G1 Mundo

Por que Paris proibiu aluguel de patinetes elétricos

today2 de setembro de 2023 3

Fundo
share close

Embora cerca de 90% dos que participaram da votação em abril tenham apoiado a proibição, é importante destacar que o comparecimento foi de menos de 8% do eleitorado.

Paris, que apenas cinco anos atrás foi uma das pioneiras na adoção dessas inovações de mobilidade elétrica, agora se torna uma das primeiras capitais a implementar tal proibição.

No entanto, é legítimo questionar se essa medida reflete apenas a vontade democrática ou se outros interesses estão em jogo.



Não que eu esteja tomando partido, mas como um ciclista tradicional, não posso deixar de expressar minha frustração com a forma como os “veículos pessoais” elétricos, como os patinetes elétricos, têm ocupado o espaço que há muito tempo lutamos para criar para ciclistas.

Passamos quatro décadas fazendo campanha pela construção de ciclovias para agora vermos esse novo meio de transporte motorizado competir por espaço nas vias públicas.

Também não posso ignorar as situações que tenho testemunhado com frequência nos últimos anos, especialmente como pai de crianças pequenas: patinetes elétricos bloqueando as calçadas e exigindo manobras evasivas de pedestres.

Um amigo próximo sofreu um acidente e teve uma costela quebrada quando foi atingido por um patinete elétrico em Paris no ano passado. Mesmo agora, passados meses, ele ainda sente dor quando tosse.

Pessoalmente, não sou fã desses dispositivos. Se pudesse escolher, eles nunca teriam sido inventados, e Paris estaria hoje vivendo uma cena semelhante à de Amsterdã nos anos 70, com as pessoas pedalando nas ruas usando suas próprias pernas, em vez de apertar um botão.

No entanto, reconheço a complexidade da situação. A prefeita de Paris, Anne Hidalgo, é do Partido Socialista, uma importante instituição política da qual participaram presidentes franceses como François Mitterrand e François Hollande.

No entanto, nas eleições presidenciais do ano passado, quando Hidalgo concorreu como candidata socialista, obteve apenas 1,75% dos votos nacionais, um resultado decepcionante.

Anne Hidalgo, determinada como sempre, buscou uma nova causa para mostrar sua relevância, escolhendo os patinetes elétricos como seu alvo – apesar de ter sido ela mesma a responsável por introduzir esses veículos nas ruas de Paris em 2018.

No início deste ano, ela anunciou sua jogada estratégica: deixar a decisão nas mãos dos eleitores. Embora pessoalmente se opusesse à proibição, ela se comprometeu a seguir a vontade do povo, o que parece ser uma abordagem justa.

Assim, a votação aconteceu em abril, com pouca publicidade e uma taxa de participação relativamente baixa. Como era de se esperar, as pessoas mais velhas, que costumam votar e têm aversão aos patinetes elétricos, compareceram em grande número.

Muitos jovens, que realmente utilizam esses veículos, talvez tenham optado por não votar.

Anne Hidalgo obteve sua vitória, e agora os últimos patinetes alugados foram retirados das ruas. Isso causou decepção entre turistas e alguns moradores.

Por outro lado, muitos estão satisfeitos com essa decisão, especialmente os revendedores de patinetes elétricos, uma vez que os veículos de propriedade privada não foram afetados.

Parece quase como aquele momento, há um século, quando o último cavalo deixou silenciosamente as ruas da cidade. No entanto, é importante ressaltar que os cavalos foram substituídos pelo motor de combustão, enquanto os patinetes elétricos, que já estão conosco há cinco anos, ainda não têm um substituto claro.

Tenho a sensação de que eles podem retornar em algum momento no futuro.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

‘governo-da-nicaragua-tem-odio-da-igreja-e-quer-controla-la’

G1 Mundo

‘Governo da Nicarágua tem ódio da Igreja e quer controlá-la’

Em uma madrugada de 1989, o religioso ouviu, a cerca de 40 metros de distância, os disparos de militares que massacraram seis padres jesuítas e duas mulheres na Universidade Centro-Americana (UCA) de El Salvador. Na época, Tojeira era o superior provincial dos jesuítas na América Central. E, desde então, ele pede justiça por aquela matança. Em 2020, um coronel aposentado foi condenado por aquela noite a 133 anos de prisão […]

today2 de setembro de 2023 7

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%