G1 Santos

Professora afirma ser agredida e discriminada por ser autista; colega acusado rebate: ‘é dissimulada’

today30 de agosto de 2022 52

Fundo
share close

A professora Alessandra Valtrau Loffhagen da Silva, de 46 anos, relatou ter sido agredida pelo professor Fábio de Paula Silva e a esposa dele dentro da Escola Estadual Professora Judith Sant’ana Diegues, em Ilha Comprida, no litoral de São Paulo. Ela também afirmou sofrer discriminação por ser autista. O docente acusado negou as agressões e afirmou que Alessandra foi responsável pela discussão generalizada.

Segundo a professora, a confusão começou assim que foi socorrer a colega Michele de Sá Ramos Teixeira que estaria sendo ameaçada pelo casal. Imagens obtidas pelo g1 mostram a esposa do professor discutindo com Michele e alterando a voz enquanto pega na mão da professora para abaixar o dedo dela. (veja vídeo acima)

Alessandra contou que, no dia da confusão, ela havia chegado à escola e notado que uma mulher [a esposa de Fábio] conversava de forma exaltada com Michele na sala da vice-diretora. Sem saber do que se tratava, disse ter começado a gravar a discussão.

Discussão foi gravada dentro da sala dos professores em uma escola estadual em Ilha Comprida — Foto: Reprodução



“Quando o professor chegou, muito rapidamente, a impressão que tive era que ele ia socá-la [a Michele]. Entrei na sala e pedi para levar a Michele embora, mas eles [o professor e a esposa] não me deixaram tirar a Michele daquela situação e começaram a me bater e a me xingar”, disse.

Em um Boletim de Ocorrência registrado na delegacia de polícia de Ilha Comprida, Fábio declarou que a conversa entre a esposa e a professora Michele evoluiu para uma discussão, que as duas elevaram o tom de voz, e foi quando Alessandra apareceu na sala e começou a gravar. Ele ressaltou que a gravação culminou em uma discussão generalizada, que terminou rapidamente.

“Foi ela [Alessandra] quem colocou o celular na janela para gravar a conversa de foro íntimo. Já foi aberto um procedimento administrativo para apurar, pois as câmeras da escola filmaram ela insuflando a discussão. Pelos relatos, a mediadora da escola foi quem colocou a mão para que ela não invadisse a sala”, esclareceu o professor ao g1.

Discriminação por ser autista

Alessandra também relatou que sofre discriminação dentro da escola por ser autista. Segundo ela, o casal a teria culpado pela confusão por conta do transtorno. “Eles [o casal] falam que a culpa da confusão foi minha, pois eu não consegui interpretar a cena corretamente e causei o tumulto, porque tenho deficiência mental. Eles não podem alegar isso. Nenhum médico atestou que sou incapaz”.

“Trabalho em um ambiente extremamente hostil e não tenho dignidade no trabalho. Sou humilhada e muito maltratada. Tenho 46 anos e há 24 de trabalho no Estado, tenho três formações universitárias, duas especializações e sou professora concursada”, enfatizou Alessandra.

Fábio afirmou à reportagem do g1 que a escola discorda sobre a deficiência de Alessandra, pois, segundo ele, a profissional nunca entregou um documento comprobatório. Sobre a discriminação, o professor disse que não sabe nada em relação a isso, e que as atitudes da escola em relação a ela provam o contrário.

“Ela é professora em uma unidade em Cananéia e, todos os anos, a escola assina um termo de anuência para ela trabalhar na unidade [de Ilha Comprida]. Se tivesse discriminação ou perseguição, a direção não a aceitaria na escola. Pelo que nós sabemos, não tem documento que prove o autismo. Ela é dissimulada e inteligentíssima”, relatou.

A secretaria de Educação do Estado de São Paulo informou, por meio de nota, que a Diretoria de Ensino abriu uma apuração preliminar para ouvir os dois docentes e para realizar as medidas cabíveis. A pasta afirmou que as imagens do ocorrido estão em posse das autoridades para que, se necessário, sejam aplicadas as medidas legais necessárias.

VÍDEOS: g1 em 1 Minuto Santos




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Santos.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

menino-de-11-anos-supera-o-‘impossivel’-ao-tirar-duas-figurinhas-de-neymar-em-um-so-pacote,-entre-elas-a-‘lendaria’;-video

G1 Santos

Menino de 11 anos supera o ‘impossível’ ao tirar duas figurinhas de Neymar em um só pacote, entre elas a ‘lendária’; VÍDEO

Embalagem 'premiada' foi comprada em São Vicente, no litoral de São Paulo. Menino de 11 anos tira figurinha 'rara' de Neymar no álbum da Copa: 'Muito linda' Um menino de 11 anos encontrou duas figurinhas de Neymar Jr. do álbum da Copa do Mundo no Catar, sendo uma delas a 'lendária' dourada, no mesmo pacote. Ao g1, o estudante João Pedro Lourenço contou, nesta terça-feira (30), que a 'sorte grande' […]

today30 de agosto de 2022 156

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%