G1 Mundo

Premiê da Espanha diz que cogita renunciar após investigação judicial contra sua esposa

today24 de abril de 2024 6

Fundo
share close

A investigação contra a primeira-dama, Begoña Gómez, partiu de uma denúncia apresentada pelo coletivo Manos Limpias, um coletivo civil ligado à extrema direita do país. O Tribunal Superior de Justiça de Madri acatou a denúncia e abriu uma investigação preliminar contra Gómez por suspeitas de tráfico de influência e corrupção.

Ele argumentou que a reflexão é para proteger sua esposa da intensa perseguição que, segundo o premiê, ela vem sofrendo por parte de partidos e grupo da extrema direita do país.

“Preciso parar para refletir. Preciso responder à pergunta de se vale a pena (seguir no governo), apesar da lama em que a direita e a ultradireita pretendem converter a política. Se devo continuar à frente do governo ou renunciar a esse grande horror. Sinceramente, não sei”, escreveu Sánchez.



Em nota, o tribunal de Madri afirmou que a investigação foi aberta na semana passada e disse o processo correrá em sigilo. Questionado nesta quarta no Congresso dos Deputados sobre a investigação, Sánchez respondeu que confia na Justiça.

A decisão do tribunal foi anunciada poucas horas depois de o site de notícias espanhol “El Confidencial” ter noticiado a investigação judicial contra a primeira-dama. Segundo o jornal, investigadores examinam supostos vínculos de Gómez com empresas privadas, como a companhia aérea Air Europa, que acabaram recebendo fundos e contratos públicos do governo.

Ainda de acordo com o jornal, o centro de negócios para a África que Gómez dirigia na ocasião, ligado a uma escola de economia da Espanha, assinou em 2020 um acordo de patrocínio com a Globalia, proprietária da Air Europa na mesma época em que a cia aérea, em crise, negociava também um plano de ajuda milionário do governo espanhol.

No mesmo ano, o governo de Sánchez ofereceu uma linha de crédito de 475 milhões de euros (cerca de R$ 2,7 bilhões na cotação da época) à Air Europa. A empresa espanhola foi a primeira a se beneficiar desse tipo de ajuda governamental por conta da pandemia.

O Partido Popular, sigla conservadora que lidera a oposição a Sánchez, exigiu que o primeiro-ministro dê explicações.

Parlamento espanhol elege Pedro Sánchez como primeiro-ministro

Parlamento espanhol elege Pedro Sánchez como primeiro-ministro

Líder do Partido Socialista, Sánchez cumpre atualmente seu segundo mandato como primeiro-ministro.

Ele foi reeleito em novembro de 2023, em um pleito antecipado que o próprio Sánchez convocou em abril do ano passado, após seu partido sofrer grandes perdas em eleições regionais.

Pedro Sánchez terminou em segundo lugar nas eleições, atrás dos conservadores do PP. No entanto, o PP não conseguiu alianças para obter o número mínimo de assentos para governar. Já Sánchez arriscou um polêmico pacto com separatistas da Catalunha, que têm grande rejeição entre os socialistas no resto do país.

Ele chegou ao poder pela primeira vez em 2018, quando comandou uma moção de censura contra o então premiê, o conservador Mariano Rajoy, que o derrubou. Nesses casos, pela Legislação do país, é o líder da oposição quem assume.

Em abril deste ano, ele dissolveu o Parlamento e convocou a nova votação depois de resultados ruins para seu partido em eleições regionais naquele mês.

Na ocasião, a sigla de Sánchez, o Partido Socialista, perdeu na maior parte dos municípios que governava. Em paralelo, os conservadores do Partido Popular, sigla rival dos socialistas, abocanharam mais governos locais, e o Vox, de extrema direita, avançou em Parlamentos regionais.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

biden-assina-ajuda-de-r$-490,4-bilhoes-para-israel,-ucrania-e-taiwan

G1 Mundo

Biden assina ajuda de R$ 490,4 bilhões para Israel, Ucrânia e Taiwan

O pacote havia sido aprovado na terça pelo Congresso americano antes de ser enviado para a sanção presidencial. Com as leis aprovadas, os Estados Unidos devem os seguintes valores para seus aliados no exterior: US$ 61 bilhões para a Ucrânia;US$ 26 bilhões para Israel e ajuda humanitária para civis em zonas de conflito;US$ 8,12 bilhões para Taiwan. O pacote também inclui a transferência de bens russos apreendidos para a Ucrânia, […]

today24 de abril de 2024 8

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%