G1 Mundo

Território russo foi atacado por sabotadores ligados à Ucrânia, diz Rússia

today22 de maio de 2023 19

Fundo
share close

As autoridades russas reportaram que “um grupo de sabotagem e reconhecimento” vindo da Ucrânia entrou no distrito de Graivoron, na região de Belgorod.

“As forças armadas russas, junto dos guardas fronteiriços, a Rosgvardia [guarda naciona] e o FSB [serviços de segurança] implementam todas as medidas necessárias para liquidar o inimigo”, informou Viacheslav Gladko, governador da região de Belgorod, pelo Telegram.

O porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, disse aos jornalistas que o presidente Vladimir Putin foi informado da incursão. Ele também reportou que essa operação é uma tentativa da Ucrânia de “desviar a atenção”, após a perda do controle de Bakhmut.



O governo ucraniano assegurou que não tem relações com a incursão, mas que acompanha a situação com “interesse”.

Nas últimas semanas, um número crescente de ataques ucranianos foi registrado na região fronteiriça entre os dois países. Gladvok anunciou que “um regime legal antiterrorista foi introduzido” na região para garantir a segurança dos cidadãos.

Esse regime dá poderes às forças de segurança, permitindo a aplicação de medidas como o reforço dos controles de identidade, de veículos e das comunicações, assim como maior facilidade para realizar operações antiterroristas.

A incursão foi reivindicada em um canal de Telegram por uma conta que diz pertencer à “Legião Liberdade para a Rússia“, um grupo de russos que combatem ao lado da Ucrânia — e que já assumiu a autoria de operações anteriores na mesma região.

“Chegou o momento de pôr fim à ditadura do Kremlin”, afirmou um porta-voz do grupo em vídeo divulgado no canal. Na gravação, ele afirma que seus colegas “libertaram totalmente” uma vila da região de Belgorod e atacaram um segundo local.

Corte de energia na central de Zaporizhzhia

Durante o fim de semana, o governo da Ucrânia afirmou que um bombardeio da Rússia provocou um corte temporário de energia na usina nuclear de Zaporizhzhia, a maior da Europa. A central sofreu vários bombardeios e essa é a sétima vez que fica sem acesso à rede elétrica.

Atualmente ocupada pelos russos, a usina está fechada e não está produzindo eletricidade. Ainda assim, a edificação necessita de energia para atender à sua própria demanda, incluindo a refrigeração de seus seis reatores.

No fim de semana, a Rússia reivindicou a tomada de Bakhmut, cidade no leste do território ucraniano que é cenário da batalha mais sangrenta desde o início do conflito, em fevereiro de 2022.

Destruição na cidade de Bakhmut, região de Donetsk, em meio à invasão russa da Ucrânia, maio de 2023. — Foto: Handout / Armed Forces of Ukraine

No entanto, Volodymyr Zelensky, presidente da Ucrânia, disse que suas forças não perderam a região e afirmou que o exército do país ainda controla uma pequena faixa da região e que segue pressionando as tropas russas ao norte e ao sul da cidade.

As autoridades ucranianas afirmaram ter repelido (ao menos parcialmente) um ataque aéreo russo sem precedentes lançado durante a noite passada com mísseis e drones contra a cidade de Dnipro, no centro-oeste do país.

Segundo as autoridades regionais, sete pessoas ficaram feridas. O prefeito de Dnipro, Boris Filatov, disse que “[a cidade] nunca havia sofrido um bombardeio dessa intensidade”, desde o início da ofensiva russa.

As batalhas pelo controle de Bakhmut foram especialmente violentas; veja imagens de como ficou a cidade




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

brasileira-encontrada-apos-mais-de-15-dias-desaparecida-em-paris-diz-ter-sido-fechada-em-casa-abandonada,-segundo-ong

G1 Mundo

Brasileira encontrada após mais de 15 dias desaparecida em Paris diz ter sido fechada em casa abandonada, segundo ONG

De acordo com Nellma Barreto, responsável pela Associação Mulheres na Resistência de Paris, Fernanda Santos de Oliveira, de 44 anos, disse que saiu para trabalhar pela manhã e se perdeu. O desaparecimento dela foi registrado em 6 de maio e mobilizou o grupo feminino, que fez buscas pela brasileira por toda a capital francesa. “Ela disse que estava fechada em uma casa abandonada durante esses dias todos, em um lugar […]

today22 de maio de 2023 31

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%