G1 Mundo

Risco de erupção em cidade esvaziada na Islândia diminui, mas estragos ainda impedem a volta dos moradores

today28 de novembro de 2023 10

Fundo
share close

Veja abaixo uma galeria de fotos de como ficou a cidade.

A razão para isso fica evidente quando se chega ao centro de Grindavik. A enorme rachadura que atravessa a cidade de 3,3 mil habitantes atingiu casas e destruiu tubulações. E, mesmo que a lava não escorra por lá, outros tremores podem deformar ainda mais o solo – ou seja, causar mais rachaduras no chão e, portanto, mais estragos na infraestrutura.

A defesa civil islandesa então estabeleceu bloqueios extremamente rígidos contra a entrada de pessoas na área – mesmo moradores precisam seguir protocolos para buscar as coisas em casa.



Grindavik foi totalmente evacuada há quase três semanas depois que uma série de terremotos quase ininterruptos deixou claro o risco de uma erupção nos arredores da cidade.

O povoado fica bem em uma das regiões com maior atividade sísmica da Islândia – a península de Reykjanes. Por ali passa o encontro de duas placas tectônicas: a da América do Norte e a da Europa.

Logo depois da evacuação de Grindavik, os habitantes tinham de esperar que a defesa civil permitisse que, escoltados, passassem em suas casas para buscar pertences. E isso não acontecia todos os dias.

A equipe da TV Globo visitou o povoado duas vezes na última semana. Na primeira, tivemos de esperar uma autorização que só veio com uma hora de antecedência até o horário em que um ônibus sairia de um centro de imprensa perto da capital, Reykjavik, com outros profissionais de jornais, emissoras e agências internacionais. E todas essas equipes tinham de ficar juntas.

Na segunda visita, no sábado, o risco de uma erupção repentina dentro da cidade tinha diminuído. Assim, as autoridades islandesas permitiram a abertura de Grindavik apenas nos horários em que há claridade no escuro outono da Islândia – das 11h às 16h.

A escolta não era mais necessária, mas mesmo assim a equipe precisou passar por um bloqueio e comprovar que era um time de jornalistas – e não de turistas curiosos. Ao chegar no centro de Grindavik, um drone da polícia islandesa nos acompanhou até que comprovássemos, mais uma vez, nosso trabalho.

E nas duas visitas, o mesmo cenário: uma cidade fantasma. Alguns moradores chegaram a deixar Grindavik sem que apagassem as luzes de casa. Uma evacuação rápida, em que mal houve tempo de recuperar os pertences.

A população foi retirada da cidade porque havia risco de atividade vulcânica

Não é como se Grindavik não fosse acostumada às intempéries. Além dos terremotos – que por si já deixam a cidade vulnerável aos estragos – fortes tempestades atingem a península de Reykjanes com frequência. Quando nossa equipe visitou Grindavik, as rajadas chegavam a quase 100 km/h.

Mas por que então as pessoas viviam lá?

Grindavik nasceu há mais de um milênio dedicada à principal fonte de proteína na alimentação islandesa: a pesca. Mas foi só recentemente que o vilarejo cresceu, graças em grande parte a outra atividade econômica crucial para a Islândia: o turismo.

A seis quilômetros de onde abriu-se uma rachadura, fica a Blue Lagoon, o resort de águas termais azuis que se transformou num dos maiores chamarizes para o turismo na Islândia.

Dentro da área de risco, a Blue Lagoon foi fechada. Para tentar salvar a atração de uma eventual explosão de lava, o governo islandês começou a construir uma barreira de terra e pedra ao redor do local.

E também perto de Grindavik, a dez minutos de carro, fica o vulcão Fjagradalsfjall, que tem entrado em erupção a cada ano desde 2021. Como a cratera fica em uma área segura e a defesa civil consegue monitorar o tamanho das erupções, a montanha virou uma atração turística – que o próprio governo da Islândia lamentou ter de fechar com os terremotos deste último mês.

Em entrevista à TV Globo, a ministra de Cultura e Negócios da Islândia, Lilja Dögg Alfreðsdóttir, reconheceu que as novas crateras abertas compõem sim um ativo turístico – tanto que turistas têm sido barrados a cada vez que tentam entrar na área isolada.

“A cratera é sem dúvida muito interessante, mas nossa prioridade é resguardar os moradores”, disse a ministra.

O governo islandês até admite que a cratera em Grindavik possa – num futuro bem próximo, com a cidade fora de perigo – se converter em mais uma atração turística na península de Reykjanes. Afinal, são apenas 43 quilômetros que separam o povoado do maior aeroporto da Islândia.

Enquanto isso não acontece, os moradores de Grindavik seguem em compasso de espera, em casas, hotéis e outras moradias temporárias. Sem previsão de volta.

E, mesmo com a ajuda do governo para custear as despesas, as preocupações estão no ar: seguro das moradias, adaptação dos filhos à escola nova, perdas do comércio local e todos os outros problemas decorrentes da mudança às pressas.

Porém, um dos símbolos da Islândia – que estampa de camisetas a canecas em lojas de souvenir – é a expressão que traduz o otimismo dos islandeses: þetta reddast. O equivalente ao nosso ‘no fim, tudo se ajeita’.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

suspeito-de-envolvimento-na-morte-de-empresario-em-praia-grande-se-entrega-a-policia-em-jundiai

G1 Santos

Suspeito de envolvimento na morte de empresário em Praia Grande se entrega à polícia em Jundiaí

Segundo a Polícia Militar de Jundiaí, o homem soube que havia um mandado de prisão temporária expedido pela Justiça contra ele e se entregou a uma equipe da Força Tática da cidade, durante patrulhamento. O homem foi encaminhado ao plantão policial e permanece preso. Segundo uma das testemunhas, o atirador apareceu na janela da vítima e disse: 'toma'. Na sequência, deu os três tiros no tórax do homem. O Serviço […]

today28 de novembro de 2023 1

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%