G1 Mundo

Síria que vive em SP volta ao Brasil e reencontra marido após terremoto: ‘Tive medo de morrer lá com minhas filhas’

today8 de fevereiro de 2023 23

Fundo
share close

As três passaram 40 dias na Síria, que está em guerra há 11 anos, para visitar o pai de Ghazal e avô de Yara Altinawi, 17 anos, e Sara Altinawi, 9 anos.

O patriarca está muito doente, mas o drama da família ficou ainda maior. Elas estavam a caminho de Istambul, na Turquia, de onde partem os voos para o Brasil, quando um terremoto de magnitude 7,8 as surpreendeu. Até agora, foram mais de 7 mil mortos nos dois países do Oriente Médio.

Na Síria, são comuns os tremores de terra, porém bem mais fracos, com magnitude por volta de 3.



“Eu nunca senti tanto medo”, conta Yara. “No primeiro tremor, estava dormindo. Mal deitei na cama, começou o terremoto, não sabíamos o que fazer, minha mãe começou a chorar.”

Elas conseguiram embarcar de volta para encontrar o marido e o irmão mais velho, que ficaram em São Paulo, nesta terça-feira (7), após passarem mais de 20 horas no aeroporto turco e encararem a neve e temperatura negativa.

“Até agora não falei para minha filha mais nova o que aconteceu. Ela pergunta, mas eu não respondo. Ela só me viu chorando”, conta a mãe, enquanto a pequena abraça o pai e o irmão, já no terminal internacional de Guarulhos.

“A primeira coisa é: graças a Deus, voltamos, depois de três dias muito difíceis. Foram vários tremores, tive muito medo de morrer lá sozinha com as minhas duas filhas”, diz Ghazal, preocupada em falar de novo com a família que ficou na Síria –ela estava há 15 horas no avião sem ter notícia deles.

Em São Paulo, o marido e pai das duas meninas, Talal Altinawi, de 50 anos, e o irmão delas, Riad Altinawi, de 20 anos, tentavam notícias das duas sem sucesso, em meio às manchetes sobre a devastação e os milhares de mortos.

“Caiu a energia, a internet, tudo lá. Ficamos muito preocupados. Já estava difícil de elas chegarem no aeroporto por causa da neve, que tinha mais de um metro. Aí veio o terremoto”, relembra Talal.

Para o irmão, Riad, a palavra que resume os últimos dias é angústia. “A gente via vídeos de prédios caindo, pessoas gritando e passava pela cabeça que estava acontecendo isso com elas. Será que elas vão aparecer em um vídeo? Passou pela cabeça a sensação de: ‘Elas podem nunca mais voltar'”, lembra.

A angústia durou 1h30 até saberem que as três estavam vivas. “Quando conseguimos, choramos muito, Ghazal estava muito nervosa”, conta Talal.

Agora saber que elas chegaram, segue Riad, “que estão aqui, dá um alívio”, comemora o irmão o reencontro da família, em meio, enfim, ao abraço.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

joe-biden-foca-em-assuntos-domesticos-em-seu-2o-discurso-ao-estado-da-uniao

G1 Mundo

Joe Biden foca em assuntos domésticos em seu 2º discurso ao Estado da União

Logo no início do discurso, o democrata pediu aos membros do Partido Republicano que trabalhem com ele para “terminar o trabalho” de reconstruir a economia e unir a nação. "Muitas vezes nos dizem que democratas e republicanos não podem trabalhar juntos. Mas nos últimos dois anos, provamos que os cínicos e os pessimistas estavam errados. Sim, nós discordamos bastante. (...) Mas, repetidamente, democratas e republicanos se uniram", afirmou Biden. Desentendimento […]

today8 de fevereiro de 2023 14

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%