G1 Mundo

Soldados russos torturaram até a morte e estupraram mulheres na Ucrânia, diz investigação da ONU

today25 de setembro de 2023 13

Fundo
share close

Soldados russos que lutam na guerra da Ucrânia torturaram civis ucranianos de forma tão brutal que alguns deles morreram, e ainda forçaram famílias a ouvir enquanto estupravam mulheres, com idades de 19 a 83 anos.

As acusações foram feitas nesta segunda-feira (25) por responsáveis por uma investigação da Organização das Nações Unidas (ONU) aberta para apurar o comportamento de militares da Rússia com cidadãos ucranianos.

O presidente da Comissão de Inquérito sobre a Ucrânia da ONU, Erik Møse, afirmou nesta segunda que sua equipe de investigação “recolheu provas que indicam que o uso da tortura pelas forças armadas russas em áreas sob o seu controlo tem sido generalizado e sistemático”.



“Em alguns casos, a tortura foi infligida com tal brutalidade que causou a morte da vítima”, disse ele. “Além disso, soldados russos estupraram e cometeram violência sexual contra mulheres com idades entre 19 e 83 anos” nas partes ocupadas da província de Kherson, disse ele.

Em alguns desses casos, acrescentou Møse, a família das vítimas era mantida em casas vizinhas e forçada a ouvir as violações.

Neste novo caso, no entanto, a comissão da ONU afirmou que as violações podem constituir crimes contra a humanidade.

Investigadores da ONU disseram que ainda não conseguiram quantificar os crimes, mas afirmaram que eles ocorreram principalmente em Kherson e Zaporizhzhia mas também em cidades de diferentes regiões da Ucrânias, “próximas e distantes das linhas de batalha”.

A Rússia não havia se posicionado sobre o relatório da ONU até a última atualização desta reportagem, mas nega ter cometido crimes contra civis na Ucrânia – o Kremlin sempre alega atacar apenas alvos militares.

Comissão independente da ONU denuncia tortura na Ucrânia

Comissão independente da ONU denuncia tortura na Ucrânia

Segundo os investigadores, a maioria dos crimes foi cometida contra pessoas suspeitas de serem informadores do governo ucraniano.

O órgão da ONU também encontrou “alguns casos” de violações cometidas pelas forças ucranianas, disse Møse. Esses casos, afirmou, ocorreram através de ataques indiscriminados e maus-tratos a detidos russos, por parte de soldados da Ucrânia.

Kiev já afirmou que verifica todas as informações sobre o tratamento de prisioneiros de guerra e que investigará a denúncia para, se for o caso, tomar as medidas legais apropriadas.

A comissão da ONU foi criada em março de 2022 e, desde então, os investigadores visitaram dezenas de vezes a Ucrânia e entrevistaram centenas de pessoas.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%