Gospel Prime

STF forma maioria para tornar Magno Malta réu por calúnia

today23 de setembro de 2022 9

Fundo
share close

Os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) formaram maioria nesta sexta-feira (23) para tornar réu o ex-senador Magno Malta pelo crime de calúnia contra o ministro Luís Roberto Barroso.

Malta foi intimado a prestar esclarecimentos depois de acusar o ministro Barroso de bater em mulher e que poderia provar. A fala se deu durante sua participação em um evento em Campinas, São Paulo, realizado no último final de semana.

O ministro Luís Roberto Barroso apresentou queixa-crime na Corte, em que pedia a abertura de uma ação penal contra o ex-senador Magno Malta (PL-ES) por calúnia.

“Barroso, quando ele é sabatinado [no Senado], a gente descobre que ele tem dois processos no STJ, na Lei Maria da Penha, por espancamento de mulher. Além de tudo, o Barroso bate em mulher”, disse Malta.

A relatoria da queixa-crime ficou a cargo do ministro Alexandre de Moraes, que deve analisar a acusação contra o ex-senador. Moraes estabeleceu o prazo de 15 dias para que o ex-senador explique sua fala contra o ministro.



O crime de calúnia, do qual Magno Malta é acusado, consiste em atribuir falsamente a alguém um crime.

Em julho, ao apresentar defesa preliminar no caso, os advogados de Malta argumentaram que não havia indícios de crime ou de intenção de cometer o delito. Lembraram, também, questões processuais para pedir o arquivamento da queixa-crime.

Votos dos ministros

O relator Alexandre de Moraes votou por tornar Magno Malta réu, acusando o ex-senador de extrapolar a liberdade de expressão. O ministro disse que a liberdade de expressão não é “liberdade de propagação de discursos mentirosos, agressivos, de ódio e preconceituosos”.

“A Constituição Federal consagra o binômio ‘liberdade e responsabilidade’; não permitindo de maneira irresponsável a efetivação de abuso no exercício de um direito constitucionalmente consagrado; não permitindo a utilização da liberdade de expressão como escudo protetivo para a prática de discursos de ódio, antidemocráticos, ameaças, agressões, infrações penais e toda a sorte de atividades ilícitas”, escreveu Moraes no voto.

“A conduta dolosa do denunciado [Malta] descrita pelo querelante [Barroso] consistiu em sua vontade livre e consciente de imputar falsamente a magistrado desta Corte fato definido como crime, qual seja, a lesão corporal contra mulheres, no âmbito da violência doméstica”, acrescentou.

Até a última atualização desta reportagem, os seguintes ministros já haviam votado e acompanhado o voto de Moraes: Luiz Edson Fachin, Ricardo Lewandowski, Cármen Lúcia, Dias Toffoli e Rosa Weber.




Todos os créditos desta notícia pertecem a Gospel Prime.

Por: Redacao

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

boeuf-bourguignon-e-um-prato-frances-de-carne-ensopada-no-vinho-tinto-e-que-surgiu-na-regiao-da-borgonha;-aprenda

G1 Santos

Boeuf bourguignon é um prato francês de carne ensopada no vinho tinto e que surgiu na região da Borgonha; aprenda

O boeuf bourguignon é um prato clássico francês feito com carne ensopada no vinho tinto. Ele foi criado na região da Borgonha, no centro-leste da França. O chef de cozinha Marcos Schwingel é natural de Guaíra, no Paraná, mas atualmente trabalha em um restaurante de uma marina em São Vicente, no litoral de São Paulo. O chef estudou e atuou em um hotel na Borgonha. Segundo Schwingel, o boeuf bourguignon […]

today23 de setembro de 2022 35

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%