G1 Mundo

Saiba por que colombianos são ligados a assassinatos do candidato do Equador e do presidente do Haiti

today17 de agosto de 2023 6

Fundo
share close

No dia 9 de agosto, Fernando Villavicencio, de 59 anos, um candidato à presidência do Equador, foi assassinado com tiros na cabeça. A polícia matou um dos suspeitos e prendeu outros seis e revelou que todos eles são da Colômbia. Eles já foram condenados por crimes em seu próprio país –inclusive por crimes graves, como homicídio e tráfico de armas.

Essa não foi a primeira vez que colombianos estiveram envolvidos em crimes contra políticos de outros países: em julho de 2021, no Haiti, 17 ex-militares da Colômbia invadiram a residência do então presidente Jovenel Moise e o assassinaram diante de sua esposa.

A presença de colombianos em crimes contra políticos de outros países não é uma coincidência, segundo pesquisadores que estudam a Colômbia.



O país teve décadas de conflitos com diversos grupos, e uma parte deles se especializou e passou a atuar fora do país.

Especialização e exportação

Mesmo antes da morte de Moise, sabe-se que havia ex-militares colombianos no Iêmen, Síria, Iraque, Afeganistão e Emirados Árabes. Nesses locais, eles protegiam construções para empresas de segurança polêmicas, como a americana Blackwater, extinta. Alguns os chamam de mercenários.

Jorge Mantilla, um pesquisador colombiano especializado em conflito e crime organizado, que deu uma entrevista à agência AFP em que afirmou que o crime organizado na Colômbia se especializou e expandiu sua presença pelo continente, segundo ele.

Para Mantilla, os crimes no Equador e no Haiti mostram que a especialização de criminosos colombianos é fruto do conflito armado de seis décadas entre diversos grupos diferentes:

  • Guerrilheiros,
  • Paramilitares,
  • Traficantes de drogas e
  • Forças públicas.

A Colômbia tem uma história de períodos muito com muitos crimes desde meados do século 20. O período entre 1948 e 1958 foi marcado por uma onda de violência política e conflitos armados entre diferentes grupos e facções, com um grande número de mortes. Essa era é conhecida como “La Violência.”

Grupos de traficantes com presença internacional

Joana das Flores Duarte, professora da Universidade Federal de São Paulo, afirma que a presença dos grupos colombianos está ligada ao mercado global de drogas, principalmente de cocaína, um negócio que conta com grupos de diversas nacionalidades, inclusive brasileira.

Ela afirma que a origem dessa especialização de colombianos é resultado de uma cooperação entre grupos criminosos de países como Itália, Holanda, Estados Unidos e Brasil. Ela também diz que a política de guerra às drogas, patrocinada pelos americanos, acabou por tornar esse mercado mais violento.

Ou seja: grupos criminosos da Colômbia já têm alguma experiência em atuar em outros países.

Duarte diz ainda que há uma relação entre o aumento da violência e a precarização socioeconômica. “A alta taxa de desemprego, informalidade, destituição de direitos e falta de acesso a serviços básicos contribuem para a insegurança e a violência. Muitas pessoas ingressam em grupos criminosos por necessidade material, o que cria uma complexa teia de interações entre as questões sociais e as dinâmicas criminosas.”




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

qual-o-preco-do-racismo?-a-proposta-da-california-de-indenizar-cada-descendente-de-escravizados-com-us$-1,2-milhao

G1 Mundo

Qual o preço do racismo? A proposta da Califórnia de indenizar cada descendente de escravizados com US$ 1,2 milhão

"Voltamos e vimos que a casa de um vizinho não existia mais, havia apenas ruínas queimadas", diz Pearl Taylor Devers. A cidade de Palm Springs começou a demolir o bairro de maioria negra dos Taylors em 1965 para abrir caminho para o desenvolvimento comercial próximo ao centro da cidade. O pai de Alvin e Pearl, que era carpinteiro, havia construído sua modesta casa do zero. Sua mãe trabalhava limpando casas […]

today17 de agosto de 2023 10

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%