sequestradas por terroristas durante o ataque perpetrado pelo Hamas no sul de Israel em 7 de outubro, quando homens armados também mataram 1.402 pessoas em solo israelense.

A maioria dos reféns é israelense, mas, segundo as Forças Armadas de Israel, há também cidadãos dos Estados Unidos, do Reino Unido, da Ucrânia, da Itália e do Brasil. O Itamaraty diz não ter recebido comunicação sobre brasileiros entre os sequestrados.

Na segunda-feira, ao libertar as duas idosas, o porta-voz do braço militar do Hamas, Abu Obeida, afirmou que Israel recusou na sexta-feira (20) uma oferta do grupo terrorista de deixá-las livres em troca de exigências. Mesmo assim, disse Obeida, os terroristas decidiram libertá-las “por razões humanitárias urgentes”.

O governo israelense ainda não havia se pronunciando sobre a suposta recusa até a última atualização desta notícia.

“Nós, das Brigadas Al-Qassam, através da mediação egípcio-catariana, libertamos as duas detidas […] sabendo que o inimigo se recusou desde a última sexta-feira a aceitar o seu recebimento, e ainda negligencia o ficheiro dos seus prisioneiros. Decidimos libertá-las por questões humanitárias, apesar dos crimes de ocupação”, afirmou Abu Obeida.

Segundo fontes da agência de notícias Reuters, autoridades dos Estados Unidos pediram na segunda-feira (23) para que Israel tenha cautela em uma eventual invasão da Faixa de Gaza.

Questionado sobre a possibilidade de um cessar-fogo, o presidente dos EUA, Joe Biden, disse: “Deveríamos libertar esses reféns e então poderemos conversar”.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

por-dentro-da-‘sala-da-guerra’-de-israel-na-tensa-fronteira-com-o-libano

G1 Mundo

Por dentro da ‘sala da guerra’ de Israel na tensa fronteira com o Líbano

Aliás, tudo por aqui gira em torno da segurança. A sala não tem janelas. Para poder passar pela sólida porta de entrada, você precisa deixar para trás telefones celulares e relógios inteligentes – tudo o que puder revelar a localização deste local secreto. Dentro da sala, há uma série de monitores. Uma equipe acompanha as imagens atentamente, 24 horas por dia. As telas mostram imagens em preto e branco granuladas, […]

today24 de outubro de 2023 4

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%