G1 Mundo

Promotor especial dos EUA diz que investigação do FBI sobre ligação entre Trump e Rússia teve problemas

today15 de maio de 2023 7

Fundo
share close

O FBI não tinha evidências reais para começar a investigar a campanha presidencial de Donald Trump em 2016 e confiou demais nas informações fornecidas pelos oponentes políticos de Trump para seguir com a investigação, afirmou o procurador especial dos Estados Unidos, John Durham, em um relatório divulgado na segunda-feira (15), sobre o episódio.

O relatório marca o fim de uma investigação de quatro anos, lançada em maio de 2019, quando o então procurador-geral William Barr nomeou Durham, um promotor veterano, para investigar possíveis erros cometidos pelo FBI quando lançou o inquérito intitulado Crossfire Hurricane (Furacão de Tiroteio, em tradução livre), que iria investigar possíveis contatos. entre os membros da campanha presidencial de Donald Trump em 2016 e a Rússia.

Posteriormente, essa investigação foi delegada ao procurador especial Robert Mueller, que em março de 2019, concluiu que não havia evidências de uma conspiração criminosa entre a campanha de Trump em 2016 e a Rússia.



Em seu novo relatório, de 306 páginas, Durham concluiu que a inteligência e a aplicação da lei dos EUA não possuíam nenhuma “evidência real” de conluio entre a campanha de Trump e a Rússia antes do lançamento do Crossfire Hurricane.

Ele também afirmou que o FBI tratou a investigação de Trump de 2016 de maneira diferente de outras investigações politicamente sensíveis, incluindo várias envolvendo a rival democrata de Trump, Hillary Clinton.

Por exemplo, ele disse que Clinton e outras autoridades receberam briefings defensivos sobre serem possíveis alvos de interferência estrangeira, enquanto Trump não recebeu tal briefing antes de o FBI abrir investigações sobre quatro membros de sua campanha.

“O Departamento e o FBI falharam em cumprir sua importante missão de estrita fidelidade à lei em relação a certos eventos e atividades descritos neste relatório”, afirmou Durham em seu relatório.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

a-rica-herdeira-que-foi-enterrada-viva-pelo-marido-em-crime-que-chocou-india-ha-30-anos

G1 Mundo

A rica herdeira que foi enterrada viva pelo marido em crime que chocou Índia há 30 anos

Por três anos, seu segundo marido, Murali Manohar Mishra — mais conhecido como Swami Shraddhananda — inventou histórias fantásticas sobre seu paradeiro. Em 1994, seus restos mortais foram desenterrados após serem encontrados sob um quintal da luxuosa mansão do casal na cidade de Bengaluru (antiga Bangalore). Shakereh havia sido drogada, colocada em um caixão de madeira e enterrada viva. Em 2003, um tribunal considerou Shraddhananda culpado de assassinato e o […]

today15 de maio de 2023 8

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%