G1 Mundo

UE diz que escravidão infligiu ‘sofrimento incalculável’ e sugere reparações; metade dos africanos sequestrados foi levada ao Brasil

today18 de julho de 2023 8

Fundo
share close

Do século 15 ao 19, pelo menos 12,5 milhões de africanos foram sequestrados e transportados à força por navios europeus e vendidos como escravos. Quase metade foi levada por Portugal para o Brasil.

A ideia de pagar indenizações ou fazer outras reparações pela escravidão tem uma longa história, mas o movimento está ganhando força em todo o mundo.

Líderes da União Europeia e da Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac) se reuniram em Bruxelas nesta semana para uma cúpula de dois dias.



Quando o evento começou na segunda-feira, Ralph Gonsalves, primeiro-ministro de São Vicente e Granadinas, atual titular da Presidência da Celac, disse que queria que a declaração final da cúpula incluísse texto sobre os “legados históricos de genocídio nativo e escravização de corpos africanos” e “justiça reparatória”,

Mas alguns governos europeus desconfiaram da linguagem proposta sobre as reparações, disseram diplomatas.

A União Europeia e a Celac concordaram em um parágrafo que reconhece e lamenta “profundamente” o “incalculável sofrimento infligido a milhões de homens, mulheres e crianças como resultado do comércio transatlântico de escravos”.

O trecho afirma que a escravidão e o comércio transatlântico de escravos eram “tragédias terríveis não apenas por causa de sua barbárie abominável, mas também em termos de sua magnitude”. Diz ainda que a escravidão é um “crime contra a humanidade”.

No comunicado, adotado por líderes de ambos os lados, a Celac se referiu a um plano de reparação de 10 pontos da Comunidade do Caribe (Caricom), que, entre outras medidas, insta os países europeus a se desculparem formalmente pela escravidão.

O plano exige um programa de repatriação que permita que as pessoas se mudem para países africanos, se quiserem, e apoio de países europeus para enfrentar crises econômicas e de saúde pública. O plano também pede o cancelamento de dívidas.

A comissão de reparações da Caricom “vê a persistente vitimização racial dos descendentes da escravidão e do genocídio como a causa raiz de seu sofrimento hoje”, diz o plano.

Líderes europeus pedem desculpas

No início deste mês, o rei holandês Willem-Alexander pediu desculpas pelo envolvimento histórico da Holanda na escravidão e, em abril, o rei Charles deu seu apoio à pesquisa que examinaria os vínculos da monarquia britânica com a escravidão.

Em Portugal, o presidente Marcelo Rebelo de Sousa disse que seu país deveria se desculpar por seu papel no comércio transatlântico de escravos, mas os críticos disseram que desculpas não eram suficientes e medidas práticas eram essenciais para lidar com o passado.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

batalha-judicial-de-r$-800-milhoes-entre-rei-emerito-da-espanha-e-a-ex-amante-dele-e-retomada

G1 Mundo

Batalha judicial de R$ 800 milhões entre rei emérito da Espanha e a ex-amante dele é retomada

Corinna é uma empresária de 58 anos, divorciada de um príncipe alemão e também conhecida por seu sobrenome de solteira Larsen. Ela entrou com uma ação civil em outubro de 2020 em Londres, onde residia. No processo, ela denuncia Juan Carlos por ameaças, invasões, perseguição e difamação. Adam Wolanski, o novo advogado do rei emérito da Espanha, foi quem disse que a dinamarquesa pede R$ 796 milhões por danos psicológicos. […]

today18 de julho de 2023 6

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%