G1 Mundo

Por que a Coreia do Sul está proibindo tradicional comércio de carne de cachorro

today10 de janeiro de 2024 10

Fundo
share close

A legislação, prevista para entrar em vigor até 2027, visa encerrar a prática centenária de os humanos consumirem carne de cachorro.

O guisado de carne de cachorro, chamado “boshintang“, é considerado uma iguaria por alguns sul-coreanos mais velhos, mas a carne perdeu popularidade entre os consumidores e não é mais apreciada pelos jovens.

De acordo com a nova lei, o consumo da carne de cachorro em si não será ilegal – apenas o abate e venda.



Segundo uma pesquisa da Gallup no ano passado, apenas 8% das pessoas disseram ter experimentado carne de cachorro nos últimos 12 meses, uma queda em relação aos 27% em 2015. Menos de um quinto dos entrevistados afirmou apoiar o consumo dessa carne.

Lee Chae-yeon, uma estudante de 22 anos, afirmou que a proibição era necessária para promover os direitos dos animais.

“Mais pessoas têm animais de estimação hoje em dia”, disse ela à BBC em Seul. “Os cães são como parte da família agora, e não é certo comer nossa própria família.”

A nova lei foca no comércio de carne de cachorro – aqueles condenados por abate enfrentam até três anos de prisão, enquanto pessoas consideradas culpadas de criar cães para carne ou vender carne de cachorro podem cumprir no máximo dois anos.

Agricultores e proprietários de restaurantes têm três anos para encontrar fontes alternativas de emprego e renda antes da entrada em vigor da legislação.

Segundo estatísticas do governo, a Coreia do Sul tinha cerca de 1.600 restaurantes de carne de cachorro e 1.150 fazendas de cães em 2023, todas as quais agora terão que apresentar um plano para encerrar suas atividades às autoridades locais.

O governo prometeu apoiar integralmente os agricultores, açougueiros e proprietários de restaurantes de carne de cachorro, cujos negócios serão forçados a fechar, embora os detalhes sobre a compensação oferecida ainda não tenham sido finalizados.

O atual presidente Yoon Suk Yeol e sua esposa possuem seis cães e pediram a proibição da carne de cachorro. — Foto: GETTY IMAGES via BBC

Na terça-feira, durante o almoço em Seul, em uma vielazinha com diversos restaurantes de carne de cachorro, um punhado de pessoas mais velhas saboreava o guisado, e a divisão geracional era evidente.

Kim Seon-ho, 86 anos, ficou desapontado com a proibição.

“Nós comemos isso desde a Idade Média. Por que nos impedir de comer nossa comida tradicional?”, disse ele. “Se você proíbe a carne de cachorro, então deveria proibir a carne bovina.”

Governos anteriores, desde a década de 1980, prometeram proibir a carne de cachorro, mas não conseguiram progredir.

O atual presidente, Yoon Suk Yeol, e a primeira-dama, Kim Keon Hee, são conhecidos amantes de animais – eles têm seis cães, e a senhora Kim pediu o fim da prática de comer cães.

Grupos de defesa dos direitos dos animais, que há muito tempo defendem a proibição, elogiaram o resultado da votação de terça-feira.

Jung Ah Chae, diretora-executiva da Sociedade Humana na Coreia, disse estar surpresa por ver a proibição em sua vida.

“Embora meu coração esteja partido por todos os milhões de cães para os quais essa mudança chegou tarde demais, estou radiante que a Coreia do Sul agora possa encerrar este capítulo miserável em nossa história e abraçar um futuro amigável aos cães”, afirmou.

Os criadores de cães para carne se opuseram à proibição. Eles argumentaram que, dada a diminuição de popularidade entre os jovens, a prática deveria ser permitida até desaparecer naturalmente ao longo do tempo.

Muitos agricultores e donos de restaurantes são idosos e disseram que seria difícil para eles mudar de meio de vida tão tarde na vida.

Um criador de cães, Joo Yeong-bong, disse à BBC que a indústria estava desesperada.

“Em 10 anos, a indústria teria desaparecido. Estamos na casa dos 60 e 70 anos e agora não temos escolha a não ser perder nossos meios de subsistência”, disse ele, acrescentando que isso era “uma violação da liberdade das pessoas de comer o que gostam”.

Uma proprietária de restaurante de carne de cachorro na casa dos 60 anos, a Sra. Kim, disse à BBC que estava frustrada com a proibição e culpava o aumento do número de pessoas na Coreia do Sul que têm animais de estimação.

“Os jovens de hoje não se casam, então eles veem os animais de estimação como família, mas comida é comida. Deveríamos aceitar a carne de cachorro, mas criá-los e abatê-los em um ambiente higiênico”, disse ela. “Outros países como China e Vietnã comem cães, então por que estamos proibindo isso?”

Coreia do Sul aprova lei que proíbe consumo de carne de cachorro

Coreia do Sul aprova lei que proíbe consumo de carne de cachorro




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

equador-tem-correria-nas-ruas,-lojas-fechadas-e-noticias-falsas-em-dia-de-terror

G1 Mundo

Equador tem correria nas ruas, lojas fechadas e notícias falsas em dia de terror

Na terça-feira, em algumas cidades, como Quito e Guayaquil, lojistas fecharam as portas e, em alguns momentos, pedestres com medo saíram correndo em pontos movimentados. Nessas duas cidades houve um trânsito incomum durante a tarde, de acordo com a autoridade de trânsito local. Segundo o jornal "El Universo", a cidade de Quevedo também ficou deserta. Durante o dia, houve relatos de homens decapitados, roubos, incêncios e ameaças de saques. Editorial, […]

today10 de janeiro de 2024 9

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%