G1 Mundo

Tumulto em funeral, fogo amigo contra avião e explosão: o rastro de mais de 300 mortes que se seguiu ao assassinato de Qassem Soleimani no Irã

today4 de janeiro de 2024 13

Fundo
share close

Soleimani era uma figura importante no Irã. Ele era o líder das Forças Quds, uma ala da Guarda Revolucionária do Irã, e o responsável pela política externa militar do Irã, que consiste em apoiar outros grupos no Oriente Médio.

A morte de Soleimani foi um grande evento político no Irã. Ele era considerado um herói no país e em outras regiões do Oriente Médio.

Após sua morte, o aiatolá Ali Khamenei, o líder máximo do Irã, deu ordem para um luto nacional de três dias.



Três eventos ligados indiretamente à morte de Soleimani causaram a morte de mais de 300 pessoas.

  • Morreram 56 em um tumulto no velório de Soleimani
  • Morreram 176 na queda de um avião que havia acabado de decolar de Teerã.
  • Morreram 95 em um evento para lembrar quatro anos da morte de Soleimani.

O velório de Soleimani aconteceu na cidade de Kerman. Centenas de milhares de pessoas foram ao evento.

No começo da procissão, a mjultidão começou a se acotovelar e empurrar. Pelo menos 56 morreram esmagadas e mais de 200 foram feridas.

A procissão acontecia em uma via estretia, e as ruas paralelas estavam fechadas. As pessoas não tinham para onde fugir quando começou a confusão.

Vídeo mostra um segundo míssil atingindo avião ucraniano no Irã

Vídeo mostra um segundo míssil atingindo avião ucraniano no Irã

No dia 8 de janeiro de 2020, quatro dias após a morte de Soleimani, um avião Boeing 737-800 de uma companhia aérea ucraniana caiu pouco depois de decolar do aeroporto de Teerã, capital do Irã, com 176 pessoas a bordo. Ninguém sobreviveu.

Inicialmente, o governo do Irã afirmou que o Boeing tinha caído por problemas da aeronave.

Nos dias após a morte de Soleimani, o Irã atacou bases militares dos EUA no Iraque. Os iranianos então estavam esperando um ataque das forças americanas e estavam monitorando o espaço aéreo para derrubar mísseis.

O Irã eventualmente confessou que seus próprios militares haviam derrubado o avião em Teerã.

No comunicado em que assumiam a culpa, os militares iranianos diziam que o avião “estava na posição e altitude de um avlo inimigo” e que estava perto de uma base da Guarda Revolucionária. “Nessas condiçóes, por causa de um erro humano” o avião “foi alvo de fogo”.

Na época, os militares afirmaram que iriam fazer mudanças na corporação para evitar um erro como esse novamente.

Explosões em evento de quatro anos da morte de Soleimani

No Irã, duas explosões matam pelo menos 95 pessoas e deixam mais de 200 feridos

No Irã, duas explosões matam pelo menos 95 pessoas e deixam mais de 200 feridos

Na quarta-feira (3) houve um evento na cidade de Kerman, onde Soleimani está enterrado, para lembrar os quatro anos da morte do general.

Em uma rua a caminho do cemitério onde o corpo de Soleimani houve duas explosões. Juntas, elas mataram mais de 95 pessoas que estavam em uma procissão. Outras 211 ficaram feridas, segundo serviços de emergência do Irã.

As explosões ocorreram com um intervalo de 20 minutos entre elas.

O governo iraniano chamou a explosão de “atentado terrorista” e disse se tratar de um ataque suicida cometido por pessoas que estavam no meio da multidão.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

como-morte-do-numero-2-do-hamas-no-libano-eleva-temores-de-guerra-ampliada-no-oriente-medio

G1 Mundo

Como morte do número 2 do Hamas no Líbano eleva temores de guerra ampliada no Oriente Médio

Arouri, vice-líder político do Hamas, foi morto em um ataque de drone no sul de Beirute. Ele era uma figura-chave nas Brigadas Izzedine al-Qassam, braço armado do Hamas, e um aliado próximo de Ismail Haniyeh, líder máximo do grupo. Arouri esteve no Líbano atuando como ponto de ligação entre o Hamas e o Hezbollah. Mesmo antes do início da guerra, após os ataques do Hamas a Israel em 7 de […]

today4 de janeiro de 2024 6

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%