G1 Mundo

Violência de colonos israelenses contra palestinos aumenta na Cisjordânia

today22 de outubro de 2023 4

Fundo
share close

Uma imagem, enviada a ele por um amigo, mostrava um grupo de homens mascarados posando com machados, gasolina e uma motosserra, com texto em hebraico e árabe.

“A todos os ratos nos esgotos da vila de Qusra, estamos esperando por vocês e não ficaremos de luto por vocês”, dizia o texto. “O dia da vingança está chegando.”

Qusra é a vila de Wadi, na parte norte da Cisjordânia, perto de Nablus. Naquele dia, Wadi participaria de um funeral de quatro palestinos locais. Três tinham sido mortos no dia anterior — quarta-feira, 11 de outubro — depois que colonos israelenses entraram em Qusra e atacaram a casa de uma família palestina.



O quarto foi morto a tiros em confrontos com soldados israelenses.

No dia seguinte, os moradores de Qusra preparavam-se para partir para um hospital a meia hora de distância e regressar com os corpos dos mortos. Eles teriam de viajar por terras repletas de assentamentos israelenses, onde o risco de violência — que já é alto mesmo em tempos normais — aumentou drasticamente nas duas semanas desde que Israel entrou em guerra com o Hamas.

Wadi desligou o telefone e continuou se arrumando. Havia quatro corpos no hospital que precisavam ser trazidos para casa. Wadi disse a si mesmo que não seria intimidado por ameaças.

Não tinha como Wadi saber que, dentro de algumas horas, colonos israelenses radicais iriam invadir o cortejo fúnebre, matando seu irmão e seu jovem sobrinho a tiros.

“Se tivéssemos atrasado um ou até dois dias, que bem isso teria feito?” Wadi disse, sentado no pátio da casa de sua família em Qusra.

“Você acha que os colonos teriam deixado este lugar no segundo dia?”

Abed Wadi em Qusra. “Queríamos esperança para nossos filhos, mas ela acabou.” — Foto: Joel Gunter/Via BBC

De acordo com a agência humanitária da ONU, a semana que se seguiu ao ataque assassino do Hamas foi a mais mortal para os palestinos na Cisjordânia desde 2005, com pelo menos 75 palestinos mortos pelos militares ou colonos israelenses. Incidentes de violência envolvendo colonos aumentaram de uma média de três para oito por dia.

Em um ataque a um campo de refugiados palestinos, e em um raro ataque aéreo na região, no dia 12 de outubro, as forças israelenses mataram pelo menos 12 pessoas, disseram autoridades palestinas. A polícia israelense disse que um policial foi morto.

Esta semana, a ONU disse que existe “um risco real” de o território ocupado “ficar fora de controle”.

Os moradores palestinos da Cisjordânia dizem que, enquanto a atenção do mundo é atraída para o desastre em Gaza, os colonos israelenses estão aproveitando para entrar nas vilas e expulsar, e até matar, civis palestinos.

Em pelo menos três casos, de acordo com imagens de vídeo ou depoimentos de testemunhas, os colonos usaram uniformes militares ou foram acompanhados pelos militares israelenses nos seus ataques.

Três dos homens que morreram em Qusra tinham ido defender uma família em uma casa nos arredores, depois de colonos se aproximarem do local e começarem a atirar pedras nela, disseram vários residentes à BBC.

Um vídeo mostra os colonos mascarados que atiraram contra os moradores de Qusra — Foto: Joel Gunter/Via BBC

Eles dizem que os colonos abriram fogo contra os vizinhos palestinos que vieram ajudar, matando três jovens — Hasan Abu Sorour, de 16 anos, Obayda Abu Sorour, de 17, e Musab Abu Reda, de 25 — e ferindo gravemente vários outros. Moath Odeh, de 21 anos, foi morto posteriormente em confrontos com soldados.

Entre os feridos estavam um pai e sua filha de seis anos, que moravam na casa, que foram baleados no rosto e no abdômen, respectivamente, segundo duas pessoas que atenderam as vítimas em uma clínica médica próxima.

Um dos que atendeu as vítimas na clínica foi Amer Odeh, que é primo de uma delas. Coube a Amer ligar para Said Odeh, pai de Obayda, de 17 anos.

“Eu menti a ele que seu filho estava levemente ferido”, disse Amer, em entrevista ao lado de Said em Qusra, na terça-feira (17/10). “Eu não poderia dar essa notícia chocante por telefone.”

Said correu para o centro médico. “Me disseram que meu filho estava ferido, mas não havia como vê-lo naquele momento”, lembrou ele, com os olhos brilhando de lágrimas.

“Eu disse a eles que queria ver meu filho agora, entrei naquela sala e vi que pela graça de Deus ele havia sido virado mártir.”

Said Odeh perdeu seu filho de 17 anos na semana passada. “Esta tristeza permanecerá com todo o nosso povo” — Foto: Joel Gunter/Via BBC

O funeral das quatro vítimas estava marcado para o dia seguinte. Abed Wadi tirou da cabeça a imagem dos homens mascarados com machados e motosserras que recebera em seu celular e se juntou ao cortejo fúnebre que trazia os corpos do hospital para Qusra.

Na estrada Nablus-Ramallah, o comboio foi emboscado por colonos israelenses radicais. No confronto que se seguiu, de acordo com imagens de vídeo e depoimentos de testemunhas, os colonos atiraram pedras no comboio, alguns membros do comboio fúnebre atiraram pedras para trás, e os colonos e soldados israelenses responderam com disparos.

No “caos e nos tiroteios pesados e aleatórios”, Abed Wadi perdeu de vista seu irmão, Ibrahim, um político local de 63 anos do Movimento Fatah, e o filho de Ibrahim, Ahmed, um estudante de direito de 24 anos. Imagens de vídeo de parte do confronto parecem mostrar Ahmed e outros fugindo do tiroteio, antes de Ahmed ser abatido por tiros na estrada.

“Me disseram que meu sobrinho levou dois tiros no estômago e um no pescoço, e meu irmão levou um tiro na cintura, em direção ao coração”, disse Wadi.

“Não havia armas em nosso cortejo funerário”, disse ele. “Normalmente hasteávamos a bandeira palestina nos carros, mas desta vez nem fizemos isso, por medo.”

Said Odeh perdeu seu filho de 17 anos na semana passada. “Esta tristeza permanecerá com todo o nosso povo” — Foto: Joel Gunter/Via BBC

Moradores de Qusra disseram à BBC esta semana que o medo tomou conta da vila. No fim de semana passado começou a época de colheita da azeitona, mas os moradores que dependem da safra para o seu sustento disseram que não irão para os olivais por medo dos tiros dos colonos.

Já tinha havido um aumento significativo da violência por parte dos colonos israelenses este ano, mesmo antes do ataque do Hamas, segundo dados da ONU, com mais de 100 incidentes relatados todos os meses e cerca de 400 pessoas expulsas das suas terras entre janeiro e agosto.

A organização israelense de direitos humanos B’Tselem disse à BBC que documentou “um esforço organizado dos colonos para aproveitar o fato de que toda a atenção internacional e local está focada em Gaza e no norte de Israel para tentar tomar terras na Cisjordânia”.

Dados parciais compilados pelo B’Tselem, cobrindo os primeiros seis dias após o ataque do Hamas, registaram pelo menos 46 incidentes separados em que colonos teriam ameaçado, atacado fisicamente ou danificado propriedades de palestinos na Cisjordânia.

“Muitas famílias e comunidades de pastores fugiram porque foram ameaçadas na semana passada pelos colonos”, disse Roy Yellin, porta-voz do B’Tselem. “Os colonos têm dado aos residentes um prazo para partir e dizem que, se não o fizerem, serão afetados. E algumas vilas foram totalmente esvaziadas.”

Colonos israelenses mascarados atacando fazendeiros palestinos na Cisjordânia em outubro de 2020 — Foto: Getty Images/Via BBC

Uma dessas aldeias é Wadi al-Siq, perto de Ramallah, que anteriormente abrigava uma comunidade beduína palestina de cerca de 200 pessoas. “Há meses que enfrentamos assédio e ataques de colonos dia e noite, mas desde o início da guerra os ataques aumentaram”, diz Abdul Rahman Kaabna, 48 anos, agricultor de Wadi al-Siq.

No dia 9 de outubro, um grupo de aproximadamente 60 colonos, muitos deles vestidos com uniformes militares, atacou a comunidade, segundo três residentes agora exilados. “Eles nos atacaram com armas e aterrorizaram a todos”, disse Kaabna. “Então eles nos deram uma hora para sair com nossas ovelhas e nos ameaçaram de morte se não partíssemos.”

Os moradores caminharam mais de 10 quilômetros para escapar, disse outro residente, Ali Arara, 35 anos. “Os colonos roubaram tudo de nossas casas”, disse ele. “Minha filha ficou apavorada. Eles nos bateram e nos deixaram sem nada.”

De acordo com B’Tselem e Yesh Din, outro grupo israelense de direitos humanos que monitoriza a violência na Cisjordânia, a intimidação e a deslocação forçada relatadas em Wadi al-Siq têm-se repetido em comunidades de todo o território desde 7 de outubro.

Num dos incidentes mais chocantes registados em vídeo na semana passada, um colono israelense entrou em uma vila palestina chamada Al-Tuwani, perto de Hebron, e disparou à queima-roupa contra um palestino desarmado no estômago, enquanto um soldado israelense parecia apenas olhar.

O incidente começou quando dois colonos armados, acompanhados por um soldado, atacaram uma casa nos arredores da aldeia, segundo três moradores, incluindo o proprietário.

“Três israelenses vieram à minha casa, estavam armados e um usava o uniforme do exército”, disse Musab Rabai, 36 anos.

“Um dos colonos entrou na casa, me empurrou e me bateu na cabeça com a arma e disse que ia atirar em mim.”

Os vizinhos responderam aos gritos de ajuda de Rabai, disse ele. Entre eles estava Zakriha Adra, pai de quatro filhos. Imagens filmadas pelo primo de Adra, Basel, mostram o colono que supostamente espancou Rabai e o soldado israelense a uma curta distância do grupo de vizinhos palestinos. O colono armado então se aproxima repentinamente de Adra, golpeia-o com seu rifle e atira em seu estômago a apenas alguns metros de distância.

Durante todo o encontro, Adra parece estar com seus braços ao lado do corpo, de uma maneira não ameaçadora.

Segundo a família, Adra está internada em estado crítico. “Ele sobreviveu, mas a bala causou muitos danos em seu estômago”, disse Basel, seu primo.

Musab Rabai, cuja casa foi atacada, disse que o tiroteio foi o ápice de dias de violência e destruição de propriedades por parte dos colonos.

“Desde sábado eles estão ao redor da vila armados e usando uma escavadeira para destruir árvores”, disse ele. “Os homens aqui na aldeia têm dormido em turnos, apenas algumas horas cada, então há sempre alguém acordado caso os colonos ataquem.”

A BBC pediu ao Conselho Yesha, a organização dos colonos na Cisjordânia e em outros lugares, que comentasse esta história, mas eles se recusaram. Moti Yogev, chefe interino do Conselho Binyamin, que também representa os colonos na região, disse que os colonos violentos “pertenciam à periferia” da comunidade de colonos. “Se existirem, devem ser tratados como qualquer outro criminoso”, disse ele.

As forças militares e policiais israelenses não responderam a vários pedidos de comentários.

“O mais trágico é que a violência por parte destes colonos extremistas não produz qualquer resposta por parte dos militares israelenses”, disse Dov Khenin, um antigo político de Israel que se tornou ativista da paz. “E a violência tem o seu próprio propósito: livrar-se destas pequenas comunidades palestinas e expulsá-las das suas casas.”

Abed Wadi, em casa com seu primo Abdel Wadi, centro, e sobrinho Mahmoud Wadi, cujo pai foi morto na semana passada — Foto: Joel Gunter/Via BBC

O receio de muitos palestinos agora é que a situação na Cisjordânia só piore. O ministro da Segurança Nacional de Israel, Itar Ben Gvir, anunciou na semana passada que o governo iria comprar 10 mil rifles para armar civis israelenses, incluindo aqueles nos colonatos da Cisjordânia — uma medida que ameaça deixar ainda menos claras as linhas entre colonos armados e membros das forças armadas no território ocupado.

Em Qusra, Abed Wadi disse ter ouvido a notícia sobre os 10 mil rifles. Ele balançou sua cabeça. “Isso não mudará nada para o povo de Qusra”, disse ele.

Wadi estava sentado no seu pátio, rodeado por cartazes com a imagem do seu irmão, do seu sobrinho e dos outros quatro homens da aldeia que foram mortos na semana passada.

“Sempre vimos o fuzil nas mãos dos colonos, eles estão atirando na gente há muito tempo”, disse.

Mas algo mudou, disse ele. Parecia que os colonos tinham ficado mais agressivos, mais radicais. “Fazendas estão sendo queimadas, oliveiras derrubadas, carros arrombados, terras estão sendo roubadas”, disse Wadi.

“E ussi é apenas na nossa vila. Se olharmos para a próxima aldeia e para a próxima aldeia, encontraremos raiva e dor em cada uma”, disse ele. “E não há fim para isso.”

Alla Badarna colaborou com esta reportagem. Fotos de Joel Gunter.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

no-iraque,-grupo-xiita-tenta-atacar-base-aerea-onde-ha-forcas-dos-eua-com-dois-drones

G1 Mundo

No Iraque, grupo xiita tenta atacar base aérea onde há forças dos EUA com dois drones

Um grupo de muçulmanos xiitas intitulado Resitência Islâmica no Iraque assumiu que foi o responsável pelo ataque. No Iraque, uma base militar onde há militares dos Estados Unidos foi atacada por dois drones --os sistemas de segurança da base derrubaram os drones. O incidente aconteceu neste sábado (21). Um grupo de muçulmanos xiitas intitulado Resitência Islâmica no Iraque assumiu que foi o responsável pelo ataque. Deseja receber as notícias mais […]

today22 de outubro de 2023 1

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%