G1 Mundo

Protestos na Geórgia continuam, mesmo após governo retirar controverso projeto de lei

today11 de março de 2023 5

Fundo
share close

O projeto de lei previa classificar como “agentes estrangeiros” as ONGs e veículos de comunicação que tiverem mais de 20% de seu financiamento proveniente de países ou organizações estrangeiras. O texto é acusado pela oposição no país de se inspirar em uma lei usada pela Rússia para reprimir opositores ao regime do Kremlin.

Nesta sexta-feira (10), os manifestantes entrevistados pela RFI estavam orgulhosos por terem feito o governo ceder. Agora, eles exigim a liberação de 133 pessoas detidas após as manifestações de terça e quarta-feira. O objetivo é manter a pressão sobre o partido que está no poder, o Sonho Georgiano.

O Parlamento começou o procedimento para retirar formalmente a lei sobre os “agentes estrangeiros”, na noite de quinta-feira. Mas os manifestantes desconfiam do governo, que já descumpriu promessas no passado.



Os deputados georgianos rejeitaram o projeto de lei durante uma sessão no Parlamento: 35 dos 36 votavam pela retirada do texto em segunda leitura.

O Kremlin e a diplomacia russa afirmaram na sexta-feira que a mão “anti-russa” do Ocidente está por trás dos protestos na Geórgia e disseram que os eventos eram uma tentativa de golpe.

O chefe da diplomacia russa, Sergei Lavrov, disse em entrevista à televisão russa que as manifestações se pareciam com a revolução ucraniana de 2014, conhecida como Maidan, que Moscou considera um golpe orquestrado pelo Ocidente.

“Os acontecimentos na Geórgia são obviamente orquestrados do exterior”, disse numa alusão aos países europeus e aos EUA, acreditando que “a intenção é criar uma revolta nas fronteiras russas”.

O Kremlin havia dito anteriormente que viu “a mão” dos Estados Unidos por trás do “sentimento anti-russo” dos manifestantes georgianos, porque a presidente da Geórgia, Salome Zurabishvili, que apoia os protestos, estava nos Estados Unidos à época.

Ela “se dirige ao seu povo não da Geórgia, mas da América”, martelou o porta-voz da presidência russa, Dmitry Peskov.

Além dessa lei, muitos georgianos estão preocupados ao ver seu governo se afastar de suas aspirações pró-europeias e temem uma reaproximação com a Rússia.

O pequeno país do Cáucaso, de apenas quatro milhões de habitantes, ainda tem marcas da guerra perdida para a Rússia em 2008.

O porta-voz do Kremlin garantiu na sexta-feira que a Rússia “não tem nada a ver” com o controverso projeto de lei, acrescentando que Moscou “não interfere nos assuntos internos da Geórgia“.

A Rússia patrocina duas regiões separatistas na Geórgia, Abkházia e Ossétia do Sul, cuja independência reconheceu após a guerra de 2008.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

atirador-de-hamburgo-foi-membro-das-testemunhas-de-jeova

G1 Mundo

Atirador de Hamburgo foi membro das Testemunhas de Jeová

Andy Grote, secretário do Interior de Hamburgo, informou que, de acordo com a polícia, a oitava vítima é o atirador, que cometeu suicídio após o ataque. Outros seis mortos (quatro homens e duas mulheres) tinham entre 33 anos e 60 anos de idade e um era um feto de sete meses – a mãe sobreviveu. Além disso, oito pessoas ficaram feridas, quatro delas com gravidade, e 20 saíram sem ferimentos. […]

today11 de março de 2023 7

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%