G1 Mundo

Por que o monarca precisa de uma coroação?

today3 de maio de 2023 5

Fundo
share close

O evento mantém hoje o significado que já teve no passado e é preciso haver uma cerimônia de coroação?

Milhões de pessoas em todo o Reino Unido testemunharão um evento raro nos próximos dias. Embora os britânicos possam estar acostumados com a pompa, multidões e festas de rua que acompanham as celebrações e jubileus reais, já se passaram 70 anos desde que foi vista uma coroação.

Trata-se de um evento totalmente diferente, repleto de curiosidades: um juramento medieval, óleo sagrado derramado em uma colher do século 12 e uma cadeira de 700 anos que abriga uma pedra que supostamente rugiu quando reconheceu o monarca legítimo.



Alguns especialistas comparam uma coroação a um casamento — mas em vez de um cônjuge, o monarca está se casando com o Estado. As 2 mil pessoas que assistirão à coroação do rei Charles III na Abadia de Westminster serão questionadas se o reconhecem como monarca. Ele então receberá um anel de coroação e será chamado a fazer um juramento.

Se tudo isso soa como algo de outra época, é porque as cerimônias de coroação no Reino Unido mudaram pouco nos últimos mil anos.

Por lei, não há necessidade da coroação, pois o monarca assume o trono automaticamente após a morte de seu antecessor. Mas as coroações são um gesto simbólico que formalizam o compromisso do monarca com o papel, explica George Gross, que lidera um projeto de pesquisa sobre coroações no Kings College London.

Ele acredita que as promessas que um monarca faz de “defender a lei e a justiça com misericórdia” em uma declaração pública são um momento único e especial.

“Em um mundo incerto onde os líderes quebram as regras internacionais da lei o tempo todo, nosso monarca tem que dizer ‘essas são as coisas fundamentais que importam’, e isso não me incomoda.”

Juntando o velho e o novo?

O que acontece em seguida talvez resuma o que é a coroação: uma ocasião fundamentalmente religiosa. Um contorno da cruz é feito na cabeça, nas mãos e no peito do monarca com um óleo consagrado, na colher medieval.

O processo de unção eleva “o monarca quase a um padre”, explica Gross, e sinaliza o papel do monarca como chefe da igreja.

“É uma cerimônia anglicana e a unção é essencial para isso como a concessão da graça de Deus ao monarca”, diz David Torrance, que escreveu um trabalho de pesquisa parlamentar sobre coroações.

“Mas também é a Igreja da Inglaterra lembrando a todos que eles são uma das igrejas estabelecidas do Reino Unido e o monarca é seu governador supremo.”

Este momento é feito em privado porque é visto como um momento íntimo e por razões de praticidade, já que o monarca usa menos roupas neste momento, diz Elena Woodacre, diretora da Royal Studies Network. É provável que as câmeras se movam como fizeram quando a rainha Elizabeth II foi despojada de seu manto e joias durante sua coroação televisionada em 1953.

Em vez de usar o óleo da coroação anterior — como alguns monarcas fizeram — um novo lote foi feito este ano. Anteriormente continha produtos de origem animal como óleo de civeta e âmbar, encontrado em baleias cachalotes, mas esta versão vegana e sem crueldade é feita, em parte, de azeitonas. Em um possível aceno para outras religiões, foram cultivadas no Mosteiro de Maria Madalena em Jerusalém, onde a princesa Alice, avó do rei, está enterrada.

Mas a escolha do óleo também está de acordo com “sensibilidades modernas”, diz Woodacre, acrescentando que “mistura tradição e continuidade com adaptação e mudança” num momento em que alguns questionam se a monarquia ainda tem lugar.

“A coroação é a chance do rei se conectar ao poder do passado e moldar seu futuro. Todas essas tradições antigas, como a Abadia e o uso da colher, ajudam a reforçar sua posição.”

Graham Smith, do grupo Republic, que faz campanha para um chefe de Estado eleito, questiona se a tradição é um argumento válido quando as coroações “mudaram em escala, escopo e conteúdo todas as vezes”.

“A maioria das pessoas não consegue se lembrar da última vez, então não é uma tradição que signifique nada para alguém”, diz ele. “Não tem valor constitucional, não é obrigatório e, se não fizéssemos (a cerimônia), Charles ainda assim seria rei.”

De fato, um monarca não precisa de uma coroação para governar e alguns fizeram isso, como Eduardo 8º, que abdicou antes da coroação dele. As monarquias europeias se livraram das coroações há muito tempo e a opinião pública sugere que o interesse talvez esteja diminuindo no Reino Unido.

Uma pesquisa recente do YouGov apontou que 48% dos entrevistados não eram muito ou nada propensos a assistir à coroação. Outra pesquisa, realizada na época do jubileu de platina da rainha, apontou que, enquanto seis em cada dez apoiavam a monarquia, a maioria dos britânicos sentia que a família real era menos importante para o país do que em 1952.

Stephen Evans, que comanda a National Secular Society, diz que o cenário religioso do Reino Unido, por exemplo, “mudou além de qualquer reconhecimento” desde a última coroação em 1953 e “muitos se sentirão alienados por uma cerimônia anglicana”.

Torrance concorda que os aspectos centrais da cerimônia podem ter sido familiares para as pessoas naquela época e talvez sejam menos familiares agora. Mas ele diz que as estatísticas mostram que as congregações em Londres estão aumentando e muitas igrejas anglicanas estão cheias.

“Quando a rainha morreu, tivemos muita religião misturada com cerimônia. Acho que o Palácio ficou surpreso com a resposta do público… muita atenção prestada”, diz ele. “Se houver um esforço para tornar a coroação menos exclusivamente anglicana, pode ser levado em consideração que o Reino Unido agora tem uma proliferação de diferentes religiões.”

Uma coroação do século 21?

Parte essencial da cerimônia, no entanto, está ligada a uma fé, diz a professora Anna Whitelock, diretora do Centro de Estudos da Monarquia Moderna.

“O problema é que no centro disso está a unção [e] o juramento que trata de defender a Igreja da Inglaterra. O fato é que você não pode mudar as partes fundamentais da coroação, que é exclusiva, não é diversa, é sobre privilégio e tudo o que uma Grã Bretanha multi-religiosa e multi-étnica não é.”

Whitelock concorda que foram feitas tentativas de modernizar a coroação, como torná-la menor em comparação com a anterior, encomendar novas músicas e envolver diversos convidados, “mas é uma tentativa de mudar o estilo [quando] você não pode mudar a substância”.

Ela avalia que qualquer mudança significativa exigiria uma grande revisão, como a desestabilização da Igreja da Inglaterra ou um referendo sobre a monarquia, nenhum dos quais ela espera ver tão cedo.

“A legitimidade da monarquia é baseada na tradição e na continuidade, então acho que se o príncipe William acabasse com a coroação, isso seria visto como ir além e enfraqueceria a instituição, e não acho que chegamos a esse ponto ainda.”

Gross acredita que há tentativas de modernizar a coroação de outras formas, inclusive na questão do custo.

Ele diz que, embora não seja incomum que as coroações aconteçam em tempos economicamente difíceis — citando a de George VI, que ocorreu durante uma grande depressão —, a decisão de reduzir a lista de convidados do rei Charles III para um quarto dos números que compareceram à de sua mãe pode ser uma tentativa do palácio de manter os custos “razoáveis”.

Mas em um momento em que a população está com dificuldades financeiras, os críticos dizem que uma coroação que custa milhões é um desperdício público de dinheiro. O Departamento de Cultura, Mídia e Esporte não foi capaz de fornecer estimativas, mas claramente não será gratuito. Também não foi possível revelar quanto custou o funeral de Estado da rainha no ano passado, embora, para comparação, o da rainha-mãe em 2002 tenha custado 5,4 milhões de libras (mais de R$ 33 milhões em cotação atual).

A reação pública à morte de ambos, no entanto, sugere que ainda existe algum nível de interesse na monarquia.

Estima-se que 250 mil pessoas fizeram fila em setembro para ver a rainha e números semelhantes compareceram para ver sua mãe. Em relação à população do Reino Unido, de 67 milhões, isso pode parecer baixo, mas cerca de 40% assistiram ao funeral na TV.

Ainda não se sabe se a coroação terá o mesmo efeito, embora o professor Whitelock seja cético.

“Não há dúvida de que algumas pessoas vão assistir e dizer que é o que a Grã-Bretanha faz de melhor com pompa e ostentação. Mas é ruim a ideia de que um homem que, por acidente de nascimento, está sendo ungido e colocado acima do resto de nós, sem ser eleito, e não representa a Grã Bretanha religiosamente ou etnicamente.”




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

policial-realiza-parto-de-bebe-dentro-de-carro-na-florida;-video

G1 Mundo

Policial realiza parto de bebê dentro de carro na Flórida; VÍDEO

O nascimento do bebê, uma menina, foi registrado pela câmera corporal que o oficial utilizava no momento. Policial realiza parto de bebê dentro de carro na Flórida No domingo (30), um policial realizou o parto de uma mulher dentro de um carro estacionado em uma rodovia em Plant City, na Flórida, nos Estados Unidos. O nascimento do bebê foi registrado pela câmera corporal que o oficial utilizava no momento. No […]

today3 de maio de 2023 9

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%