G1 Mundo

Viúva é acusada na Justiça de envolvimento na morte de presidente do Haiti

today20 de fevereiro de 2024 9

Fundo
share close

As informações estão em um relatório de 122 páginas que o juiz do caso tornou público nesta segunda-feira (19).

Martine é acusada na Justiça do Haiti de cumplicidade e associação para cometer um crime, mas não de ordenar a morte do marido, que ocorreu entre 6 e 7 de julho de 2021.

Diversos políticos ou pessoas com cargo de autoridade foram processados. O ex-primeiro ministro Claude Joseph também foi processado por cumplicidade.



O ex-chefe de polícia Léon Charles foi acusado de assassinato, tentativa de assassinato, posse de arma ilegal, conspiração contra o Estado e associação criminosa.

Viúva descreveu a noite do ataque

De acordo com o jornal “The New York Times”, o juiz do caso considerou que os depoimentos de Martine e outras pessoas que descreveram a ação na noite do crime são contraditórios, o que sugere cumplicidade no crime.

Quando Martine Moïse foi interrogada, ela contou que ouviu disparos por volta de 1h da madrugada. Foram de 30 minutos a 45 minutos de troca de tiros até que homens armados entraram no quarto do casal presidencial.

Ela afirmou que estava no chão quando ouviu os homens gritarem “Não é isso, não é isso!”.

Os suspeitos então fizeram uma chamada em vídeo para identificar a localização exata do que buscavam. Foi nesse momento que eles mataram o presidente.

Ela também disse que os homens pensaram que ela estava morta e, quando eles, saíram, ela se arrastou até o marido e disse que tentaria ir ao hospital. Foi nesse momento que ela se deu conta de que ele estava morto e que o olho esquerdo do presidente tinha sido removido.

No relato de Martine, um grupo de 30 a 50 policiais deveriam fazer a guarda da residência presidencial, mas o juiz afirma que havia poucos agentes naquela noite.

Um policial afirmou que ouviu de um megafone que era uma ação do exército dos Estados Unidos.

Um outro policial disse que o chefe de segurança da primeira-dama a encontrou “em estado crítico”, cercada pelos filhos. Ele disse também que viu pessoas saindo da residência com maletas e vários envelopes.

Entre os outros acusados, estão:

  • Christian Emmanuel Sanon, um pastor haitiano-americano que queria ser o próximo presidente do Haiti e disse que achava que Moïse seria preso, mas não assassinado.
  • Joseph Vincent, um haitiano-americano e ex-informante da agência antidrogas dos EUA.
  • Dimitri Hérard, chefe de segurança presidencial.
  • John Joël Joseph, ex-senador haitiano.
  • Windelle Coq, uma senadora haitiana que as autoridades dizem ser uma fugitiva.

Sanon, Vincent e Joseph foram extraditados para os EUA, onde 11 suspeitos são acusados pelo assassinato do presidente do Haiti. Desses, 3 já foram condenados.

Segundo promotores de Justiça dos EUA, o plano foi tramado tanto no Haiti quanto no estado da Flórida, nos EUA. Foram contratados mercenários para sequestrar ou matar Moïse, que tinha 53 anos quando foi morto em sua residência privada perto da capital haitiana, Porto Príncipe.

Além disso, mais de 40 pessoas estão detidas em prisões no Haiti aguardando julgamento.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

eua-vao-propor-ao-conselho-de-seguranca-da-onu-cessar-fogo-em-gaza-e-oposicao-a-ofensiva-de-israel-em-rafah,-diz-agencia

G1 Mundo

EUA vão propor ao Conselho de Segurança da ONU cessar-fogo em Gaza e oposição à ofensiva de Israel em Rafah, diz agência

O Conselho de Segurança da ONU se reúne às 10h desta terça-feira (12h no horário de Brasília) para debater o conflito entre Israel e Hamas na Palestina. Segundo a Reuters, não está claro se o rascunho será votado. Uma autoridade dos EUA disse à agência, sob condição de anonimato, que não há pressa em submeter o texto a uma votação e que os americanos querem ter tempo para negociar. O […]

today20 de fevereiro de 2024 5

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%