G1 Mundo

‘Temos medo de sermos deportados por protestar na universidade contra guerra em Gaza’, dizem estudantes nos EUA

today27 de abril de 2024 8

Fundo
share close

Mas Alejandra e Mario, estudantes da Universidade de Columbia, em Nova York, e ativistas a favor da causa palestina, decidiram abandonar as manifestações.

Eles têm medo de que o seu maior sonho, o de estudar em uma das melhores universidades do mundo, desapareça porque estão em uma das manifestações.

Alejandra e Mario nasceram no México, mas viveram quase toda a vida nos EUA. Atravessaram a fronteira quando eram crianças e desde então não podem sair do país: são indocumentados, mas podem levar uma vida quase normal nos Estados Unidos.



Ambos vêm de famílias de baixa renda, com mães solteiras que realmente lutaram para sobreviver.

Mas isso não impediu que estudassem na Columbia, graças às bolsas que pagam não só a mensalidade de US$ 90 mil por ano, mas também o custo de vida lá. E não exigem documentação que comprove sua situação imigratória no país.

Mas isso poderia mudar se a polícia os prender por participarem dos protestos.

A polícia de Nova York prendeu vários estudantes pela sua participação em protestos a favor da causa palestina — Foto: Getty Images/via BBC

‘Temos até medo de ficar perto do acampamento’

Alejandra e Mario não são seus nomes verdadeiros, mas ao falarem com a BBC Mundo os dois estudantes preferiram não se identificar por medo de represálias.

Alejandra, de 21 anos, estuda Religião e Ciência Política. Mario, de 22 anos, estuda Astrofísica.

Após a incursão do Hamas em território israelense em 7 de outubro e a subsequente guerra em Gaza, estes dois amigos se juntaram aos protestos e participaram do acampamento que se formou no campus de sua faculdade para condenar a resposta de Israel, que consideram desproporcional.

O ataque do Hamas matou pelo menos 1.200 pessoas – a maioria civis – e levou outras 253 para Gaza como reféns. Dezenas deles permanecem em cativeiro.

Esse ataque desencadeou uma guerra em Gaza, durante a qual mais de 34 mil pessoas foram mortas pela resposta militar israelense, segundo o Ministério da Saúde palestino controlado pelo Hamas.

Os ativistas protestam, entre outras coisas, contra o apoio dos EUA a Israel e a relação da universidade com empresas ligadas ao setor militar.

Há uma semana, quando os protestos se intensificaram e após a dura resposta da direção universitária para desmobilizar os ativistas, eles decidiram não participar mais do movimento porque têm medo de serem presos e deportados.

As autoridades escolares chamaram a polícia e mais de 100 manifestantes foram presos em 18 de abril por acamparem sem permissão.

Mais tarde, os manifestantes regressaram à zona com mais tendas e faixas, num claro gesto de desafio que se espalhou por outras universidades do país.

“É muito perigoso, temos até medo de estar perto do acampamento, embora queiramos apoiá-los. É até perigoso levar comida, cobertores, carregador para o telefone, o que quer que seja, para eles”, diz Alejandra.

“A culpa não é de quem protesta, não está fazendo nada, mas é a administração universitária que nos assusta tanto”, afirma.

Mário conta que os alunos suspensos de uma das faculdades foram expulsos das residências universitárias e tiveram apenas 15 minutos para pegarem suas coisas. A informação foi noticiada na terça-feira (23/4) pelo jornal estudantil Columbia Spectator.

“Se eles me suspenderem, eu não teria para onde ir e não conseguiria um emprego para pagar as contas. E se eles não me deixassem voltar para Columbia, seria muito difícil encontrar outra escola onde eu pudesse terminar minha graduação e que me pagasse bem como me pagam agora”, diz Alejandra.

“Conversei com minha mãe e ela me disse para não me envolver porque se eu for presa, a primeira coisa que vai acontecer comigo é que vão me deportar”, diz ela.

“Nem nossos amigos vão nos deixar ir, porque aí a polícia te intercepta para verificar sua mochila, e se te achar suspeito te levam para a delegacia. Se isso acontecer comigo, eles vão me deportar também”, acrescenta Mário.

“Faz uma semana que não vou às bibliotecas porque tenho que passear pelo acampamento”, diz ela.

“Também não quero ser parado, porque é assustador”, diz Mario.

‘Não podemos expressar nossas ideias’

A Casa Branca disse na quarta-feira (24/4) que o presidente dos EUA, Joe Biden, apoia a liberdade de expressão nos campi, mas esses estudantes acreditam que tal coisa não existe hoje em Columbia.

“Não podemos expressar nossas ideias, nossas opiniões, nosso apoio a outros estudantes. Se nem os alunos que possuem documentação conseguem fazer isso, muito menos nós”, afirma Alejandra.

Ambos estão decepcionados porque acreditam que sua universidade traiu alguns dos valores que os fizeram escolher cursar o ensino superior na Columbia.

Grupos ativistas expressaram acreditar que a Universidade de Columbia tem investimentos em empresas com interesses em Israel e por isso tentaram desencorajar as manifestações.

Um comitê que aconselha a universidade sobre investimentos socialmente responsáveis rejeitou estas críticas no início deste ano, dizendo que havia falta de consenso na comunidade de Columbia sobre a questão.

A universidade alega que os manifestantes contrariaram as regras da instituição e que, após várias tentativas de desmobilização, chamaram a polícia.

‘Nossa crítica é ao governo israelense’

No campus principal da Universidade de Columbia, estudantes judeus expressaram preocupação com o que consideram ser um ambiente hostil para com eles, com alguns dizendo que não se sentem seguros nem bem-vindos ali.

Dizem que antes da chegada dos jornalistas, nos últimos dias, ouviram cantos e slogans que interpretam como antissemitas.

Vídeos divulgados recentemente parecem mostrar alguns manifestantes perto de Columbia expressando apoio ao ataque do Hamas a Israel.

A parlamentar democrata Kathy Manning, que visitou Columbia na segunda-feira, disse ter visto manifestantes pedindo a destruição de Israel.

O grupo hassídico Chabad, da Universidade de Columbia, disse que estudantes judeus foram submetidos a gritos e retórica ofensiva.

“Tenho medo de usar meu quipá”, disse um estudante judeu ao jornalista da BBC, Bernd Debusmann Jr, no campus da universidade.

Um rabino associado à universidade enviou uma mensagem a estudantes judeus esta semana pedindo que eles voltassem para casa até que a situação melhorasse.

Mas os manifestantes argumentaram que os incidentes de assédio a estudantes judeus foram excepcionais e exagerados por aqueles que se opuseram às suas reivindicações.

A presidente da universidade, Nemat Shafik, disse que não permitirá slogans antissemitas.

Em um comunicado no último domingo (21), o grupo “Estudantes de Columbia pela Justiça na Palestina” disse que “rejeita firmemente qualquer forma de ódio ou discriminação” e criticou “pessoas exaltadas que não nos representam”.

Mario e Alejandra argumentam que não são antissemitas e sim antissionistas, ou seja, são contra a ideia de estabelecer um lar para o povo judeu em território palestino.

Nossas críticas “não têm nada a ver com uma religião, mas com o governo e o país”, diz Alejandra.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

‘brasil-nao-pode-entrar-apenas-como-vitima-em-debate-sobre-reparacao-de-portugal-pela-escravidao’,-diz-luiz-felipe-de-alencastro

G1 Mundo

‘Brasil não pode entrar apenas como vítima em debate sobre reparação de Portugal pela escravidão’, diz Luiz Felipe de Alencastro

É preciso trazer Angola e outros países africanos, como Moçambique e Benin, para o debate, defende Alencastro. E o Brasil não pode entrar nessa discussão somente como vítima. Reparação histórica é um conjunto de ações cujo objetivo é diminuir as injustiças que aconteceram no passado contra certos grupos sociais, e assim promover a igualdade e combater a discriminação. "Os afro-brasileiros são vítimas, mas houve colonos brasileiros e proprietários, fazendeiros e […]

today27 de abril de 2024 14

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%