G1 Santos

Professor nega ter importunado sexualmente aluna e diz tê-la tocado nas costas para direcionar à carteira

today8 de setembro de 2022 13

Fundo
share close

Um professor de Eldorado, no interior de São Paulo, denunciado por importunação sexual pela mãe de uma aluna de 11 anos negou ter cometido qualquer crime. Ao g1, o docente afirmou ter tocado a menina pelas costas pra direcioná-la à carteira, pois estava em pé e atrapalhava os demais alunos, que copiavam o conteúdo da lousa. Ele entrou na Justiça com uma ação de reparação de danos e teve o pedido acatado.

A juíza determinou que, após ser notificada, a mãe deverá retirar das redes sociais as publicações que façam menção ao professor e aquelas que identificam. Ela terá um prazo de 60 minutos para a exclusão do material, pois, do contrário, será multada em R$ 100 por hora – até que o material seja deletado. A multa está limitada a R$ 50 mil.

Além disso, a magistrada determinou que a mulher não compartilhe mais acusações sobre o professor ou a filha nas redes sociais. Caso descumpra a decisão, deverá arcar com R$ 1 mil por cada nova publicação feita.

O professor, que preferiu não ser identificado, afirmou ao g1 que é casado, tem duas filhas, de 16 e 18 anos, sendo uma delas autista, e que leciona na Escola Estadual Professora Maria Aparecida Viana Muniz há 35 anos, sendo 19 destes de forma efetiva.

O docente explicou à reportagem que, em 29 de agosto, a turma precisou trocar de classe. A mudança se deu para um espaço menor.



“Assim que entrei na sala me assustei. Minha primeira reação foi de sufoco. Não sentei na minha cadeira, pois estava quase grudada à lousa e pedi para que os alunos não se dispersassem, pois trata-se de uma sala de crianças com muita energia. Naquele dia tive duas aulas na sala”, contou.

O professor disse acreditar ter um comportamento “tradicional” e sério, o que desagrada muitos alunos. Ele inclusive lembra ter chamado a atenção da estudante [filha da mulher que o denuncia] para não gritar em sala de aula e tirar o pé da carteira ao lado.

Em determinado momento, segundo o educador, a aluna começou a andar pela sala e prejudicar os outros alunos. Ele relata que, assim que a menina saiu da mesa de uma colega, passou por trás da mesa dele. Nesse momento, portanto, teria ficado entre o professor e o material de trabalho.

“Falei: ‘dá licença, por favor, tocando-a pelas costas, para frente, direcionando para o seu lugar, com olhar de cansaço e reprova, pois atrapalhava os alunos sentados a copiarem da lousa’. A aluna reclamou da sala suja e empoeirada e respondi que ela não precisava passar a cabeça pelo chão, mas deveria se manter em seu lugar”, afirmou.

Ele explicou que a escola está passando por reformas e que só tomou conhecimento da acusação dois dias após o fato relatado acima. “Na data do ocorrido, a vice-diretora me procurou após aquela aula e me perguntou o que ocorreu na sala. Me informou que a aluna tinha ficado constrangida com as minhas palavras sobre mexer no cabelo”.

O professor informou à colega que que não deveria ter respondido à aluna, mas que naquele momento “estava muito difícil controlar a sala”, não sendo a intenção ofender a criança e sim dar a minha aula.

A denúncia, portanto, só chegou ao conhecimento do educador no dia 31 de agosto, após os pais procurarem a escola para conversar sobre o ocorrido.

“A família decidiu registrar um BO sem me dar a oportunidade de esclarecer e me desculpar pelo ocorrido. A partir daí, a minha vida e da minha família virou um escândalo em redes sociais”.

Ele agradeceu o apoio de gestores, professores e funcionários da escola, e ressaltou que não foi afastado, mas que está utilizando um período da licença prêmio. O professor finalizou pedindo desculpas caso ‘atitudes mais severas como educador’ e ‘comportamento alegre e expansivo como comerciante’ tenham ofendido alunos e clientes.

O g1 entrou em contato com a mãe da aluna, que ainda não foi notificada. Ela disse que, apesar da decisão da Justiça, “Está aliviada em poder dar a voz a tantas que já foram caladas até então”.

“Contra fatos não há argumentos. Recebi muito apoio nesses últimos dias e agradeço a todos. Daqui para frente cabe a Justiça, e que a Justiça seja feita”, disse a mãe da aluna.

Em nota, a Secretaria de Educação do Estado de São Paulo (Seduc-SP) informou que o professor solicitou a licença prêmio antes do processo de apuração ser iniciado pela Diretoria de Ensino (DE) de Registro, e que o caso segue sendo apurado.

Segundo apurado pelo g1 com a Polícia Civil, foi instaurado um inquérito policial, sendo que a representante legal da vítima foi ouvida e também foi realizado o depoimento especial da infante. Além disso, foram feitas oitivas de testemunhas e do investigado, estando o caso em diligências finais para posterior relatório final.

Delegacia Sede de Eldorado, SP — Foto: Divulgação/Polícia Civil

VÍDEOS: Mais assistidos do g1 nos últimos 7 dias




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Santos.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

da-maquiagem-ao-concreto,-ex-ken-humano-mostra-nova-rotina:-‘fazia-reboco-no-rosto,-agora,-so-na-parede’;-video

G1 Santos

Da maquiagem ao concreto, ex-Ken Humano mostra nova rotina: ‘fazia reboco no rosto, agora, só na parede’; VÍDEO

Jovem do litoral de São Paulo mudou estilo de vida ao abandonar personagem e focar no serviço como auxiliar de pedreiro. A reportagem acompanhou um dia de Mr. Adam. Ex-Ken Humano fala sobre a 'nova vida' após virar auxiliar de pedreiro Imagine acordar de madrugada, às 2h30, durante três anos, para se caracterizar como o boneco Ken, personagem do 'universo' Barbie e, agora, levantar-se da cama para trabalhar como auxiliar […]

today8 de setembro de 2022 53

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%