G1 Mundo

Regime cubano tenta aplacar a ira da população com caminhões de comida

today20 de março de 2024 6

Fundo
share close

Desta vez, porém, o regime reagiu rapidamente para conter as demandas da população e sufocar os gritos de “fome”, “eletricidade” e “pátria e vida”: no dia seguinte, enviou caminhões com alimentos a Santiago de Cuba, o epicentro dos protestos. O presidente Miguel Díaz-Canel se disse pronto para atender “às reclamações do povo, ouvir, dialogar e explicar os esforços realizados para melhorar a situação”.

Difícil será apaziguar os cubanos sobre o aumento de mais de 500% no preço do combustível em março, a inflação galopante e a crise econômica que desvaloriza o salário a tal ponto de valer menos do que uma caixa de ovos. Cerca de 70% dos aposentados vivem com pensões equivalentes a US$ 5 mensais (R$ 25), e os apagões afetam mais da metade da ilha e duram até 12 horas por dia.

Díaz-Canel culpou, como o esperado, os “inimigos da Revolução”, instalados em Miami, por incitarem os protestos. Artistas como Alejandro Sanz, Yotuel, Aymée Nuviola e Carlos Mussola gravaram vídeos, incentivando as manifestações e pregando o fim do regime.



“Cuba está nas ruas. A Revolução é um fracasso e vocês se fazem de cegos em benefício próprio. Nada presta na sua asquerosa Revolução, nem o sistema de saúde, nem a educação, nem a alimentação”, escreveu o músico Randy Malcom, da banda Zona de Gente.

No mês passado, o então ministro da Economia, Alejandro Gil Fernández, foi demitido pelo presidente e serviu como bode expiatório, por tentar implementar reformas impopulares, como o aumento dos preços para conter o déficit fiscal. O regime, no entanto, atribuiu a saída a graves erros e ao início de uma investigação sobre corrupção, sem especificar as irregularidades cometidas pelo ministro.

Os argumentos de Díaz-Canel, que atribui os protestos à ação de terroristas de Miami e ao bloqueio econômico, se enfraquecem no cotidiano e na irritação dos cubanos. Como nos protestos de 2021, os de agora começaram também num domingo.

“Você não precisa de nenhum ‘plano da CIA’ ou de seguir o conselho de qualquer influenciador para explodir de raiva aos domingos. Basta saber que há muitos anos o domingo é o pior dia da semana para os cubanos”, afirmou o escritor Ernesto Perez Chang, em artigo no site de notícias Cubanet.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

daniel-alves:-advogada-da-vitima-diz-que-vai-recorrer-de-liberdade-condicional-ao-ex-jogador

G1 Mundo

Daniel Alves: advogada da vítima diz que vai recorrer de liberdade condicional ao ex-jogador

"Está sendo feita justiça para os ricos", afirmou a advogada Ester García, que representa a denunciante, em entrevista à rádio catalã RAC 1. García se disse ainda "surpresa e indignada" com a decisão desta quarta. Em sentença publicada nesta manhã, os juízes da Audiência Provincial de Barcelona -- a instância mais alta da Justiça da cidade -- aceitaram deixar Alves em liberdade provisória sob fiança de 1 milhão de euros […]

today20 de março de 2024 7

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%