G1 Mundo

Turquia: Erdogan e Kilicdaroglu disputam segundo turno neste domingo

today28 de maio de 2023 18

Fundo
share close

Acontece neste domingo (28) o segundo turno da eleição na Turquia, que teve uma primeira rodada acirrada entre os principais candidatos, Recep Tayyip Erdogan, atual presidente, e Kemal Kilicdaroglu, da oposição. O líder do país e o rival receberam, respectivamente, 49,5% e 45% dos votos no primeiro turno — diferença que deve se manter a mesma, segundo projeções.

No ano em que a nação comemora cem anos de República, o pleito acontece em uma sociedade dividida e seu resultado promete impactar a vida na Turquia e no resto do mundo. Mas, acima de tudo, a votação coloca em xeque a imagem de Erdogan, que está há duas décadas no poder e é acusado de autoritarismo.

Entenda os principais pontos da eleição abaixo:



Recep Tayyip Erdogan, de 69 anos, já está há mais de duas décadas à frente da Turquia, pois atuou anteriormente como primeiro-ministro e agora busca seu terceiro mandato consecutivo como presidente. Nenhuma eleição, entretanto, foi tão disputada como a deste ano.

Um nome chave na corrida eleitoral do segundo turno é o terceiro colocado. Sinan Ogan, político de direita e perfil nacionalista, decidiu apoiar Erdogan e a expectativa é que seus mais de 5% de eleitores defina o pleito.

No entanto, o discurso conservador do candidato distancia principalmente as mulheres e os jovens que estão descontentes com o atual presidente — e o impacto desses grupos pode ser significativo.

A faixa etária de 18 a 25 anos, por exemplo, representa 15% do eleitorado e, de acordo com um estudo de 2022 apoiado pela Fundação Alemã Konrad Adenauer, 62,5% deles estavam insatisfeitos com o governo de Erdoğan.

Kemal Kilicdaroglu, de 74 anos, é de centro-esquerda e pertence ao Partido Republicano do Povo (CHP), que lidera uma aliança de seis partidos para tentar vencer a eleição. A coalizão é um tanto diversa e conta com integrantes nacionalistas, curdos e antigos parceiros de Erdogan.

Algumas propostas de Kilicdaroglu são:

  • Devolver à Turquia um “sistema parlamentar forte”, desfazendo o sistema presidencial introduzido pelo opositor após um referendo em 2017.
  • Desfazer as políticas econômicas de Erdogan, que especialistas dizem ter alimentado a inflação e piorado a crise econômica no país.
  • Promover os direitos humanos, os direitos das mulheres e o acolhimento (moderado) de imigrantes.
  • Se aproximar da Otan, pleitear uma vaga na União Europeia e sancionar a Rússia.

A possível de vitória de Kilicdaroglu é esperança também para os refugiados do país. Com 3,4 milhões de sírios e centenas de milhares de afegãos, iranianos e iraquianos, a Turquia é o país que acolhe o maior número de refugiados no mundo, segundo dados oficiais.

Rússia e política externa

As eleições na Turquia também prometem afetar a política externa do país — assunto que já está sob os holofotes há alguns meses.

Erdogan é um antigo aliado de Vladimir Putin, presidente da Rússia, e a forma como age (ou deixa de agir) perante a guerra na Ucrânia não tem agradado os colegas da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), já que o grupo está do lado ucraniano.

Se Kilicdaroglu sair vitorioso, no entanto, este cenário pode mudar. Em mais de uma ocasião, o candidato afirmou ter interesse em fortalecer os laços do Estado turco com a Otan e, inclusive, acredita que o país deveria pleitear uma vaga na União Europeia.

Quanto à guerra russa na Ucrânia, Kilicdaroglu confirmou que, se eleito, irá impor sanções à Rússia, algo que Erdogan pouco fez até agora. Isso isolaria Moscou ainda mais no cenário internacional e poderia ter desdobramentos importantes, segundo os especialistas.

Ainda assim, o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse após o primeiro turno que seu país vai cooperar com qualquer um dos candidatos que vencer as eleições.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

video:-panda-albino-raro-e-avistado-em-reserva-natural-na-china

G1 Mundo

VÍDEO: Panda albino raro é avistado em reserva natural na China

Segundo autoridades do parque, as imagens de fevereiro deste ano mostram um filhote com cerca de um a dois anos de idade. Reserva natural da China divulga novas imagens de raro panda albino Câmeras da Reserva Natural Nacional de Wolong, no sudoeste da China, flagaram a presença de um raro urso panda albino circulando pela região. A informação é de autoridades do parque, segundo a agência estatal de notícias chinesa […]

today28 de maio de 2023 75

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%