G1 Santos

Professora admite ter beijado aluno em mensagem e é demitida de escola

today22 de novembro de 2023 1

Fundo
share close

A professora trabalhava na escola municipal Vereador Felipe Avelino Moraes. Ela contou à aluna que encontrou o estudante e um amigo na rua. Depois, eles foram ao mercado, e ele a levou para casa. “Eles me trouxeram para casa. Aí, aconteceu”, conta ela nas mensagens.

A docente foi denunciada à diretoria da escola pela mãe da aluna para quem enviou as mensagens. Após o caso ganhar repercussão, tanto a estudante quanto o melhor amigo dela passaram a receber ameaças de colegas na unidade de ensino.

As ameaças viraram agressões. Três alunos bateram no adolescente, sendo um deles o que teria beijado a professora. O jovem que foi agredido chegou a ser hospitalizado.



Em nota, a Prefeitura de Praia Grande, por meio da Secretaria de Educação (Seduc), informou que a professora foi demitida por má conduta e afirmou que a direção da escola reportou o caso ao conselho tutelar.

Print de conversa em que professora de Praia Grande admite a aluna ter beijado aluno de 14 anos — Foto: Reprodução

Ameaças, agressões e internação

A empresária e mãe do aluno agredido, Helena Cristina Andria, de 51 anos, contou à reportagem que a diretora da escola permitiu que a professora tivesse acesso ao nome da autora da denúncia, o que desencadeou as ameaças e a agressão.

De acordo com Helena, horas após a mãe da aluna fazer a denúncia, o filho dela e a amiga dele foram cercados por sete alunos, sendo um deles o adolescente que teria sido beijado pela professora. A dupla conseguiu correr para dentro da escola.

As mães acionaram a Guarda Civil Municipal (GCM) e registraram um boletim de ocorrência de ameaça, no 3º Distrito Policial da cidade. Helena disse que os alunos não pararam de intimidar o filho, que deixou de ir e voltar da escola sozinho.

Na última terça-feira (14), a mãe da colega que dava carona não foi. “Quando ele chegou na esquina de casa, eles [três meninos, sendo um deles o que a professora teria beijado] já estavam esperando por ele. Foi premeditado“.

Aluno é agredido por colegas após ser acusado de denunciar professora que beijou adolescente — Foto: Reprodução

Dores abdominais 3 dias após agressão

O adolescente foi jogado no chão e agredido com chutes e socos. O trio só parou de bater quando uma vizinha entrou no meio da confusão. O menino foi levado ao Instituto Médico Legal (IML) com ferimentos na boca.

Três dias depois, o adolescente começou a sentir dores abdominais e foi levado pela mãe ao hospital. De acordo com Helena, foi constatado um hematoma interno causado pelas agressões. Desde sexta-feira (17), ele está internado sem previsão de alta.

“Ele foi agredido por achismo […]. Eu estou revoltada, indignada […]. Esses alunos falaram que ele estava apanhando por conta do ocorrido com a professora e ainda falaram o seguinte: ‘Sorte que a sua mãe vai chorar na porta da delegacia porque o certo é ela chorar na porta do cemitério’. No meu ponto de vista, isso é uma ameaça de morte”.

A Prefeitura de Praia Grande disse lamentar as agressões sofridas pelo aluno e não compactuar com essas atitudes. O município afirmou que adotará ações de conscientização com os estudantes para que novos casos do tipo não aconteçam.

Professora de Praia Grande (SP) confessou que beijou um aluno e que teria interesse em ter relações sexuais com ele — Foto: Reprodução

Após as agressões, Helena foi até a escola questionar a diretoria sobre as providências tomadas sobre o assunto. Segundo ela, a responsável pela unidade de ensino disse que ainda não tinha comunicado aos pais dos alunos, inclusive os do garoto que teria sido beijado pela professora.

O advogado de Helena, Thiago Rodrigues, informou à reportagem que entrará com uma denúncia no Ministério Público (MP) para apuração da conduta da professora e da diretoria da unidade de ensino. Em relação às agressões, um inquérito policial será instaurado para investigar o caso.

“A diretora deveria ter tomado cuidado, averiguado a situação e tomado a providência necessária em relação à professora e preservado a criança”, afirmou o advogado.

Em nota, a Polícia Civil informou que o caso foi registrado no 3º DP de Praia Grande, onde é investigado. A autoridade policial realiza diligências para intimar todos os envolvidos e esclarecer os fatos. Detalhes serão preservados por envolver menor de idade.

O g1 tentou contato com a professora, mas não havia conseguido até a última atualização desta reportagem.

VÍDEOS: g1 em 1 minuto Santos




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Santos.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

guga-chacra:-pressoes-‘externas’-e-‘internas’-levaram-israel-a-ceder-acordo-com-hamas-para-a-libertacao-de-refens

G1 Mundo

Guga Chacra: pressões ‘externas’ e ‘internas’ levaram Israel a ceder acordo com Hamas para a libertação de reféns

Para Guga Chacra, Israel foi quem precisou ceder mais para que esse acordo acontecesse. O comentarista destacou no Jornal da Globo os fatores "externos" e internos" que influenciaram na decisão do governo israelense. "Provavelmente, Israel teve que ceder mais do que o Hamas, neste momento. Havia a pressão externa dos Estados Unidos, também de outros países próximos de Israel, como a França e o Reino Unido, países que Israel estabeleceu […]

today22 de novembro de 2023 7

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%