G1 Mundo

Quem foi Messalina, imperatriz com reputação mais sexual da Roma Antiga

today23 de julho de 2023 10

share close

Mas, mesmo neste mundo de politicagem implacável, mortes suspeitas e conspirações de alto risco, a reputação da imperatriz Valéria Messalina se destaca.

Ela é lembrada não apenas por suas intrigas para se apegar ao poder, mas também, e acima de tudo, por seu apetite sexual.

Tanto que ela apareceu até na enciclopédia de História Natural, a grande obra de Plínio, o Velho (77 dC), como evidência científica de que os humanos são os únicos animais sexualmente “quase insaciáveis”.



Segundo o escritor romano, Messalina demonstrou isso ao competir com “a mais famosa das prostitutas profissionais” para ver quem dormia com mais homens em 24 horas.

“A imperatriz a ultrapassou, após coito contínuo, noite e dia, no vigésimo quinto abraço” (Livro X, cap. 83).

Histórias como essa contribuíram para um retrato de Messalina que dificulta muito a compreensão de como ela realmente era.

No entanto, foi isso que o classicista – estudioso sobre o classicismo – Honor Cargill-Martin, autor de “Messalina: uma história de império, calúnia e adultério” (2023) se propôs a fazer.

Messalina foi a terceira esposa de Cláudio, o imperador que estendeu o domínio romano no norte da África e fez da Grã-Bretanha uma província.

Não se sabe exatamente quando ela nasceu, mas estima-se que quando se casaram ela tinha entre 15 e 18 anos, enquanto ele já se aproximava dos 50.

‘As orgias de Messalina’, pintado em 1867-1868 por Federico Faruffini — Foto: GETTY IMAGES

Apesar de Messalina vir de uma das mais prestigiadas e ricas famílias nobres da época e seu marido fazer parte da família imperial, nada indicava que ela se tornaria imperatriz.

Cláudio era doente, coxo, gago, pouco atraente, mal-educado e grosseiro, o que o tornava mais um embaraço para sua família do que um pretendente ao trono.

Por muito tempo se dedicou a escrever livros de história e permaneceu fora do poder até que seu sobrinho, o imperador Calígula, o nomeou cônsul e senador.

O poder veio inesperadamente após o assassinato de Calígula em 24 de janeiro de 41, quando um soldado descobriu Cláudio tremendo no palácio.

No dia seguinte, ele foi feito imperador pela Guarda Pretoriana (as tropas da casa imperial).

Naquela época, Roma ainda estava se acostumando com uma nova forma de governo.

Cláudio era apenas o quarto imperador da dinastia Júlio-Claudiana, a primeira do Império Romano, que estava no poder desde 27 aC.

Durante a maior parte de sua história antes desse ponto, Roma havia sido uma república, governada por um senado aristocrático e por magistrados eleitos.

Mas depois de meio século de guerra civil entre Júlio César e Pompeu, o Grande, Augusto chegou oferecendo paz, prosperidade e estabilidade em troca de poder autocrático.

Cláudio governou do ano 41, até sua morte em 54 — Foto: GETTY IMAGES

A política deixou de ser feita em assembleias e fóruns públicos para ser praticada na intimidade da corte imperial.

A partir de então, o que realmente importava não era a posição de alguém no Senado, mas sua proximidade com o imperador.

E a pessoa mais próxima ao imperador no trono é a imperatriz sentada ao lado dele.

Mas se Messalina aprendeu alguma coisa com sua experiência na corte de Calígula, foi que, embora a proximidade com o imperador pudesse dar a qualquer romano poder e oportunidade, também colocava sua vida em risco.

A política na corte romana era brutal.

“Havia muito em jogo: se você era o imperador, sabia que a única forma de deixar de ser era morrendo”, explicou Cargill-Martin à BBC HistoryExtra.

“É por isso que eles se agarravam ao poder, porque, se vacilassem, provavelmente seriam mortos”, acrescentou.

“Cláudio e Messalina estavam muito, muito cientes dos perigos imediatos de sua posição, pois haviam literalmente visto seus predecessores despedaçados no palácio imperial.”

“Calígula foi morto de maneira tão selvagem que houve rumores de que as pessoas comeram pedaços de sua carne.”

“E junto com ele, mataram sua esposa e filha porque eram vistas como ameaças potenciais no futuro”, enfatizou o especialista.

Quando tudo isso aconteceu, os futuros regentes tinham uma filha quase da mesma idade que a de Calígula, e Messalina estava grávida de 8 meses de seu filho e herdeiro Britânico.

Estátua de mármore de Messalina segurando Britânico, século I dC — Foto: GETTY IMAGES

“É por isso que acho que Messalina, desde o primeiro dia no poder, sabia que tinha que fazer absolutamente tudo o que podia para se manter no controle, e essa força motriz continuou durante todo o seu reinado.”

Por quase uma década, ela foi provavelmente a mulher mais poderosa do Mediterrâneo.

Ela estava no topo da perigosa corte imperial, sempre disposta e capaz de fazer quase qualquer coisa para manter a sua posição.

Ela se envolveu em intrigas políticas, fazendo com que seus inimigos políticos fossem exilados ou executados.

E ela navegou naquele campo minado com muito sucesso até o final do ano 48 DC. quando, em circunstâncias muito misteriosas e dramáticas, ela foi assassinada.

Messalina descendo as escadas na ópera “Messalina” de Isidoro de Lara. Pintura de Henri de Toulouse-Lautrec — Foto: GETTY IMAGES

Após a sua morte, ela foi submetida a uma ordem de damnatio memoriae (condenação da memória), então tudo que se referia a ela foi apagado, suas estátuas, quebradas e seu nome, riscado das inscrições.

Nas décadas que se seguiram, aquele vácuo da história oficial se encheu de boatos que forjavam a fama que tornaria seu nome sinônimo de pessoa pervertida e sexualmente voraz.

Descrita como bela, de cabelos negros como azeviche, quadris sensuais e um sorriso que apaixonaria qualquer homem, ela foi protagonista de escritos como o do poeta Décimo Junio ​​Juvenal dos séculos 1 e 2, que em uma de suas sátiras a chamou de “prostituta imperial”.

O autor conta em detalhes que, assim que o marido adormeceu, ela saiu do palácio com uma peruca loira para esconder sua identidade e foi para um bordel “porque preferia uma cama barata a uma cama de verdade”.

Lá, ela dormiu “nua e com seus mamilos dourados” com clientes até que o cafetão a obrigou a sair, “exausta, mas não saciada”.

Durante séculos, sua alegada promiscuidade e libertinagem sexual continuaram a inspirar romances, óperas e filmes.

“Companhia em um bordel” (Messalina e Gaius Silius), de Nicolaes Knüpfer, 1655 — Foto: GETTY IMAGES

“Depois de sua morte, ela se tornou um símbolo de sexualidade descontrolada, e quase todas as histórias sobre suas ações políticas estão incluídas nessa narrativa de Messalina como ninfomaníaca”, disse Cargill-Martin.

“Mas se formos fundo e realmente olharmos para as decisões políticas que ela toma, acho que fica muito claro que a grande maioria visa evitar qualquer ameaça potencial ao poder dela ou de seu marido, porque ela sabe que sua fortuna e a fortuna de seus filhos são completamente entrelaçados para a contínua supremacia de Cláudio”.

Messalina não é a única mulher cuja memória foi distorcida pelos historiadores da Roma Antiga, mas o classicista aponta que nenhuma outra “tem uma fama tão complexa como ela. Ela é muito excepcional”.

“Ela se tornou o arquétipo da mulher má no sentido sexual.”

“Mas acho importante notar que esta não é a única maneira de caluniar mulheres poderosas em Roma; existem outras opções possíveis.”

“Por exemplo, a sucessora de Messalina, Agrippina, também é retratada como um tipo muito perigoso de mulher ‘má’, mas de maneira quase exatamente oposta.”

“Messalina aparece como uma figura hiperapaixonada e irracional, transgressora no sentido de que ela é quase feminina demais em um espaço político que deveria ser masculino.”

“Já a Agrippina se apresenta como uma transgressora porque se comporta de uma maneira inerentemente muito masculina: muito racional, muito ambiciosa.”

Cartaz do filme italiano “Messalina” de 1951, que a descreve como “a imperatriz do amor na era do pecado” — Foto: GETTY IMAGES

Mas nem tudo o que foi dito sobre ela era mentira.

“Embora os historiadores romanos gostassem de criar personagens arquetípicos, e Messalina fosse o epítome da sexualidade descontrolada, não acho que possamos fugir totalmente da ideia de que ela era uma pessoa muito sexual e adúltera.”

Além desses rumores bizarros, como o descrito por Juvenal, havia outros mais plausíveis, observou Cargill-Martin.

É bem possível, concluiu ele, que ela tivesse tido casos extraconjugais com homens como Mnester, a maior estrela do palco da época, e também com Gaius Silius, considerado o aristocrata mais bonito de toda Roma.

Diziam que por causa deste último ela enlouqueceu, não escondeu sua paixão e quis ir mais longe do que com qualquer outro amante.

“E assim, no final do ano 48, vemos um acontecimento incrivelmente dramático que termina com a morte de Messalina.”

“Conforme relatado nas fontes, Cláudio partiu em uma viagem para a cidade portuária de Ostia, e Messalina e Gaius Silius, desesperadamente apaixonado, decidiu se casar com ela enquanto o imperador estava fora, e então deu um golpe e tomou o trono de Roma“, conta o autor.

O surpreendente episódio foi narrado por vários historiadores romanos, como Tácito, que o relatou, estupefato, nos Anais, 11.26:

“Sei que vai parecer incrível que, em uma cidade tão vigilante como Roma, alguém possa se sentir tão seguro.”

“Muito mais, que em um dia determinado, com a presença de testemunhas, um cônsul designado e a esposa do imperador se reuniram para o propósito declarado de um casamento legítimo. Que a mulher ouça as palavras dos auspícios, assuma o véu, realize o sacrifício para os céus. Que ambos jantem com os convidados, se beijem e se abracem e, finalmente, passem a noite na certidão de casamento.”

“Mas não acrescentei nenhum toque de fantasia: tudo o que registrei foi o testemunho oral ou escrito de meus mais velhos.”

Como esperado, eles contaram a Cláudio, que voltou correndo para Roma.

O escravo liberto Narciso, ex-aliado de Messalina e conselheiro do imperador, tomou as rédeas da situação.

Em questão de horas, Silius e outros oito “romanos ilustres” que haviam sido amantes da imperatriz, incluindo Mnester, foram presos, julgados e executados.

Quando Messalina tentou falar com o marido, Narciso a impediu; e quando Cláudio ordenou que o julgamento de sua esposa ocorresse no dia seguinte, temendo que César se apaixonasse por ela novamente e a perdoasse, o liberto enviou centuriões para matá-la.

Se refugiando nos seus jardins em Roma e compreendendo que não tinha saída, à chegada dos seus carrascos, Messalina tentou se suicidar, mas precisou da ajuda de um deles, que lhe enfiou a espada no peito.

Para Cargill-Martin, essa história é altamente duvidosa, por vários motivos.

“Não há nenhuma evidência real de que Messalina e Silius tentaram armar um golpe contra Cláudio. E eu acho que se você está tomando a decisão de se casar de forma bígama com seu amante enquanto seu marido, o imperador do mundo conhecido, não está tão longe, você teria um plano para o que fazer a seguir”, disse ele.

Além disso, ressaltou, Messalina não tinha motivos para fazer algo assim.

“Isso não apenas não melhoraria sua posição de forma alguma, mas também colocaria seus filhos em perigo muito mais significativo do que estariam se Cláudio permanecesse no poder.”

“Acho que o que realmente é o curso mais provável dos eventos é que foi de fato um golpe, mas contra Messalina, planejado por seus antigos aliados dentro da casa imperial, que começaram a vê-la como uma ameaça ao seu status quo.”

“E a coisa toda foi essencialmente projetada por Narciso para se livrar dela, o que ele fez de forma muito eficaz.”

Depois que Messalina foi assassinada em seu jardim em Roma e Cláudio recebeu a notícia de que ela estava morta, ele supostamente não pediu nenhuma explicação… apenas pediu outra taça de vinho.

*Se quiser ouvir a entrevista completa (em inglês) com o classicista Honor Cargill-Martin no BBC HistoryExtra, clique aqui.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

G1 Mundo

Eleição na Espanha: por que conquistar eleitores latinos é cada vez mais importante

Não são eventos de campanha na América Latina, mas sim na Espanha, onde ocorrerão eleições gerais neste domingo (23/7) e onde não era habitual ver campanhas como essa nas quais o latino é tão claramente disputado. Mas nos últimos anos a importância desse grupo cresceu. Isso é confirmado por Laura Morales, professora de ciência política no Instituto de Estudos Políticos de Paris. Desde o início dos anos 2000, ela estuda o comportamento eleitoral dos migrantes na Espanha e viu como […]

today23 de julho de 2023 6

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%