G1 Mundo

Tropas dos EUA e da Rússia passam a dividir base aérea no Níger, na África

today3 de maio de 2024 4

Fundo
share close

As duas tropas acabaram coincidindo na mesma base porque as Forças Armadas dos EUA se preparam para deixar o país, por determinação da junta militar que governa o Níger desde que fez um golpe de Estado, no ano passado.

Só que a retirada dos EUA ocorre no mesmo momento em que tropas russas aterrissam no Níger, por um acordo também com o governo local, alinhado a Vladimir Putin.

Apesar da tensão, as Forças Armadas dos EUA afirmaram que a presença dos soldados russos não constituem um perigo aos militares norte-americanos que estão na mesma base. Questionado sobre o caso, o Kremlin disse também não se preocupar.



Depois de golpe militar, EUA cortam US$ 100 milhões de ajuda ao Níger

Depois de golpe militar, EUA cortam US$ 100 milhões de ajuda ao Níger

Os oficiais militares que governam o país da África Ocidental disseram aos EUA para retirarem os seus quase 1.000 militares do país, que até ao golpe do ano passado tinha sido um parceiro fundamental na luta de Washington contra os insurgentes que mataram milhares de pessoas e deslocaram outros milhões.

Um alto funcionário da defesa dos EUA, falando sob condição de anonimato, disse que as forças russas não estavam se misturando com as tropas dos EUA, mas estavam usando um hangar separado na Base Aérea 101, que fica ao lado do Aeroporto Internacional Diori Hamani, em Niamey, capital do Níger.

A ação dos militares russos, que a Reuters foi a primeira a relatar, coloca as tropas dos EUA e da Rússia em estreita proximidade num momento em que a rivalidade militar e diplomática entre as nações é cada vez mais acirrada em relação ao conflito na Ucrânia.

Também levanta questões sobre o destino das instalações dos EUA no país após uma retirada.

“(A situação) não é ótima, mas administrável no curto prazo”, disse a autoridade.

Questionado sobre o relatório da Reuters, o secretário de Defesa dos EUA, Lloyd Austin, minimizou qualquer risco para as tropas americanas ou a chance de as tropas russas se aproximarem do equipamento militar dos EUA.

“Os russos estão num complexo separado e não têm acesso às forças dos EUA ou ao nosso equipamento”, disse Austin numa conferência de imprensa em Honolulu.

“Estou sempre focado na segurança e proteção de nossas tropas… Mas neste momento, não vejo aqui um problema significativo em termos de proteção de nossa força.”

As embaixadas do Níger e da Rússia em Washington não responderam imediatamente a um pedido de comentários.

Os EUA e os seus aliados foram forçados a retirar tropas de vários países africanos, na sequência de golpes de estado que levaram ao poder grupos ansiosos por se distanciarem dos governos ocidentais. Além da partida iminente do Níger, as tropas dos EUA também deixaram o Chade nos últimos dias, enquanto as forças francesas foram expulsas do Mali e do Burkina Faso.

Ao mesmo tempo, a Rússia procura reforçar as relações com as nações africanas, apresentando Moscovo como um país amigo, sem bagagem colonial no continente.

O Mali, por exemplo, tornou-se nos últimos anos um dos aliados africanos mais próximos da Rússia, com a força mercenária do Grupo Wagner a deslocar-se para lá para combater os insurgentes jihadistas.

A Rússia descreveu as relações com os Estados Unidos como “abaixo de zero” por causa da ajuda militar e financeira dos EUA à Ucrânia no seu esforço de defesa contra as forças invasoras russas.

A autoridade dos EUA disse que as autoridades nigerinas disseram à administração do presidente Joe Biden que cerca de 60 militares russos estariam no Níger, mas a autoridade não conseguiu verificar esse número.

Após o golpe, os militares dos EUA transferiram algumas das suas forças no Níger da Base Aérea 101 para a Base Aérea 201 na cidade de Agadez. Não ficou imediatamente claro que equipamento militar dos EUA permaneceu na Base Aérea 101.

Os Estados Unidos construíram a Base Aérea 201 no centro do Níger a um custo de mais de US$ 100 milhões. Desde 2018, tem sido usado para atingir combatentes do Estado Islâmico e do Jama’at Nusrat al-Islam wal Muslimeen (JNIM), afiliado da Al Qaeda, com drones armados.

Washington está preocupado com os militantes islâmicos na região do Sahel, que poderão conseguir expandir-se sem a presença das forças e capacidades de inteligência dos EUA.

A decisão do Níger de pedir a remoção das tropas dos EUA ocorreu depois de uma reunião em Niamey, em meados de março, quando altos funcionários dos EUA levantaram preocupações, incluindo a chegada esperada de forças russas e relatos de que o Irão procurava matérias-primas no país, incluindo urânio.

Embora a mensagem dos EUA às autoridades nigerinas não tenha sido um ultimato, disse o funcionário, ficou claro que as forças dos EUA não poderiam estar numa base com as forças russas.

“Eles não aceitaram muito bem”, disse o funcionário.

Um general americano de duas estrelas foi enviado ao Níger para tentar organizar uma retirada profissional e responsável.

Embora nenhuma decisão tenha sido tomada sobre o futuro das tropas dos EUA no Níger, o funcionário disse que o plano era que elas retornassem às bases do Comando dos EUA para África, localizadas na Alemanha.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

policia-expulsa-estudantes-pro-palestinos-que-ocupavam-predio-de-faculdade-em-paris

G1 Mundo

Polícia expulsa estudantes pró-palestinos que ocupavam prédio de faculdade em Paris

De acordo com um estudante ouvido pelo jornal "Le Figaro", cerca de 50 pessoas estavam no local quando a polícia entrou no edifício. Os principais prédios do Sciences Po estavam fechados desde a manhã desta sexta, por decisão da reitoria, depois que dezenas de estudantes que estavam no local em solidariedade aos palestinos em Gaza recusaram um acordo para deixar o local. O Sciences Po Paris, considerado o melhor centro […]

today3 de maio de 2024 6

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%