G1 Mundo

Ucrânia enfrenta o momento mais perigoso e delicado, dois anos após a invasão russa

today24 de fevereiro de 2024 2

Fundo
share close

O país comandado por Volodymyr Zelensky resiste como pode: falta munição, a ajuda de US$ 60 bilhões está empacada no Congresso americano, outra guerra, a de Israel em Gaza, monopoliza as atenções da opinião pública internacional, e o cotidiano brutal dos confrontos já não mobiliza o Ocidente como no início da invasão russa, há dois anos.

Os próximos 12 meses serão determinantes no futuro da guerra. Tanto Putin como o presidente americano, Joe Biden, de quem Zelensky depende financeiramente, buscam a reeleição. As urnas russas não trarão surpresas, mas as dos EUA podem mudar o rumo do apoio americano à Ucrânia.

A perspectiva de Donald Trump retornar à Casa Branca equivale ao pior pesadelo de Zelensky. Com a habitual retórica virulenta anti-Otan, o ex-presidente já avisou que, caso seja eleito, fechará as torneiras para a Ucrânia e pressiona os republicanos da Câmara a fazerem o mesmo, retardando a aprovação do pacote de ajuda ao país.



Cidade de Bakhmut, no leste da Ucrânia, destruída durante confrontos da guerra — Foto: Kholodnyi Yar Brigade/Reuters

Enquanto a guerra se arrasta, a tragédia humanitária se cristaliza. Embora não haja estatísticas fiéis, estima-se que pelo menos 500 mil pessoas morreram nos dois lados das trincheiras. O conflito expulsou de suas casas mais de 14 milhões de ucranianos — um terço da população — e mandou 6,5 milhões de refugiados para países vizinhos, de acordo com dados da Organização Internacional para as Migrações.

Nesse terceiro ano, a ajuda dos EUA e da União Europeia se faz mais vital para a Ucrânia. As contas aumentam na mesma medida do cansaço de combatentes e doadores. Na semana passada, suas tropas foram obrigadas a retirar-se de Avdiivka, em Donetsk, sofrendo a maior derrota para a Rússia desde maio, após pesados bombardeios que infligiram grande número de baixas para ambos os lados.

Zelensky fez um périplo por dezenas de países, no último ano, passando o chapéu e implorando por ajuda financeira. Em nome da segurança europeia, os EUA e a União Europeia tentam evitar a vitória de Putin na maior guerra no continente desde 1945.

Apesar de isolado e com mandado de captura expedido pelo Tribunal Penal Internacional, o presidente russo demonstrou-se eficaz ao conseguir driblar as duras sanções. Buscou alternativas, abrindo espaços para a venda de gás e petróleo, e ampliou sua influência na África, na Ásia e na América do Sul.

Se, no início da invasão, Putin achava que sua ofensiva militar se resolveria em poucos dias, foi surpreendido pela reação da Ucrânia, com o respaldo da Otan, liderada pelo governo Biden. Dois anos depois, a unidade entre os membros da aliança atlântica começa a se esgarçar e a contraofensiva ucraniana não conseguiu desalojar os russos do Leste.

A maré mudou, e a Rússia ganhou ímpeto, conforme observou o general reformado David Petraeus, ex-diretor da CIA e ex-comandante das tropas americanas no Afeganistão e no Iraque, em entrevista ao analista de segurança da CNN, Peter Berger:

“Os russos certamente aprenderam certas lições depois de aparentemente não terem sido capazes de fazer isso durante o primeiro ano de guerra. A Rússia pôs a sua economia em função de guerra total, e é aqui que a realidade entra em cena, já que o país tem o triplo da população da Ucrânia e sua economia é 10 vezes maior”, resumiu Petraeus.

Entre a escassez de munição e a sensação de abandono de seus aliados, pode-se dizer que a Ucrânia enfrenta o seu momento mais delicado e perigoso.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

nikki-haley,-unica-adversaria-de-trump-no-partido-republicano,-vai-para-o-tudo-ou-nada-na-carolina-do-sul;-primarias-acontecem-neste-sabado

G1 Mundo

Nikki Haley, única adversária de Trump no Partido Republicano, vai para o tudo ou nada na Carolina do Sul; primárias acontecem neste sábado

Há apenas dois políticos que disputam a vaga de candidato à presidente do Partido Republicano: Donald Trump, ex-presidente dos EUA.Nikki Haley, ex-governadora da Carolina do Sul. Entre os candidatos à nomeação do Partido Republicano, Trump é o favorito. Ele venceu as outras etapas das primárias republicanas (em Iowa, New Hampshire e Nevada) até aqui, mas são estados menores, com um número menor de delegados. Por que essa votação é importante? […]

today24 de fevereiro de 2024 11

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%