G1 Mundo

Protestos no Peru: entenda a crise política no país, quem são os manifestantes e a escalada da violência

today21 de janeiro de 2023 19

Fundo
share close

Durante a noite, os confrontos ficaram mais sérios. Um incêndio atingiu um prédio perto de uma praça histórica na cidade. Ainda não se sabe se o incêndio tem alguma relação com os protestos.

Os manifestantes pedem mudanças políticas e querem também que haja responsabilização pelas mortes ocorridas durante os atos. Desde dezembro, os confrontos entre os grupos e as forças de segurança deixaram mais de 50 mortos.

Nova presidente do Peru, Dina Boluarte, durante discurso para a população em 12 de dezembro — Foto: REUTERS



Manifestantes pedem a saída da presidente Dina Boluarte, do Peru, na cidade de Ollantaytambo — Foto: Alejandra Orosco/Reuters

Quem são os manifestantes?

Os manifestantes são pessoas que se opõe à atual presidente, Dina Boluarte. Na quinta-feira, muitos deles usavam camisetas contra ela e pediam a renúncia, além de novas eleições.

Muitas pessoas viajaram de regiões mais remotas do Peru até Lima. Parte dos manifestantes tem a mesma origem de Pedro Castillo, o presidente removido do cargo em dezembro: comunidades rurais nas montanhas dos Andes.

Manifestação em Ollantaytambo, no Peru, em 19 de janeiro de 2023 — Foto: Alejandra Orosco/Reuters

Nas regiões do sul do país, onde há mais comunidades rurais, as manifestações começaram pouco depois da queda de Castillo (veja mais abaixo).

A população do Peru é muito dividida entre essas comunidades, mais pobres, e as elites, que estão em grande parte concentradas em Lima.

Quem é Dina Boluarte e como chegou ao poder?

Imagem de Pedro Castillo e Dina Boluarte em novembro de 2022 — Foto: Ernesto Benavides/ AFP

Dina Boluarte chegou ao poder depois que o Congresso aprovou o impeachment de Castillo. Ele foi destituído após uma tentativa de dissolver o Legislativo e decretar estado de exceção e toque de recolher no Peru.

Em julho de 2021, Dina Boluarte havia sido nomeada por Pedro Castillo ministra do Desenvolvimento e Inclusão Social do Governo. Ela renunciou ao cargo em novembro de 2022, após mais de um ano no ministério.

Ela criticou a tentativa de Castillo de fechar o Congresso. Ao assumir, Dina disse que houve uma tentativa de golpe de Estado de Pedro Castillo, e que o Congresso evitou isso.

A nova presidente pediu unidade de todos os peruanos e disse que é preciso conversar e tentar chegar a acordos. Dina anunciou que vai pedir para que o Ministério Público a ajude a tirar “as máfias” do governo e que o gabinete dela terá “todas as forças democráticas”.

No salão do Congresso havia representantes das Forças Armadas, que foram aplaudidos durante o discurso de Dina.

A nova presidente é da cidade de Chalhuanca, e formou-se em direito.

Quem são os apoiadores de Castillo?

Castillo, um socialista, venceu eleições em 2021. O Peru já vivia anos de crises políticas e foi um dos países mais atingidos do mundo pela pandemia de Covid-19.

O presidente do Peru, Pedro Castillo, em traje típico andino, discursa em Juliaca, na região de Puno, durante a campanha eleitoral — Foto: Carlos Mamani/AFP

Castillo era um professor e sindicalista pouco conhecido de uma aldeia andina pobre, e não tinha experiência em cargos eletivos ou vínculos com o establishment de Lima.

Os partidários de Castillo tinham grandes esperanças de que ele pudesse representar mais os peruanos pobres, rurais e indígenas que enfrentaria as elites.

Uma vez no cargo, no entanto, seu apoio caiu. Ele enfrentou escândalos de corrupção, brigas partidárias e oposição no Congresso. Castillo lutou para governar, nomeando cinco primeiros-ministros e mais de 80 ministros durante sua curta presidência.

Ainda assim, Castillo manteve apoiadores, que o veem como uma vítima das elites políticas e de um Congresso amplamente impopular e considerado corrupto. O índice de aprovação de 27% de Castillo em uma pesquisa IPSOS de novembro ainda era superior aos 18% do Congresso.

O que causou os protestos?

As manifestações começaram depois que o Congresso derrubou o presidente Pedro Castillo, no dia 7 de dezembro. Castillo foi preso e condenado a uma pena inicial de 18 meses.

Ainda quando era presidente, ele era investigado em diversos processos. Castillo, então, tentou dissolver o Congresso. Sem apoio do exército, do Judiciário e do Legislativo, ele foi derrubado e preso horas depois.

A vice-presidente, Dina Boluarte, assumiu o cargo.

Onde os protestos mais acontecem?

Até quinta-feira, quando houve a “tomada de Lima”, os protestos ocorriam principalmente no sul do país, que é mais pobre e, politicamente, mais de esquerda que o resto do Peru. As regiões do sul também foram o epicentro e o local da pior violência.

A região majoritariamente indígena esteve durante séculos em desacordo com a capital Lima, mais mestiça e mais branca, que por muito tempo dominou a política nacional. Castillo foi apenas o segundo presidente nascido fora de Lima a ser eleito desde 1956.

Embora a pobreza tenha diminuído nas últimas décadas, persiste uma lacuna nos padrões de vida entre a região e a capital. Apesar da riqueza local de cobre e gás no sul, indicadores como expectativa de vida e mortalidade infantil ficam atrás dos de Lima.

O sul do Peru também abriga destinos turísticos economicamente e culturalmente importantes, como Cusco e Puno.

O que pedem nos protestos?

Os manifestantes querem a renúncia de Boluarte, o fechamento do Congresso, uma nova Constituição e a libertação de Castillo.

Também houve marchas que pedem o fim da agitação política.

Grupos de direitos humanos acusam as autoridades de usar armas de fogo contra os manifestantes e de usar helicópteros para jogar bombas de fumaça.

O exército afirma que os manifestantes usaram armas e explosivos caseiros.

Em 10 de janeiro, a Procuradoria do Peru afirmou que começou a investigar Boluarte e pessoas do governo dela por “genocídio, homicídio qualificado e ferimentos sérios” relacionados à reação aos protestos.

O que está acontecendo nas manifestações?

Os manifestantes bloquearam rodovias, incendiaram prédios e invadiram aeroportos. Isso implicou prejuízos de milhões de dólares e perda de receitas. Os bloqueios interromperam o comércio, suspenderam voos e trouxeram problemas para os turistas.

As forças de segurança responderam com violência. Civis que não estavam protestando ficaram feridos.

A Comissão Interamericana de Direitos Humanos condenou a violência tanto das forças de segurança quanto dos manifestantes e pediu diálogo. Os manifestantes até agora se recusaram a dialogar com Boluarte.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

incendio,-confrontos-com-a-policia-e-protesto-pelo-pais:-veja-fotos-e-video-das-manifestacoes-no-peru

G1 Mundo

Incêndio, confrontos com a polícia e protesto pelo país: veja fotos e vídeo das manifestações no Peru

Os manifestantes pedem a renúncia da presidente Dina Boluarte. Houve confrontos entre eles e os agentes da operação de segurança em massa organizada pelas autoridades para evitar distúrbios e vandalismo. Prédio pega fogo em meio a protestos no Peru Diversas manifestações aconteceram em diferentes cidades do Peru na quinta-feira (19). Os manifestantes pedem a renúncia da presidente Dina Boluarte. Houve confrontos entre eles e os agentes da operação de segurança […]

today21 de janeiro de 2023 20

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%