G1 Mundo

Venezuela marca eleição presidencial para 28 de julho, dia de aniversário de Chávez

today5 de março de 2024 10

Fundo
share close

Tradicionalmente, as eleições no país acontecem em dezembro. O dia 28 de julho é o aniversário de Hugo Chávez.

Elvis Amoroso, presidente do Conselho Nacional Eleitoral (CNE), um órgão controlado pelo governo, anunciou que a diretoria do organismo aprovou por unanimidade a data das eleições.

Nicolás Maduro provavelmente vai tentar se reeleger.



Reação no governo brasileiro

Entre membros do governo do Brasil, o agendamento de um dia para a votação na Venezuela foi tido como um alívio.

Em outubro do ano passado, o governo da Venezuela e a oposição chegaram a um acerto sobre as eleições e assinaram um documento chamado Acordo de Barbados, que estabelece diretrizes de como as eleições devem acontecer. Pelos termos, a votação para presidente deverá ser realizada no segundo semestre de 2024.

Como a data fixada pelo Conselho Nacional Eleitoral é em julho, está dentro desse período, o que agradou membros do governo brasileiro, mas que pediram para não serem identificados. No entanto, como é uma data no começo do segundo semestre, eles também estão preocupados, porque seria cedo demais.

Lula conversou com Maduro sobre eleições

No dia 1º de março, Maduro disse ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) que as eleições na Venezuela seriam marcadas para o segundo semestre deste ano e, depois de um “amplo acordo com a oposição”, o pleito terá observadores internacionais e será feita uma auditoria nos resultados.

De acordo com a assessoria de Lula, Maduro foi quem levantou o assunto das eleições. Antes da reunião bilateral às margens da cúpula da Comunidade dos Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac), como antecipou a Reuters, Lula já havia decidido trazer à tona o tema.

Uma das questões era o cumprimento do acordo de Barbados, mediado pelos Estados Unidos com apoio do Brasil, que levou a um acordo com a oposição. A desabilitação da oposicionista María Corina Machado, em janeiro, levantou dúvidas sobre se o processo correria como o acordado, mas uma fonte disse à agência de notícias Reuters que a maioria da oposição tratou a retirada da líder oposicionista como um fato já esperado.

Lula também pretendia levantar a questão da oratória inflamada de Maduro na questão do Essequibo. Há um temor de que, durante as eleições, o presidente venezuelano volte a fazer ameaças de ocupação da região pertencente à Guiana.

O assunto, no entanto, foi tratado nesta sexta-feira apenas lateralmente, como as falas públicas de Lula sobre a defesa de uma zona de paz para a região na reunião da Celac, em São Vicente e Granadinas.

Em entrevista na Guiana, na quinta-feira, o presidente Lula afirmou que falaria a Maduro da sua posição, de que divergências precisam ser resolvidas por diálogo.

Outro tema da reunião foi a dívida da Venezuela com o Brasil. Maduro, que apresentou a Lula índices que mostram uma melhoria nos indicadores econômicos do país, como a inflação, disse que seu governo tentaria avançar no pagamento da dívida para que seja possível retomar o comércio entre os dois países.

Ainda segundo o Planalto, os dois presidentes também trataram do combate ao garimpo ilegal, especialmente nas terras indígenas yanomami, que abrangem áreas dos dois países.

Imagem de Nicolás Maduro com barras de ouro — Foto: Reuters




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

lula-e-presidente-da-espanha-vao-discutir-guerras-em-gaza-e-na-ucrania,-diz-itamaraty

G1 Mundo

Lula e presidente da Espanha vão discutir guerras em Gaza e na Ucrânia, diz Itamaraty

Sanchez cumprirá agenda oficial em Brasília nesta quarta – na primeira visita dele ao Brasil desde que Lula tomou posse. No ano passado, o presidente brasileiro esteve em Madri. No caso da guerra em Gaza, Lula tem condenado o ataque do grupo terrorista Hamas, mas afirmado que a reação de Israel tem representado “genocidio”, uma vez que mulheres e crianças e inocentes estão morrendo na guerra. Já no caso da […]

today5 de março de 2024 4

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%